Estudo de caso TRT: especialista ensina como fazer

A especialista em concursos públicos Deborah Paiva conta tudo sobre as provas de estudo de caso para TRT. Confira!

Quem vai fazer um concurso que tem como etapas o estudo de caso, como tem acontecido em alguns tribunais, precisa conhecer a fundo esse tipo de avaliação. Para ajudar os candidatos, FOLHA DIRIGIDA conversou com a especialista em concursos públicos, coach Deborah Paiva, que dá orientações voltadas ao estudo de caso para TRT.
 
Deborah é advogada especialista em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho e atua há mais de quinze anos preparando alunos dos Tribunais Regionais do Trabalho, além de TST, AFT, PGFN, AGU, OAB, MPU, entre outros. 
 
Nesta matéria, o leitor vai encontrar:
 A maior dificuldade dos candidatos e como superar
 Todas as características de uma resposta nota 100
 Como organizar a estrutura textual da resposta
 Uma especificidade do estudo de caso em TRTs
 Como estudar para o estudo de caso e questão com gabarito comentado
 
A especialista afirma que a prova de estudo de caso tem definido a aprovação em alguns cargos nos concursos para os TRTs. De acordo com a coach, é um exame que avalia o conhecimento jurídico do candidato e se ele sabe aplicar esse conhecimento a um caso concreto.
"A banca apresenta uma questão com situação hipotética na qual o candidato terá que apresentar a solução jurídica adequada ao caso em análise, com fundamentação consistente e argumentação jurídica coerente com a legislação, doutrina e, por vezes, jurisprudência do TST (Tribunal Superior do Trabalho) e do STF (Supremo Tribunal Federal)", explica.

Quais são as maiores dificuldades dos candidatos?

Embora muitas pessoas não levem esse aspecto a sério na preparação, Deborah afirma que a falta de equilíbrio emocional é uma das principais causas do baixo desempenho nas provas de estudo de caso. Acontece que isso é determinante para capacidade raciocinar com clareza na hora do exame. 
 
"Há casos em que o aluno possui bom conteúdo jurídico, mas não consegue realizar uma boa prova por faltar equilíbrio emocional na hora da estruturação e, por vezes, não mencionam determinados conteúdos que seriam imprescindíveis e estão na grade de correção", analisa Deborah Paiva.
 
Além disso, o próprio domínio do conteúdo jurídico abordado na questão. Outra dificuldade que a professora aponta é a organização do tempo. Em geral, explica Deborah, as provas duram quatro horas - a do TRT-RJ é uma exceção, pois terá quatro horas e meia -, tempo durante o qual o candidato tem que responder todas as questões objetivas, inclusive interpretação de texto da prova de Português, e ainda elaborar a resolução do estudo de caso.
 
"O binômio equilíbrio emocional e estudo focado com treinamento na resolução de questões deve ser o foco do aluno na preparação para realizar uma boa prova." Ela ressalta que, quanto maior for o treinamento aliado às revisões de conteúdo sobre as disciplinas de conhecimentos específicos, com foco em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, mais fácil será lidar com as dificuldades na resolução do estudo de caso para TRTs.
 
Outra dica é elaborar um "espelho" para a questão antes de começar a redigir a dissertação. Desse modo, fica mais fácil administrar o tempo, além de diminuir as chances de esquecer algum ponto importante do enunciado.
 
Coach Deborah Paiva ensina como fazer estudo de caso para concursos de TRT
Coach Deborah Paiva ensina a fazer estudo de caso para concursos de TRT

Como fazer estudo de caso para concurso?

Muitos candidatos têm dificuldades em alcançar uma boa pontuação na prova de estudo de caso. Em parte, isso se deve ao fato de não elaborarem uma resposta dentro dos padrões exigidos pelas bancas. Para ajudar, Deborah conta quais são as características de uma resposta bem elaborada e consistente
 
Além das dicas, no final desta matéria o leitor poderá conferir uma questão comentada pela professora. Ela demonstra como seria uma resposta modelo, cuja pontuação foi de 95 em 100 pontos. 
 
"Como vocês poderão observar no modelo ideal que trouxe para vocês, a prova mais objetiva - com coerência e consistência nos argumentos, apresentando introdução, solução ao caso 01, solução ao caso 02, solução ao caso 03 e conclusão - é aquela que receberá melhor pontuação", explica.
 
Ela menciona "solução aos casos 01, 02 e 03", porque as questões de estudo de caso, em geral, possuem várias perguntas dentro de um caso hipoteticamente apresentado. Seria uma forma da banca abordar questão subjetiva. 
 
De acordo com Deborah Paiva, ainda há outra forma de questão que é a apresentação de um “tema jurídico”, e não de um caso com situação hipotética. Confira as características da resposta nota 100, tanto para questões que apresentem um tema jurídico, quanto para as que abordam um caso hipotético!

✔ Responder todos os pontos da questão

Deborah trabalha há anos elaborando recursos para provas discursivas e conta que observou que a retirada de pontos ocorre quando o aluno não enfrenta algum ponto da questão e deixa de apresentar solução para algum dos casos. Nas questões que apresentam um tema jurídico, e não de um caso com situação hipotética, o aluno terá que desenvolver a sua dissertação sobre o tema. Segundo a coach, a atribuição de nota zero em uma prova de estudo de caso acontece quando há fuga ao tema.

✔ Mostrar que conhece os princípios da questão

A professora chama atenção para o fato de que alguma bancas colocam em seu espelho de correção, tópicos jurídicos que não são apresentados no enunciado. Mas são pontos que possuem correlação com o tema abordado.
 
Um exemplo citado pela especialista são os princípios jurídicos. A orientação dela é para que os concurseiros sempre mencionem um princípio ligado ao tema da questão, caso exista tal correlação, mesmo que o enunciado não pergunte de forma explícita sobre ele.

✔ Objetividade nas respostas

A resposta do estudo de caso, de acordo com Deborah, deve ser a mais objetiva possível, apresentando a solução ao caso, sem esquecer da fundamentação jurídica. Ela ainda acrescenta que é interessante que haja interação com o enunciado da questão. O aluno pode, ao apresentar a solução, mencionar “No caso em tela...” ou “O empregado João não terá direito ao recebimento... porque...”.
 
"As bancas, principalmente a FCC, analisam muito a objetividade, conexão e pertinência no desenvolvimento da questão. É preciso que haja uma sequência lógica, solução correta e bem fundamentada ao caso apresentado no enunciado. A capacidade de análise e consistência dos argumentos em relação ao tema proposto conta muito, porque o candidato deverá demonstrar conhecimento jurídico."
 
Quer saber como fazer as provas discursivas da FCC?
Curso provas discursivas da FCC

Como é a estrutura textual de um estudo de caso?

Além do conteúdo das respostas, outro aspecto que pode elevar as chances de ter uma boa pontuação, é a estrutura textual. Além de entender e dominar o conteúdo apresentado, saber como estruturar isso de forma coerente é essencial. 
 
Deborah conta que a estruturação que sugere sempre para seus alunos é a que apresente:
 
✔ objetividade
✔ progressão textual
✔ encadeamento de ideias
 
Perguntada a respeito do quão rígida deve ser essa estrutura, ela diz que não é nem rígida nem flexível. "O ideal seria que o candidato iniciasse a dissertação apresentando um conceito sobre o instituto (ponto jurídico indagado pela banca) e, já no segundo parágrafo, apresentasse a solução ao que a banca perguntou."
 
Outra sugestão é que a estrutura para uma dissertação que tenha entre 20 e 40 linhas, seja dividida em cerca de 3 a 5 parágrafos simétricos e que em cada um deles o candidato apresente uma solução para o enunciado. Confira o exemplo da professora:
 
Se o enunciado apresentou um caso hipotético e colocou quatro perguntas (letras a, b, c e d), sugiro iniciar a resposta com introdução no primeiro parágrafo e nos próximos abordar a sequência das perguntas, ou seja, no segundo parágrafo responder a letra 'a', no terceiro a letra 'b', e assim por diante. Podendo finalizar com um parágrafo de conclusão.
Muitos candidatos também apresentam dúvidas sobre a forma correta de apresentar a introdução. Como começar o texto? A resposta da coach é que isso depende do tema abordado no estudo de casos. Há temas, segundo ela, em que é possível elaborar uma introdução mais detalhada, mas outros não. Mas atenção: quando há poucas linhas e muitas perguntas, o recomendado é que a dissertação já apresente a solução da primeira pergunta na introdução.

Como é o estudo de caso TRT?

Os candidatos que vão fazer a prova de estudo de casos para concursos de Tribunais Regionais do Trabalho precisam saber que há uma especificidade. A coach Deborah Paiva conta que existe uma diferença grande em relação ao conteúdo jurídico abordado, em relação a outros concursos. 
 
"Nas provas dos TRTs as bancas apresentam estudos de casos focados em Direito do Trabalho e Processo do Trabalho, em sua maioria. Esporadicamente, há questões multidisciplinares que abordam em conjunto as disciplinas Direito do Trabalho, Processo do trabalho, Direito Constitucional e, por vezes, o Direito Previdenciário."
 
Ela também salienta que é importante registrar que o desenvolvimento da prova de estudo de casos para os cargos de analista judiciário dos TRTs é diferente da abordagem das provas subjetivas dos cargos da Magistratura do Trabalho e de Procurador do Trabalho (MPT), por exemplo. 
 
Deborah explica que nas provas da Magistratura e do MPT, o candidato deverá apresentar correntes doutrinárias e jurisprudenciais sobre o tema objeto das perguntas. Já nas provas dos cargos de analista judiciário "não há que se falar em posições doutrinárias divergentes, porque geralmente a pergunta terá uma resposta fechada na grade de correção".
 
Confira nossa cobertura de concursos de TRTs:

Como estudar para uma prova de estudo de caso?

Assim como no caso das provas objetivas, a melhor forma de estudar para o estudo de caso é treinando. Além, é claro, de estudar todo o conteúdo do programa e dominá-lo. Por isso, resolver questões e fazer revisões de conteúdos jurídicos específicos é a orientação da professora. 
 
"Observei, ao longo dos anos, que quando o aluno domina o conteúdo jurídico e possui a técnica de resolução de questões de estudo de casos o resultado é excelente nas provas."
 

Para ajudar ainda mais os candidatos, a coach Deborah Paiva disponibilizou uma questão modelo, cuja pontuação foi de 95 em 100 pontos. Confira abaixo!