Concurso UFRJ 2017: o que faz um assistente em administração?

Assistente em administração da UFRJ, Manoel Carlos Peixoto, 34, é um bom exemplo de que todos os sacrifícios por uma vaga na instituição valem a pena.

Especial carreiras - Folha DirigidaAssistente em administração da UFRJ, Manoel Carlos Peixoto, 34, é um bom exemplo de que todos os sacrifícios por uma vaga na instituição valem a pena. Com nome de autor de novela, mas perfil clássico de concurseiro, ele está perto de alcançar a primeira promoção na carreira.
 
Sem hesitar, ele explica o porquê de ter escolhido a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ): "É a maior universidade federal do Brasil, e é muito bom, todos os dias, poder ajudá-la a crescer", disse, estimulando os interessados no concurso aberto da UFRJ a fazerem o mesmo - inscrições do concurso já foram abertas. Saiba como participar da seleção.
 
Aprovado em 5º lugar no concurso de 2014, para o polo de Macaé, o assistente em administração está perto de completar 18 meses na universidade, tempo determinado para a primeira promoção na carreira. Esse plano de cargos é motivo de orgulho para Manoel Carlos.
 
Manoel Carlos, assistente em administração da UFRJ
Manoel Carlos é assistente em administração da UFRJ
"No primeiro dia de exercício na função você já pode usufruir dele, por meio do incentivo à qualificação", assinala, referindo-se ao aumento salarial por cada escolaridade superior à determinada ao cargo - nível médio (10% sobre o vencimento), superior (25%), especialização (30%), mestrado (52%) e doutorado (755).
 
Esse incentivo faz com que os assistentes em administração, com graduação, tenham os ganhos aumentados de R$2.904,96 para R$3.516,70. Tal benefício soma-se a vários outros, destacados por Manoel Carlos.
 
"Nos primeiros 18 meses é aconselhável ao servidor fazer cursos de capacitação. Completando 18 meses, o funcionário apresenta os cursos para ter a progressão por capacitação, que gira em torno de 3,9% de reajustes sobre o vencimento. Há outra progressão, por mérito. A cada seis meses, a chefia faz a avaliação do servidor. Sendo bem avaliado, há, a cada 18 meses, a progressão por mérito, também de 3,9%."
 
O plano de cargos da UFRJ prevê ainda o ápice da carreira em 24 anos. Assistentes em administração ocupam também, rotineiramente, cargos de chefia, outro atrativo. Estão assegurados ainda os tradicionais benefícios: auxílios-alimentação (R$458, já somado na remuneração), transporte (variável) e creche (R$321 para quem tem dependentes de até 5 anos).
 
O regime de contratação é o estatutário, que assegura a estabilidade empregatícia, de grande valia. "É a segurança que precisamos, ainda mais no momento de instabilidade que vive o país."


PLAYLIST

Reprodução automática

Notícias

Assistente em administração da UFRJ: Parte 1 - Preparação

Duração: 00:13:43

1022 exibições

ASSINE

Para ter acesso a este conteúdo, notícias e preparativos

ASSINAR


O que faz um assistente em administração?

Essa pergunta é comum entre os milhares de interessados no concurso UFRJ 2017, e a boa notícia é que há uma variedade de possibilidades. "O assistente em administração pode atuar em vários setores da universidade. Entre eles estão a recepção da biblioteca e a secretaria acadêmica. Esse servidor pode atuar ainda no setor de protocolo, fazendo a tramitação de documentos, e no almoxarifado, com o controle de materiais, entre outros", destacou o servidor.
 
No caso de Manoel Carlos, a UFRJ optou por alocá-lo no setor de Recursos Humanos. "Para mim foi ótimo, porque vivencio a Lei 8.112. Aprendo a cada dia, com as várias situações do servidor público", disse, acrescentando que não há um perfil específico para exercer o cargo, por existirem várias áreas de atuação. "Nesse concurso há ainda o assistente geral e hospitalar, ampliando o leque."

Como chegou lá?

Ser aprovado na 5ª posição de um concurso concorrido como o da UFRJ não é tarefa fácil. E para Manoel Carlos não foi diferente. Segundo ele, porém, não há um grande segredo para conseguir a classificação no concurso da universidade. A palavra-chave é dedicação.
 
"Concurso é para pessoas dedicadas. São dois ou quatro meses que você precisa dar a vida, pois a concorrência é grande. Recomendo viver o concurso. Depois do concurso, você vai ter tempo para fazer o que quiser. Eu lembro que estudava das 7h à meia-noite, parando apenas para comer. Era uma dedicação intensa, mas que valeu a pena", alertou o servidor.
 
Além dessa dedicação, contudo, estratégias foram fundamentais. E no caso de Manoel Carlos isso também não faltou. Quando o concurso da UFRJ foi aberto em 2014, o assistente em administração já tinha conseguido aprovação para o cargo de auxiliar administrativo da Universidade Federal Fluminense (UFF), já tendo uma base de estudo.
 
"Levei mais ou menos oito meses da aprovação na UFF até o edital da UFRJ. Nesse intervalo de tempo, baixei as provas do assistente em administração de todo o Brasil e fui resolvendo questões. Quando veio o concurso da UFRJ me atentei apenas às novidades", lembrou, alertando que o domínio da teoria é fundamental antes dos exercícios.
 
A posse então veio como um presente. "Foi uma grande realização. Era um grande objetivo tornar-se assistente em administração, classe D, pois a remuneração é maior do que a classe C. Além disso, vem a tranquilidade. Apesar de ainda estar no estágio probatório, é um emprego que garante a estabilidade, de grande valor no cenário atual.Valeu muito a pena se dedicar para isso", concluiu.

Comentários