Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

A tecnologia como aliada do servidor

A tecnologia como aliada do servidor

Recursos tecnológicos têm proporcionado ganhos e eficiência e redução de custo aos órgãos públicos

A cada dia, surgem novas soluções tecnológicas para aperfeiçoar processos e otimizar resultados no meio corporativo. E essa tendência também chegou de vez no serviço público. 

Órgãos de todas as esferas têm buscado inovações com o objetivo de problemas de áreas estratégicas, reduzir burocracia e custo, além de melhorar procedimentos operacionais e a relação entre governantes e cidadãos.

O impacto das novas tecnologias na carreira pública

O servidor público também pode ser empresário?

O investimento em inovação por parte de órgãos públicos é feito principalmente de duas formas: por uso de plataformas ou contratação de cursos e de capacitações. 

Dessa tendência surge um novo segmento: o Business to Governement (B2G), alimentado por empresas e, principalmente, startups que desenvolvem os mais diferentes tipos de soluções.

A startup1Doc, por exemplo, foi criada para otimizar os processos de comunicação interna dentro de órgãos públicos. A proposta é, por meio de uma plataforma digital, eliminar ao máximo o uso dos tradicionais memorandos, o que permite  agilizar a rotina de transmissão de comunicados e, ainda, reduzir custos.

“O problema não é o servidor, que já está habituado com a inovação e o uso de recursos tecnológicos. O que propomos é transformar os processos burocráticos, que fazem o servidor caminhar de um lado para outro, permitindo maior eficiência”, explica Jéferson de Castilhos, sócio-fundador da 1Doc, usada por mais de 60 prefeituras. 

 

André Tamura, do WeGov: "O objetivo é incentivar
o servidor a fazer uso mais frequente da tecnologia"

 

Com atividades presenciais e a distância, a plataforma WeGov já proporcionou capacitação para mais de 1 mil instituições públicas, do Executivo, Legislativo e Judiciário. 

Uma das linhas de ação da startup é criar laboratórios de inovação, por meio dos quais os servidores aprendem a fazer da tecnologia uma aliada para aumentar a eficiência e o rendimento do trabalho. 

“Nos laboratórios, utilizamos tanto tecnologias gratuitas disponíveis no marcado como também ferramentas exclusivas desenvolvidas por parceiros. O objetivo é incentivar o servidor a fazer uso mais frequente da tecnologia em seu dia a dia”, ressalta André Tamura, diretor do WeGov.

Um dos exemplos de trabalhados feitos pelo WeGov, segundo André Tamura, foi um programa realizado junto à Justiça Federal no Espírito Santo, que envolveu cerca de 50 servidores das áreas Judiciária e Administrativa. 

“Ao longo de quatro meses, realizamos atividades presenciais e online onde os participantes puderam propor soluções para diversos desafios, como reduzir gastos”, ressalta André Tamura. 

 

 

O uso da tecnologia vai além de otimizar processos no serviço público. Jéferson de Castilhos salienta que, ao permitir que a comunicação de tarefas e procedimentos seja feita por meio de aplicativos, como acontece com na plataforma 1Doc, o processo torna-se mais seguro para o próprio funcionário.

”Muitas coisas triviais do dia a dia não são documentadas. E usar a plataforma não apenas torna o processo mais fácil, como também é mais seguro para o servidor, já que tudo fica registrado”, destaca .

Conheça tecnologias usadas no serviço público

1Doc

Aumentar a transparência e gerar redução de custos nas gestões municipais. Esse é o objetivo da 1Doc. A startup de Santa Catarina desenvolveu uma plataforma em nuvem de comunicação, atendimento e gestão documental. A solução aumenta a eficiência nos trâmites internos entre as Secretarias do Poder Executivo Municipal. Com mecanismos que visam à economia de recursos financeiros, materiais e humanos, promove-se a celeridade dos atos administrativos e permite transparência e acesso à informação. Desta forma, é possível oferecer resposta aos pedidos e requerimentos, nos prazos estabelecidos em lei, via internet.

4MTI

Levar informação para o gestor público por meio da tecnologia. Essa é a missão da 4MTI. A startup de Minas Gerais criou uma solução que utiliza de tecnologia big data para centralizar todas as informações em uma única plataforma. Com isso, gestores de todas as esferas de governo conseguem ter uma visão geral da informação solicitada a partir de relatórios instantâneos e intuitivos. 

CityTech

A CityTech usa tecnologias e ferramentas de ponta para construir cidades mais inteligentes e cognitivas. A startup oferece soluções digitais para ajudar empreendedores, governos locais, empresas, universidades e a sociedade civil a construir cidades mais inteligentes. A partir ferramenta gestores e equipes de governos, em todos os níveis, podem acessar informações, pontos de vista, tendências e temas prioritários sobre o que as pessoas estão falando sobre uma determinada cidade na Internet. 

Boostr

A Boostr busca levar eficiência ao setor público na medida em que auxilia gestores que desejam aumentar a eficiência da máquina pública. A ferramenta também propicia obter maior transparência ao reduzir perdas de arrecadação e ao identificar novas oportunidades de ganhos de eficiência. A startup utiliza de big data e inteligência artificial para processar e analisar grandes volumes de dados digitais de pessoas e empresas, transformando em inteligência. Desta maneira, busca-se resolver problemas de gestão e comunicação. 

WeGov

Estimular ações inovadoras no setor público por meio de métodos e ferramentas específicas é o foco da WeGov, uma startup trabalha com servidores públicos para difundir métodos e ferramentas que os auxiliem a encontrar e implementar soluções inovadoras para problemas ou desafios enfrentados em suas instituições. Por meio de cursos presenciais e online, a WeGov busca apresentar a gestores e funcionários os caminhos mais eficientes para a prestação do serviço público.

 


Memorando eletrônico gerou economia de R$360 mil na cidade de Palhoça (SC)

O processo de comunicação e solicitação de tarefas pode ter algumas variantes de uma prefeitura para outra, mas, em geral, começa com a elaboração de um memorando, que é impresso em uma ou mais vias, e levado para o órgão de destino. Essa é uma dinâmica, muitas vezes, demorada, principalmente quando os departamentos funcionam em prédios diferentes. 

Usar ferramentas de comunicação online foi uma alternativa buscada pela prefeitura de Palhoça, em Santa Catarina, para eliminar burocracia e economizar o uso de papel, entre outros objetivos. E o resultado tem sido dos mais positivos. 

 

Cristina Schmidt diz que a Prefeitura de Palhoça
deixou de imprimir em torno de 650 mil documento,
desde 2015, quando passou a usar a plataforma 1Doc

Segundo a secretária de Administração de Palhoça, Cristina Schwinden Schmidt, a prefeitura deixou de imprimir, desde 2015, quando passou a usar a plataforma 1Doc, em torno de 650 mil documentos. Estima-se uma economia de aproximadamente R$360 mil.

“O servidor opta por usar ou não a ferramenta. Os não usam são, muitas vezes, aqueles profissionais que têm um contato mais direto com seus gestores, como os professores, por exemplo”, exemplifica Cristina Schwinden Schmidt.

O memorando eletrônico, segundo a secretária de Administração, também proporciona maior transparência às rotinas do setor público. Quando um documento é enviado para um setor “X”, é possível, por meio da plataforma, identificar quando ele foi visto, quem abriu, a resposta dada, ou seja, toda a tramitação.

“Com isso, nossa demanda é toda monitorada e conseguimos mais focados nos problemas, além de reduzir tempo e custos”, diz a secretária de Administração, salientando que a ferramenta facilitou também a comunicação entre os servidores. 

“É possível para o servidor acessar facilmente todos os níveis de hierarquia para apresentar suas demandas”, completa Cristina Schwinden Schmidt.

 

 







Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários