Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

‘Junho Vermelho’: hora de o servidor exercer sua cidadania

‘Junho Vermelho’: hora de o servidor exercer sua cidadania

Conscientização dos servidores é ponto alto na campanha para a doação de sangue. Você fará a sua parte?

Campanha no Detran-RJ mobiliza muitos servidores

 

Leonardo Diegues
leonardo.diegues@folhadirigida.com.br

No próximo sábado, dia 1º de junho, terá início o ‘Mês Vermelho’. A ideia é conscientizar a população para a importância da doação de sangue, que ajuda a salvar vidas todos os dias nos hospitais pelo mundo. 

O mais interessante é que diversos órgãos públicos buscam mobilizar seus servidores a se engajarem nesta causa. E você, servidor, vai fazer a sua parte?

Veja 7 dicas para desenvolver a resiliência no setor público

Servidor, você está cuidando do seu bem estar?

No último ano, o Ministério da Saúde alertou a população de todo o país sobre a queda de doação de sangue, o que tem impactado os estoques de várias cidades, de acordo com relatos dos hemocentros.

Segundo o próprio Ministério da Saúde, são feitas cerca de 3,4 milhões de doações de sangue por ano. Dados de 2016 indicam que 1,6% da população brasileira (16 a cada mil habitantes) doa sangue.

Esses dados são preocupantes e mostram a importância de se ter um mês de conscientização da doação de sangue. Muito por conta disso, diversos órgãos abraçam a causa para conscientizar seus servidores a doarem sangue.

Um grande exemplo disso é a Guarda Municipal do Rio de Janeiro. A prática é estimulada com foco na solidariedade e também já se tornou uma cultura entre os agentes. É comum a Guarda divulgar nos canais de comunicação internos os pedidos de doação em favor de guardas, parentes e até cidadãos.

 

 

Além disso, de acordo com a Assessoria de Imprensa da Guarda, muitos grupamentos e unidades operacionais se mobilizam periodicamente e formam grupos de doação em favor de agentes e parentes.

 Eles costumam fazer as doações na folga ou até mesmo no dia de serviço, no tempo de descanso, mas logo em seguida retornam ao trabalho.

Ainda nessa linha de trânsito, o Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ) também busca esclarecer a relevância da doação de sangue entre seus funcionários.

A porta-voz e coordenadora de Educação da autarquia, Manoela Morgado, que ajuda a organizar a mobilização para doação de sangue, afirmou ser fundamental que uma empresa ou órgão público fomente a sua responsabilidade social visando à adoção de ações que tragam efetivamente uma valia para sociedade.

“O Detran-RJ busca conscientizar seus servidores para a importância de práticas que colaborem com o bem-estar do outro, como, por exemplo, a doação de sangue. Procuramos sempre desenvolver campanhas para cada vez mais consolidar o espírito de comprometimento social”, completou.

Em maio, Detran coletou 120 bolsas

Segundo ela, na primeira campanha de doação de sangue deste ano, realizada em maio, foram coletadas 120 bolsas para o Hemorio. A mobilização dos funcionários atingiu o limite de atendimento da equipe do hemocentro, de 140 cadastros de candidatos à doação.

Manoela Morgado ainda afirmou que o Detran-RJ programa novas datas para a doação e tem uma lista de interessados de mais de 300 servidores. Dos colaboradores que doaram, 60% foram mulheres e 40% foram homens.

Paralelo a isso, o Hemorio organiza uma campanha chamada de “Mulher + Solidária”, que chega ao fim neste dia 31 de maio. A ação busca aumentar o número de doadores de sangue entre as mulheres, que representaram 42% dos voluntários em 2018. A meta do Hemorio é ter 50% de doadoras no total.

De acordo com a porta-voz do Detran-RJ, o órgão tem consciência de que mais de 60% dos leitos de hospitais são ocupados por vítimas de trânsito e a maioria necessita de doação de sangue. Além disso, é de consciência de todos que o estoque do Hemorio é baixo. Por isso o órgão busca promover esse tipo de ação.

“Focamos a campanha deste ano para esse público e, uma semana antes da doação, foram realizadas visitas de sensibilização, feitas pela equipe do Núcleo de Apoio à Vítima de Trânsito (Navi), da nossa Coordenadoria de Educação para o Trânsito, em todos os setores do Detran”, afirmou.

Segundo ela, nessas visitas, familiares e vítimas de trânsito, que compõem a equipe do núcleo, fizeram um breve relato de suas histórias e mostraram a importância de se doar sangue regularmente, por ser um item essencial no atendimento a vítimas de acidentes de trânsito.

Manoela Morgado declarou que a ideia de promover campanhas de doação de sangue surgiu durante o planejamento de ações internas para o “Maio Amarelo”, movimento que tem por proposta alertar a sociedade para o alto índice de mortos e feridos em acidentes de trânsito.

“A partir daí surgiu a ideia de organizarmos a campanha de doação de sangue com os nossos funcionários, utilizando a temática do trânsito. O envolvimento dos servidores foi singular. Diante do sucesso, reforçaremos a campanha em Setembro, quando da Semana Nacional de Trânsito”, declarou.

As constantes campanhas do Hemorio, sempre convocando a população a doar, demonstram que é de extrema importância existir um mês dedicado inteiramente à conscientização para a doação de sangue, bem como mobilizações pontuais em momentos onde a procura para doação diminui e a necessidade de sangue aumenta, como Carnaval, feriados prolongados e festas de final de ano, acredita Manoela.

“Ratificamos o quão importante foi o papel de nossa empresa ao realizar esta última campanha de doação de sangue. O próprio Hemorio ressaltou que a nossa campanha fez uma enorme diferença, pois o estoque deles estava muito baixo. Para se ter uma ideia dessa necessidade, uma servidora que doou sangue recebeu um SMS do hemocentro, dois dias após a doação, informando que o seu sangue estava salvando uma vida naquele momento.”

Guarda Municipal também promove campanhas de doação

 

Corrêa: "Ajudar as pessoas é o que me motiva"

 

A Guarda Municipal do Rio de Janeiro (GM-Rio) também é outro exemplo de órgão público que embarca na campanha de doação de sangue no mês de junho. Muitos grupamentos e unidades operacionais se mobilizam periodicamente e formam grupos de doação em favor de agentes e parentes.

Um exemplo é Marcos Antônio Corrêa da Silva, integrante do Grupamento Especial de Praia (GEP). Aos 47 anos, Marcos já doou duas vezes neste ano e, após descobrir que pode fazer quatro doações por ano, ele sempre procura fazer as quatro vezes.

“Comecei a doar sangue aos 18 anos e não parei desde então. Minha motivação é porque sei que estou ajudando a salvar vidas”, conta Corrêa, nome de guerra do guarda.

Segundo Corrêa, sua primeira doação aconteceu quando se alistou ao Exército Brasileiro, aos 18 anos. Lá, foi perguntado se seria voluntário e aceitou. “Depois disso, passei a doar sangue com frequência, ainda mais por saber que posso ajudar pessoas acidentadas e também quem necessita de sangue. Isso é o que me motiva a ser doador”, afirmou.

De acordo com a Assessoria da GM-Rio, os servidores que doam sangue recebem os benefícios previstos no Decreto de Lei nº 229, de 1967, que permite ao funcionário deixar de comparecer ao serviço, sem prejuízo do salário, por um dia em cada 12 meses de trabalho em caso de doação voluntária de sangue devidamente comprovada.

Segundo a Assessoria, o efetivo da Guarda Municipal do Rio é bastante motivado. As doações acontecem com regularidade a partir de iniciativas pessoais e das próprias unidades operacionais.

 

 


 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações