Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Reforma da Previdência é necessária?

Reforma da Previdência é necessária?

Antonio Batist e Marcus Silva falam sobre déficit previdenciário versus superávit do governo

Antonio Batist e Marcus Silva

 

* Antonio Batist e Marcus Silva

Olá, servidor! Em uma coluna anterior tivemos a oportunidade de falar um pouco sobre a reforma da previdência. Naquela oportunidade, abordamos a forma como nós deveríamos encarar a situação à época. Isso já faz bastante tempo e não havia tantas informações como há atualmente, com uma proposta já enviada ao Poder Legislativo para discussão. 

Mesmo hoje, sabemos que ainda haverá muito a ser discutido e debatido. Talvez, a proposta, nos termos em que foi entregue, seja bastante modificada. Ou não. Tudo dependerá da conjuntura e das pressões que sempre acontecem nesse tipo de debate tão importante.

Produtividade no trabalho de forma simples e objetiva

A importância dos valores na carreira de um servidor público

Nesse sentido, ainda nos resta aguardar os acontecimentos e acompanhar, da mesma forma como falei naquela ocasião. Entretanto, podemos procurar entender e nos aprofundar um pouco mais nesse tema, buscando informações confiáveis. 

Hoje, gostaríamos de trazer um pouco mais de informação sobre o assunto, falando sobre o déficit previdenciário versus superávit do governo. Tal relação, segundo notícia veiculada pelo Tribunal de Contas da União - TCU - em seu site, demonstra a necessidade de reforma na previdência.

O resultado do governo federal, até outubro de 2018, era superavitário em R$ 102,6 bilhões, mas tanto o resultado do Banco Central do Brasil quanto o do INSS foram deficitários, respectivamente, em R$ 0,8 bilhão e R$ 168 bilhões.

 

 

O déficit previdenciário até outubro de 2018 suplantou todo o superávit do governo federal e ainda promoveu déficit de R$ 66,3 bilhões no resultado do governo central. 

Essa foi a conclusão do acompanhamento realizado pelo TCU sobre as receitas primárias, despesas primárias impactantes, resultado primário e contingenciamento relativos ao quinto bimestre de 2018.

O trabalho foi realizado nas secretarias do Tesouro Nacional, da Receita Federal do Brasil e de Orçamento Federal, no Banco Central do Brasil e na Secretaria de Coordenação e Governança das Empresas Estatais.

A contabilização do resultado do governo central é composta pelos resultados do governo federal, BCB e Instituto Nacional do Seguro Social (INSS). O resultado do governo federal, até outubro de 2018, era superavitário em R$ 102,6 bilhões, mas tanto o resultado do BCB quanto o do INSS foram deficitários, respectivamente, em R$ 0,8 bilhão e R$ 168 bilhões.

Assim, não só o déficit previdenciário suplantou todo o superávit do governo federal como também promoveu um grande déficit de R$ 66,3 bilhões no resultado do governo central, o que foi considerado o principal componente do atual déficit das contas públicas. 

Para a relatora do processo, a vice-presidente do TCU, ministra Ana Arraes, "essa é a razão da urgência da reforma da Previdência".

É isso por hoje, colegas servidores! Poderemos voltar a falar um pouco mais sobre o assunto em breve. Até a próxima!

* Antonio Batist é diretor da Escola de Governança em Gestão Pública da Universidade Federal Fluminense (EGPP/UFF), doutorando em Administração, consultor, professor, empreendedor e servidor público.

Marcus Silva é auditor de controle externo do Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro (TCMRJ), exercendo a função de assessor de conselheiro, além de ter ocupado vários outros cargos públicos.

 

 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações