Alimentação para concursos: como seus hábitos alimentares interferem na sua preparação

No Dia Nacional da Alimentação, comemorado em 16 de outubro, a FOLHA DIRIGIDA conversou com profissionais da área para te ajudar a conciliar os estudos com uma boa alimentação.

Durante a preparação intensiva para concursos públicos é comum os estudantes organizarem seus horários para gerir melhor seu tempo de estudos. Porém, os horários de alimentação costumam ser os mais negligenciados durante este processo. Em homenagem ao Dia Nacional da Alimentação, comemorado nesta segunda-feira, 16 de outubro, a FOLHA DIRIGIDA conversou com profissionais da área para te ajudar nesta etapa de preparação sem deixar a alimentação saudável de lado.

Não pode ler essa matéria agora? Assinantes FOLHA DIRIGIDA têm acesso ao conteúdo em áudio logo abaixo.

É importante separar um tempo para se alimentar bem 

A nutricionista Beatriz Saramago, mestre em Nutrição Clínica, afirma que uma alimentação balanceada é um diferencial na hora de passar em um concurso. Afinal, quem se alimenta bem está mais preparado para encarar a rotina de estudos. "A má alimentação pode influenciar negativamente os estudos, pois pode haver falta de concentração e baixa disposição para estudar", reforça. Confira os outros passos para conquistar a vaga dos sonhos.
 
"Sempre está em tempo de mudarmos nossa forma de nos alimentarmos. Muitas vezes, com uma semana de alimentação equilibrada, já conseguimos ver alguns resultados como a melhora da disposição por exemplo", diz a profissional, completando: "Claro que a longo prazo os efeitos benéficos aumentam, porém nunca é tarde para começar", reforça ela. 

Estudante com café estudando para concurso
Plano de estudos deve levar em conta horários das refeições
 
Em geral, os nutricionistas aconselham separar um intervalo para fazer um lanche, e não comer ao mesmo tempo em que se estuda. Beatriz Saramago aconselha abandonar o hábito de comer apenas quando "dá tempo". Para ela, é essencial que o plano de estudos seja elaborado de acordo com os horários das refeições, e não o contrário.
 
"Nós devemos nos alimentar em torno de 3 em 3 horas. Realizando em média de 5 a 6 refeições/dia, tais como: café da manhã, um lanche no meio da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar e, dependendo da hora que a pessoa vá dormir, uma ceia, que deve ser um pequeno lanche", explica. "Os lanches intermediários devem ser feitos em torno de 20 minutos de intervalo, e as grandes refeições, que são almoço e jantar, em uma hora", diz.

Na véspera e no dia da prova, as indicações são refeições leves

No dia anterior à prova, quando a ansiedade pelo concurso aumenta, a coach e nutricionista Fabiana Brito aconselha a ingerir alimentos leves, como vegetais variados, leguminosas e frutas, refeições com pouco açúcar e nenhuma fritura.
 
"O melhor seria não modificar muito os hábitos alimentares neste dia, pois pode causar problemas como dores de barriga, que ocasionariam a perda da prova", diz.

No dia da prova, o ideal é levar água, barrinhas de cereais, nozes e castanhas, frutas como banana e maçã, e frutas secas como ameixas, que fornecem uma grande quantidade de energia, ao mesmo tempo que não baixam os níveis de glicose.

Os bons hábitos alimentares devem ser complementados com bons hábitos de vida, como a prática de atividades físicas, boas horas de sono e o consumo constante de água. Quer mais dicas sobre alimentação, orientações para uma melhor postura, detalhes sobre os testes físicos? Saiba mais no ebook Anatomia da Prova Perfeita.

Veja abaixo a lista de alimentos recomendados pelas nutricionistas  

 

Assine e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida