Sigilo profissional: advogado não é obrigado a fornecer dados de clientes

Decisão judicial do TRT-3 assegura ao advogado o direito de não fornecer telefone e endereço de clientes em um processo no qual não atua.

02/09/2020 12:55 | Atualizado: 02/09/2020 13:18

02/09/2020 12:55 | Atualizado: 02/09/2020 13:18

O desembargador Paulo Maurício Ribeiro Pires, do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região, em Minas Gerais, deferiu uma liminar que garante ao advogado o direito de não fornecer telefone e endereço de cliente em um processo no qual não atua

O caso diz respeito a uma ação trabalhista envolvendo postos de combutíveis. A 3ª vara do Trabalho de Uberaba-MG tentou notificar as empresas, mas não conseguiu e, por isso, determinou que o advogado fornecesse todos os telefones e endereços das empresas.

Em recusa a determinação, o profissional estaria sob “pena de responder pessoalmente pelas cominações legais de descumprimento de ordem judicial”. Então, o advogado entrou com um mandado de segurança contra a vara do Trabalho.

Ao analisar o caso, o desembargador deu razão ao advogado que "sequer atua no processo em que essas informações são solicitadas”. Para o especialista Fabrízio Rubinstein, "essa decisão judicial foi no sentido de ratificar a necessidade de observância do instituto do sigilo profissional".

Reforma Tributária: entenda as alterações propostas pela OAB

Ele explica que, segundo o Estatuto da Advocacia, é direito do advogado: 

"a inviolabilidade de seu escritório ou local de trabalho, bem como de seus instrumentos de trabalho, de sua correspondência escrita, eletrônica, telefônica e telemática, desde que relativas ao exercício da advocacia".

Além disso, Fabrizio também pontua que o sigilo profissional é tratado de forma mais específica no Código de Ética e Disciplina. 

+ Quer ficar por dentro das novidades sobre OAB? Siga o Instagram  @folha.oab

 

Advogado não precisa ceder informações de cliente em caso que não atua
(Foto: Pixabay)

 

Veja também: decisão do TRF4 permite que técnica do INSS advogue

Segundo o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), profissionais formados em Direito que atuam como técnico de seguro social no Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) podem exercer a advocacia.

Esse entendimento foi reafirmado pelo tribunal durante uma sentença que reconheceu esse direito a uma advogada catarinense. Ela é inscrita na OAB-SC e trabalha como técnica de seguro social.

Até então, a advogada havia sido impedida de exercer a advocacia. Por isso, ela entrou com um mandado de segurança contra a OAB-SC, pedindo a baixa de sua inscrição no quadro de advogados do órgão, podendo, dessa forma, voltar a advogar. 

O impedimento foi feito baseado na Lei Nº   8.906  /94 do Estatuto da Advocacia e da OAB - que regula algumas incompatibilidades e impedimentos para exercício da advocacia. 

+ Saiba mais e entenda a decisão

Newsletter

Newsletter

Quer receber novidades sobre concursos?

Quer receber diretamente no seu e-mail as principais notícias dos concursos da sua região?

E de quebra dicas para seus estudo? Cadastre-se gratuitamente na newsletter FD para ter tudo isso!

Tudo sobre a prova da OAB você encontra aqui!

Veja como funciona a prova da OAB, para que serve e todas as principais informações a respeito do Exame.

ImagemSaiba mais