Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Ações de inovação podem render viagem e prêmio de até R$30 mil a servidores

Ações de inovação podem render viagem e prêmio de até R$30 mil a servidores

Prêmio Espírito Público, organizado pela Aliança e Agenda Brasil do Futuro, divulga e premia iniciativas inovadoras de servidores

 

O trabalho de servidores públicos de todo o Brasil será reconhecido por mais um ano na segunda edição do Prêmio Espírito Público, que visa a divulgar e premiar iniciativas inovadoras de concursados de diferentes órgãos do país, bem como a estimulá-los a buscar soluções para desafios diários. Além de um prêmio de até R$30 mil, os ganhadores farão ainda uma viagem de imersão para alguma instituição internacional de referência no serviço público.

O Prêmio Espírito Público é organizado pela Aliança (que é formada pelo Instituto República, Instituto Humanize, Fundação Lemann e Fundação Brava) e Agenda Brasil do Futuro – associação sem fins lucrativos que visa a acelerar mudanças estruturantes no Brasil –, em parceria com outras organizações, como o Centro de Liderança Pública, Fundação Itaú Social e o Instituto Arapyaú, junto com apoiadores institucionais, setoriais e de mobilização. 

Servidores devem cuidar da saúde física e mental

A remuneração do servidor pode ser reduzida? Veja o que diz advogado!

A diretora-executiva da Agência Brasil do Futuro, Marina Cançado, conta que o Prêmio Espírito Público surgiu do desejo de reconhecer e divulgar as trajetórias invisíveis de profissionais que deram grande contribuição para a melhoria dos serviços públicos no Brasil.

“O prêmio busca inspirar os profissionais públicos brasileiros a fortalecer seu protagonismo na busca de soluções para os desafios do país. Queremos mostrar histórias reais que incentivem talentos de todo o Brasil a entrarem na Administração Pública”.

Nessa perspectiva, segundo ela, o Prêmio Espírito Público tem o papel de mostrar para a sociedade que existem profissionais públicos lutando contra todas as adversidades, estimulando suas equipes e desenvolvendo projetos inovadores e de relevância social. “Essas ações acabam por impactar de forma positiva a comunidade na qual estão inseridos e a sociedade como um todo. Nossa expectativa é de que o prêmio chegue ao maior número de pessoas, tanto os profissionais públicos quanto a sociedade”.

Poderão participar do prêmio servidores de órgãos das esferas municipal, estadual e federal que tenham pelo menos dez anos de atuação no setor público (mesmo que de forma não consecutiva), sendo pelo menos cinco deles exercidos na última década. Interessados deverão se cadastrar no site do Prêmio Espírito Público até o dia 28 deste mês e preencher o formulário, gratuitamente.

 

 

Além desse tipo de inscrição, o servidor poderá ser indicado pelo chefe, colega de trabalho, familiar ou amigo para participar. Nessa modalidade, a inscrição vai até 21 de abril. Nesse caso, o profissional indicado recebe um e-mail avisando sobre a indicação, estimulando-o a se inscrever.

Em 2018, foram centenas de participantes, de acordo com Marina, o que superou as expectativas dos organizadores, por se tratar da primeira edição. Foram quatro categorias: Educação, Meio Ambiente, Segurança Pública e Gente, Gestão e Finanças Públicas. A edição de 2019 por sua vez, terá mais dois grupos: Saúde e Governo Digital.

O júri da premiação será composto por representantes do setor público, academia, terceiro setor e empresas com atuação em cada categoria, além dos vencedores do ano passado. Os critérios passam por quatro dimensões: resultados entregues para a sociedade; contribuições técnicas no campo de atuação; contribuição para o desenvolvimento de outros profissionais públicos; e resiliência e superação de adversidades.

Terminado o prazo de inscrição, serão selecionados pelo júri, em 29 de julho, 18 nomes, sendo três finalistas em cada área, que ganharão R$10 mil pelo reconhecimento dos seus trabalhos. Eles ainda farão uma viagem de uma semana em setembro, em local a ser definido, para conhecerem órgãos internacionais de destaque no serviço público.

No ano passado, o destino foi o Parlamento, a Polícia Metropolitana e a Agência Nacional de Meio Ambiente de Londres. A partir desses 18 finalistas, o júri escolherá seis vencedores, sendo um em cada área. Cada um deles receberá R$20 mil a mais. A cerimônia de premiação dos servidores ocorrerá em 28 de outubro.

"É uma forma de valorização", diz servidor

O vencedor na categoria Meio Ambiente no ano passado foi Jair Schmitt, que é analista ambiental do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). O servidor relembra que soube da existência do Prêmio Espírito Público por meio de colegas de trabalho.

A candidatura de Jair Schmitt ao prêmio não ocorreu por uma iniciativa inovadora específica, segundo ele, mas por um conjunto de realizações ao longo de sua trajetória profissional.

Uma delas foi o desenvolvimento de um modelo matemático (equação) que permite mensurar a dissuasão promovida pela fiscalização ambiental, ou seja, o medo que o infrator tem de ser punido. "Com base nesse modelo, é possível elaborar estratégias de fiscalização ambiental mais efetivas, que irão gerar maior impacto e evitar a ocorrência de ilícitos e danos ambientais", destaca. Além disso, Jair atuou na concepção e coordenação do projeto do sistema de Auto de Infração Eletrônico (AI-e).

"Trata-se de uma plataforma móvel conectada à internet e a outros sistemas corporativos do Ibama que permite lavrar os documentos de fiscalização ambiental eletronicamente. Essa ferramenta foi implementada em 2014 e é relevante porque possibilita maior controle, qualidade, transparência, segurança, agilidade, eficiência e eficácia na lavratura de autos por infração ambiental e outros documentos", explica.

Orgulhoso com o reconhecimento do seu trabalho no Prêmio Espírito Público, o servidor revela que ao longo de sua trajetória pessoal passou por várias dificuldades no trabalho e também no âmbito profissional, o que deu um "sabor" especial à sua vitória.

"Minha participação no prêmio serviu como um fator de motivação para manter a resiliência e a perseverança no exercício do ofício público. Com a conquista do Prêmio Espírito Público, essa motivação foi renovada. Acredito que a premiação de servidores públicos é uma forma de valorização e reconhecimento desses profissionais, tão importantes para a sociedade."

Já na categoria Segurança Pública, a vencedora foi Emanuelle Neto, que é coordenadora de Operação e Manutenção (Redes) da Superintendência de Comunicações Críticas da Secretaria de Estado da Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro (SUPCCRIT/SEPM). A servidora, que também ficou sabendo do Prêmio Espírito Público por meio de um colega de trabalho, diz que viveu uma experiência incrível.  

"Quanto à experiência, foi maravilhosa, pois durante o processo de inscrição eu tive que relembrar os momentos vividos. Passa um filme na cabeça da gente, pelos objetivos dos projetos envolvidos, pelos obstáculos vencidos, amizades feitas e até a resiliência adquirida nos momentos difíceis, além da troca de experiências entre os participantes", frisa.

Na época das Olimpíadas, Emanuelle, junto com outros servidores, desenvolveram o Sistema Integrado de Radiocomunicação Crítica Estadual (Sirce) nas Olimpíadas de 2016, realizadas no Rio de Janeiro. O sistema foi o utilizado pelo Comitê Olímpico, e recebeu o Prêmio International Critical Communications Awards 2016 – Best Use of Control Room Systems.

"Apoiar diretamente no maior evento esportivo do mundo não tem preço. Saber que uma das modalidades da competição depende diretamente do sistema que você participa ativamente durante cinco anos realmente é de trazer orgulho e satisfação. Foi muito bom não só para minha vida profissional, mas como pessoa e cidadã também, ao poder contribuir e colaborar para levar o sistema a 90% da população."

Além do Sirce, outra iniciativa citada na participação da servidora na 1ª Edição do Prêmio Espírito Público foi a construção do Batalhão Padrão – A polícia do Futuro. Ela explica que esse é um conceito construtivo para os batalhões de Polícia Militar, "tendo como um de seus objetivos a quebra do paradigma das unidades policiais, criando um ambiente sustentável e factível para a polícia, que pudesse oferecer a interação com os cidadãos e a integração com as demais pastas do governo". Essa ideia surgiu em 2009/2010, mas infelizmente o projeto foi arquivado.

Giulliana Barbosa

[email protected]





CADASTRE-SE AGORA E VEJA MAIS SOBRE ESTE CONTEÚDO

OU

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações