Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

'O setor público ainda está longe de oferecer acessibilidade aos servidores'

'O setor público ainda está longe de oferecer acessibilidade aos servidores'

A afirmação é do vice-presidente da Associação dos  Deficientes Visuais do Estado do Rio de Janeiro, Luís Cláudio Freitas

Luís Cláudio Freitas é o entrevistado,
desta semana, de Antonio Batist

 

Apesar de avanços significativos nos últimos anos, sobretudo após a edição da Lei Brasileira de Inclusão, o país ainda está  longe de oferecer ao servidor com deficiência uma acessibilidade adequada para o desempenho de suas atividades. 

Quem afirma é o  vice-presidente da Associação dos  Deficientes Visuais do Estado do Rio de Janeiro, Luís Cláudio Freitas, entrevistado desta semana do programa Servidor +. “Não adianta termos cotas para deficientes, nos concursos públicos, se o ambiente de trabalho não for acessível e inclusivo”, disse.

Você sabe o que é Nudge?

Psicóloga dá dicas de como controlar a emoção e manter-se automotivado

Luís Cláudio Freitas, que é procurador do Banco Central, explica que a barreira arquitetônica é um dos grandes obstáculos para as pessoas com deficiência, mas várias outras precisam ser removidas, tais como as comunicacionais, urbanísticas e de transporte, para que exista, em plenitude, acessibilidade no país. 

“Quando pensamos em acessibilidade, temos que pensar em todos os tipos de deficiência, como visual, auditiva, física e intelectual. Hoje, o conceito de deficiência, desde a Convenção da ONU de 2008, mudou. Atualmente, leva-se em conta a interação entre o ambiente e o impedimento de longo prazo. Essa interação é que leva a essa deficiência. Quanto mais acessível e inclusivo for o ambiente, menor será a deficiência”, explicou.

 

 

Apesar dos obstáculos arquitetônicos, comunicacionais, urbanísticos, de transporte, entre outros, a principal barreira a ser vencida, na visão de Luís Cláudio Freitas, é a atitudinal. 

“Estamos falando da barreira do desconhecimento e do preconceito. Quando nós conseguirmos removê-la, a gente traz para o centro da discussão a acessibilidade. Assim, paramos de querer cumprir o que a legislação diz, no que tange ao cumprimento de cotas no serviço público, e efetivamente passamos a promover a inclusão, dando igualdade de condições e oportunidades às pessoas com deficiência, permitindo que ela se desenvolva e produza adequadamente.”

Assista abaixo ao programa Servidor + desta semana, que trata do tema Acessibilidade no serviço público:

 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações