Coronavírus: edital para hospitais do Rio pode ter até 8 mil vagas

Tramita no Ministério da Economia um pedido para que a nova seleção para os hospitais federais no Rio tenha 8 mil vagas temporárias. Entenda

A próxima seleção do Ministério da Saúde para ingresso nos hospitais federais no Rio de Janeiro pode ter até 8 mil vagas. Tramita no Ministério da Economia um pedido para que o edital, que previa 4 mil vagas temporárias, tenha o quantitativo dobrado em função do Coronavírus (Covid-19).

A solicitação, no momento, está em análise pela Economia quanto à liberação do orçamento para abertura do processo seletivo. A decretação do Estado de Calamidade Pública da União, por sua vez, pode contribuir para que a verba seja liberada mais rapidamente.

Os dados foram confirmados à FOLHA DIRIGIDA nesta segunda-feira, 23, pela Assessoria de Imprensa do Núcleo do Ministério da Saúde no Rio de Janeiro (Nerj). À princípio, a nova seleção contemplará áreas médicas, de enfermagem e também administrativa.

Os preparativos para o edital já estão em finalização, porém, dependem da liberação do orçamento pelo governo federal. Desde o início do mês, são realizadas reuniões com o Ministério da Economia para que a verba saia o mais rápido possível.

O que agrava a situação é o avanço do Coronavírus no país, com mais de 1.800 casos confirmados e 34 óbitos. As carreiras, escolaridades e salários da nova seleção para os hospitais federais do Rio ainda não foram informados.

Hospital federal de Bonsucesso
Hospital Federal de Bonsucesso é um dos que receberá os novos
profissionais (Foto: Divulgação)


A meta do processo seletivo é recompor o número de profissionais nas seis unidades do Ministério da Saúde na capital fluminense. Isto é: Bonsucesso, Andaraí, Cardoso Fontes, Ipanema, Lagoa e Servidores do Estado.

Atualmente, uma das unidades que mais sofre com a falta de servidores é a de Bonsucesso, na Zona Norte da cidade. O hospital apresenta regularmente o fechamento da emergência e a perda de oncologistas para o setor privado. Além dos problemas de falta de insumos.

De acordo com informações do coordenador assistencial adjunto do hospital, Carlos Assef, à BandNews, o maior déficit médico é na parte oncológica e emergencial. 

+ Quer passar em concursos públicos? Saiba como!

Ministério da Saúde teve oferta de 3 mil vagas em 2018 

Os últimos ingressos de profissionais pelo Ministério da Saúde no Rio de Janeiro foram feitos por processos seletivos para temporários. Há dois anos, por exemplo, uma seleção trouxe a oferta de 3.592 vagas para carreiras dos níveis médio/técnico e superior. 

As chances foram para os cargos de: técnico de enfermagem; auxiliar (de laboratório, enfermagem e radiologia); assistente social; biólogo; biomédico; enfermeiro; farmacêutico; físico; fisioterapeuta; fonoaudiólogo; médico; nutricionista; odontólogo; e psicólogo. 

Os aprovados foram chamados a partir de junho com contratos iniciais de seis meses, com possibilidade de chegar até, no máximo, dois anos, mediante as avaliações de desempenho. Para além desse reforço, a carência nas unidades hospitalares só cresce. 

Na época das convocações, integrantes dos corpos clínicos relataram que o quantitativo de profissionais não seria suficiente para suprir a demanda dos seis hospitais e três institutos federais do Rio. A seleção anterior a esta foi realizada em 2015 e também para temporários. 

+ Edital com 4 mil vagas em hospitais do Rio terá área administrativa

Governo recruta 5,8 mil médicos por conta do Coronavírus

Em virtude do Coronavírus, foi iniciado um novo recrutamento do Ministério da Saúde com 5 mil vagas temporárias para o programa Mais Médicos. O edital com as regras da seleção foi publicado no dia 11 de março.

A contratação dos médicos faz parte das medidas do Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pela Covid-19. As oportunidades foram distribuídas entre 1.864 municípios e 19 distritos sanitários especiais indígenas. As capitais e grandes centros urbanos voltam a integrar o programa.

Uma vez que esses locais têm maior concentração de pessoas e, por isso, apresentam maior facilidade de contágio. Para participar da seleção, o concorrente teve que apresentar diploma de graduação em Medicina e registro no Conselho Regional de Medicina (CRM). 

Os participantes do projeto terão direito a uma bolsa-formação no valor de R$12.386,50. A carga de trabalho será de 40 horas semanais. Ao mesmo tempo, o Governo Federal disponibilizará 150 leitos para atender pacientes com Coronavírus, sendo 24 deles de Centro de Tratamento Intensivo (CTIs).

As unidades serão abertas no Hospital Federal de Bonsucesso (HFB), no Rio de Janeiro. Para isso, o Ministério da Saúde no Rio convoca 3.996 funcionários que estão cedidos a outros órgãos e municípios, incluindo 630 médicos.