Folha Dirigida Entrar Assine

Concurso PRF: diretor reconhece déficit e quer mais 8 mil policiais

O diretor-geral da PRF, Adriano Furtado, mais uma vez reconheceu o déficit de pessoal e pretende ter 13 mil policiais nos próximos anos.

O diretor-geral da Polícia Rodoviária Federal, Adriano Marcos Furtado, esteve mais uma vez reunido com representantes sindicais. No encontro realizado no início desse mês de agosto, voltou a reconhecer a necessidade de repor o efetivo e pretende contratar mais de 8 mil policiais nos próximos anos. Um novo concurso PRF, portanto, é essencial.

Furtado participou da Assembleia Geral Extraordinária (AGE), que acontece mais de uma vez ao ano. Este é um encontro que reúne diversos representantes das federações e, além do chefe da corporação, também contou com a presença do diretor executivo, José Lopes Hott Júnior.

A reportagem da FOLHA DIRIGIDA conversou com o presidente da Federação Nacional dos Policiais Rodoviários Federais (FenaPRF), Deolindo Carniel. Segundo ele, foram pontuadas as principais necessidades da carreira, como ter um maior número de policiais.

+ Aumente as chances de ser aprovado com a Assinatura FOLHA DIRIGIDA

Partindo dessa premissa, Carniel ainda informou que o chefe da corporação disse que vai trabalhar para que o efetivo seja reposto. O objetivo é ter, no mínimo, os 13 mil policiais até o término do governo de Jair Bolsonaro. Dessa forma, a Polícia Rodoviária Federal deverá contratar mais de 8 mil PRFs nos próximos anos.

Diretor-geral da PRF participa de assembleia com servidores (Foto FenaPRF)
Diretor-geral da PRF participa de assembleia com servidores
(Foto FenaPRF)

De acordo com a Assessoria de Imprensa da federação, entre os principais pontos buscados pela carreira estão:

  • Aumento do efetivo para diminuir o déficit;
  • Apoio do DPRF na busca pelo aproveitamento de tempo militar na contagem de aposentadoria; pauta essa que está no Tribunal de Contas da União;
  • Melhores condições de trabalho nos postos pelo Brasil; e
  • Apoio do DPRF na inclusão de novas cidades para adicional de fronteira.

A Assembleia realizada teve como principal objetivo tratar de pontos relacionados à carreira. A federação infomou ainda que foram levantadas discussões sobre a luta pelo aumento de salários da categoria, reivindicação esta que ficou paralisada em virtura da reforma da Previdência.

O presidente Deolindo Carniel parabenizou a corporação pela cerimônia dos 91 anos da categoria, enquanto que o diretor-geral, Adriano Furtado, engrandeceu o trabalho do sistema sindical e admitiu que os servidores são fundamentais para a instituição.

"Existe uma maturidade do sistema sindical para as tratativas e isso é muito sábio. Precisamos de ajustes e vejo um ambiente bom proporcionado por vocês para discutirmos uma restruturação da carreira. O pilar da instituição são os servidores. Temos que trazer condições jurídicas para os policiais”, disse Furtado."

+ Prepare-se para concursos públicos com questões ilimitadas

Déficit da PRF ultrapassa 8,3 mil servidores

Aumentar o efetivo para diminuir o déficit é uma das principais pautas do sistema sindical. Essa é uma luta constante, principalmente pelo atual cenário da corporação, que sofre com grande carência e muitas saídas por diversos motivos, como aposentadorias e exonerações.

Em março deste ano, a Polícia Rodoviária Federal informou que sofria com uma carência de 8.395 profissionais a menos no seu quadro de pessoal. Dados divulgados pela própria PRF apontavam que o efetivo de novembro de 2018 era de 10.029 servidores, quando o ideal seriam 18.424 na corporação.

A maior necessidade, naquela época, era na Região Norte. Já no Rio de Janeiro, eram necessários 1.110 policiais, mas apenas 821 estão a disposição. Atualmente. esse déficit deve ser ainda maior tendo em vista que se passaram quase dez meses de lá para cá.

+ Intensifique seus estudos para o concurso PRF nível médio

As aposentadorias também têm sido mais uma agravante para esse déficit ter crescido. Segundo dados obtidos no Painel Estatístico de Pessoal (PEP) do Ministério da Economia, a Polícia Rodoviária Federal somou 1.204 aposentadorias desde 2016, quando expirou-se a validade do concurso passado.

Nem mesmo a chamade de excdentes do atual concurso, em andamento, será capaz de suprir toda a necessidade. Em julho, foi publicada a portaria autorizativa assinada pelo presidente da República, Jair Bolsonaro, que confirma a chamada de mil aprovados.

Pedido para novo concurso é enviado ao Governo

O último dia 31 de maio foi um dia decisivo para os órgãos federais. Isso porque encerraria o prazo para envio de pedidos de novos concursos ao Governo. No dia 4 de junho, a Polícia Rodoviária Federal confirmou à FOLHA DIRIGIDA que enviou um pedido para abertura de mais de 4 mil vagas.

De acordo com a Assessoria de Imprensa, foram pedidas 4.360 vagas de policial rodoviário federal, cargo que exige curso de graduação em qualquer área. Os ganhos são de R$10.357,88. Já as outras 75 foram para o cargo de agente administrativo, de nível médio. Este recebe remuneração de R$4.022,77. 

PEDIDO DE CONCURSO PRF 2019

CARGO VAGAS REMUNERAÇÃO REQUISITOS
Policial 4.360 R$10.357,88 Nível superior em qualquer área, de 18 a 65 anos e CNH
Agente administrativo 75 R$4.022,77 Nível médio completo


Todos os pedidos de concurso que foram enviados ao Governo passarão por análise no Ministério da Economia. Se aprovados, terão o aval do ministro Paulo Guedes e a portaria autorizativa será publicada no Diário Oficial da União.

O órgão conta com as seguintes lotações:

⇒  Sede, em Brasília
⇒  27 superintendências regionais
⇒  150 delegacias
⇒  413 unidades operacionais
⇒  Total de mais de 550 unidades em todo o país 



Comentários