Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Você está preparado para se aposentar, servidor?

Você está preparado para se aposentar, servidor?

Dados científicos apontam que a aposentadoria pode elevar em 40% as chances de uma pessoa desenvolver depressão

Fabíola Araújo diz que  gestão pública
precisa desenvolver Programas de Preparação
para a Aposentadoria (PPA)

 

Você, servidor e funcionário público, está preparado para se aposentar? A pergunta pode parecer insólita, já que o desejo de muitas pessoas, quando chega a uma determinada idade, é largar o trabalho e curtir a vida. Mas muitas vezes, o sonho pode virar pesadelo, ainda mais quando não se planeja a aposentadoria. 

O Dia do Funcionário Público Aposentado, comemorado nesta segunda-feira, dia 17, pode servir como reflexão para que você, servidor e funcionário público, pense e planeje sua tão sonhada aposentadoria. 

PAD: defesa técnica precisa de advogado?

Relator estabelece nova regra para servidores e reduz idade mínima para professoras

Isso porque muitos profissionais, por não se acharem mais produtivos e não se adequarem à rotina de um aposentado, acabam desenvolvendo problemas ligados à depressão e distúrbios psicológicos. Há, inclusive, diversas pessoas que não se preparam também financeiramente isso.

Para se ter ideia do perigo de não se preparar emocional, psicológica e economicamente para a rotina de um aposentado, dados do Institute of Economics Affairs (IEA), em 2013, comprovam que a aposentadoria pode elevar em 40% as chances de uma pessoa desenvolver depressão.

Além disso, de acordo com a psicóloga Fabiola Araújo, após a aposentadoria, a possibilidade de aparecimento de um problema físico aumenta em 60%. Por isso, manter a saúde física e mental é um dos principais desafios dessa etapa, segundo a especialista.

“É importante que o aposentado mantenha um acompanhamento médico para a realização de check-up geral. Cuidar da alimentação e manter uma dieta balanceada é uma forma de auxiliar no controle e prevenção de doenças”, completou.

Visto isso, a analista comportamental e coach Mariza Baumbach acredita que a melhor forma de o servidor se adequar à aposentadoria é pensar nela muito antes de se consolidar. Planejar esse momento, após o período agitado de trabalho diário, será um grande diferencial para que não ocorram problemas como depressão, garante a especialista.

“Muitos têm o desejo de viajar, de se dedicar a um hobbie, organizar um empreendimento, realizar um trabalho social, enfim, são muitas as possibilidades. No entanto, esperar completar 65 anos para pensar sobre isto é um grande erro”, afirmou.

Para a psicóloga Fabiola Araújo, o profissional deve pensar na aposentadoria como a conclusão de uma etapa de sua vida e ver nela a oportunidade de dedicar-se a novos projetos. O erro, segundo a especialista, é a pessoa achar que está deixando de ser produtiva. 

“É muito comum que a aposentadoria vire uma válvula de escape para atingir a felicidade, realização pessoal e uma oportunidade de se dedicar a novos projetos. Entretanto, nem sempre é percebida como a conclusão de uma fase que representa o encerramento de uma carreira formal e, sim, uma cessação da atividade, trazendo uma desvalorização social, perda da identidade profissional, frustração e sentimento de vazio. O planejamento somado ao suporte de amigos e familiares pode minimizar esse sentimento de improdutividade, tornando essa nova fase cheia de realizações e experiências prazerosas”, afirmou.

Administração Pública também deve contribuir

Na visão de Fabiola Araújo, é fundamental que a gestão pública desenvolva Programas de Preparação para a Aposentadoria (PPA), assim como já acontece na iniciativa privada. Ela explica que, de um modo geral, o PPA é composto por uma equipe multidisciplinar, que tem como objetivo promover a informação e conscientização sobre temas como condutas e hábitos alimentares, educação para saúde, legislação, empreendedorismo, entre outros. 

“Além da preparação realizada pré-aposentadoria, os órgãos deveriam fazer um acompanhamento dos aposentados por um período de tempo para monitoramento e manutenção do bem-estar”, declarou.

Para a coach Mariza Baumbach, ações como o PPA trariam, inclusive, benefícios para os órgãos onde os servidores atuam, pois a construção de um programa colaborativo gera, inclusive, menos tensões no ambiente de trabalho. “A grande maioria dos servidores não está preparada para uma vida pós-emprego, tanto no aspecto emocional, como no financeiro e organizacional.”

Mariza aconselha que o servidor pense a aposentadoria como o momento de construir e realizar um grande sonho, não apenas um período de descanso e relaxamento. Segundo ela, empreender em algo que esteja vinculado ao que gosta de fazer pode ser uma possibilidade interessante para o aposentado.

No entanto, a coach destaca que é preciso construir essa possibilidade, pesquisando e buscando conhecimentos da área onde deseja empreender, além de ter ciência do seu potencial em relação a tal empreendimento. Este quesito é muito importante para que o negócio não se torne algo cansativo, estressante e desanimador.

“A palavra mais indicada para este momento da vida pode ser: escolher. Talvez seja o melhor momento da vida para testar suas escolhas. Se anteriormente havia a necessidade para se suprida, neste momento da vida você, com certeza, pode se permitir a escolher”, afirmou.

Seguindo a linha de autoconhecimento para tomada de escolhas, a coach afirma ser primordial que o aposentado saiba quem ele é, bem como quais são seus pontos fortes e quais as suas vulnerabilidades, ou seja, onde precisa melhorar.

“É necessário que o servidor entenda a aposentadoria como um processo natural da vida profissional. É apenas uma etapa que finaliza e te deixa pronto para seguir um degrau ainda mais vantajoso. A construção de um projeto de vida e de um plano de ação são fundamentais para que o servidor continue a se sentir útil e produtivo como realmente ele pode ser”, afirmou Mariza Baumbach.(L.D)

Detran-RJ desenvolve programa para preparar servidor para aposentadoria

 

Priscila Monzato: “O rompimento do ciclo profissional
causa muitos impactos na vida de uma pessoa"

 

Preocupado com a transição dos seus servidores para a inatividade, o Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ) lançará em breve o Programa de Preparação para a Aposentadoria (PPA), segundo informou a diretora da Divisão de Formação e Qualificação da autarquia, Priscila Monzato.

A ideia, segundo Priscila Monzato, é preparar os servidores para que possam romper o vínculo de trabalho de forma mais leve e tranquila, reduzindo eventuais impactos na vida deles quando se aposentarem.

“O rompimento do ciclo profissional causa muitos impactos na vida de uma pessoa, seja de ordem emocional, na vida social, na vida financeira e nas relações pessoais e com a familia. Por meio de palestras, sobre o mais variados temas, pretendemos promover uma transição mais leve para os servidores”, disse.

De acordo com a diretora da Divisão de Formação e Qualificação do Detran, o programa vai atender servidores que estão em seus últimos cinco anos de trabalho. “Pretendemos realizar dez encontros com os servidores, para trabalhar temáticas como espiritualidade, sexualidade, relação com a família, empreendedorismo, aspectos financeiros e outros assuntos que possam dar apoio para, quando eles romperem o vínculo de trabalho, estarem mais bem preparados para a aposentadoria.”

Se por um lado o Detran-RJ pensa em suavizar a transição para a inatividade, por outro a autarquia também quer fazer com que seus ex-servidores sintam-se produtivos. Por isso, também será lançado um programa de voluntariado, para trazê-los novamente à autarquia.

“Esse é um projeto para revigorar a autoestima dos nossos ex-servidores. Sabemos que muitos deles entram em depressão quando param de trabalhar, afinal eles passaram a vida inteira dedicando-se à vida profissional e não se enxergam mais como pessoas produtivas”, explica a coordenadora de Gestão de Pessoas, Tainah Andrade. 

Os atuais servidores do Detran-RJ também serão beneficiados com o programa, segundo Tainah Andrade. “A experiência deles vai ajudar muitos os atuais servidores. A interação de gerações é muito importante para que os mais novos possam continuar a se desenvolver profissionalmente.”

A coordenadora de Gestão de Pessoas do Detran-RJ informa que a portaria que implementará o programa será publicada em breve. “Vamos entrar em contato com as áreas internas para verificar quais terão interesse de absorver esse pessoal. Assim, vamos definir as vagas e os horários de trabalho”, destacou Tainah Andrade, informando ainda que os aposentados receberão auxílio-transporte e o vale-alimentação. (L.F.C)

Leonardo Diegues
leonardo.diegues@folhadirigida.com.br

Luiz Fernando Caldeira
luiz.fernando@folhadirigida.com.br

 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários