Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Corpo de Bombeiros-RJ tem sua 1ª militar mulher comandante de aeronave 

Conquista chegou após cinco anos de atuação como copiloto no Grupamento de Operações Aéreas (GOA)

Rachel Lopes, que ingressou no Corpo de Bombeiros por
meio de concurso para soldado combatente, é a primeira
mulher comandante de aeronave (Foto: Divulgação)

 

Primeira comandante de aeronave do Corpo de Bombeiros do Rio de Janeiro, Rachel Lopes, de 37 anos, não esconde a alegria. A posição de destaque era um sonho antigo. A conquista chegou após cinco anos de atuação como copiloto no Grupamento de Operações Aéreas (GOA). 

O trabalho como comandante teve início em dezembro do ano passado. A militar tem atuado no atendimento aeromédico, que inclui o transporte inter-hospitalar de pacientes adultos e neonatos, evacuação de vítimas de acidente, além do transporte de órgãos e tecidos vitais, quando necessário.

Networking pode alavancar carreira dos servidores

Burnout: síndrome põe em risco a saúde dos servidores públicos

"Eu me sinto uma heroína quando tenho a oportunidade de cumprir com a minha função. A redução do tempo em situações de emergência pode salvar vidas", disse a piloto.

Desde nova, Rachel tinha atração pelo trabalho do Corpo de Bombeiros. Foi o irmão que a informou sobre o concurso de combatentes, o primeiro a aceitar mulheres.

 

 

"A profissão de bombeiro é encantadora. É uma função muito nobre, quem nunca admirou ou sonhou quando criança em ser bombeiro? Fui informada e incentivada pelo meu irmão sobre o concurso que, pela primeira vez, admitiria o ingresso feminino para oficial combatente na corporação. A vontade de trabalhar com aviação surgiu depois. Ingressei na corporação aos 19 anos", lembrou a major. 

Com dois irmãos aviadores, logo Rachel começou a pensar na possibilidade de atuar como piloto de helicóptero. No Corpo de Bombeiros foi descobrindo que o desejo poderia se tornar realidade.

"No desfile de Sete de Setembro, na Avenida Presidente Vargas, ficava olhando o helicóptero vermelho da corporação e pensando: ainda vou estar lá em cima. O comandante do Grupamento de Operações Aéreas da época me falou que nenhuma mulher havia tentado. Aí pensei: esse vai ser o meu desafio", disse. (Com informações da Assessoria de Imprensa dos Bombeiros)

 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações