Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

\"A minha vida existe para o outro\", é a essência da campanha de Wambert Di Lorenzo

Advogado, escritor e professor no programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Wambert Di Lorenzo é candidato a prefeito da cidade de Porto Alegre pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em entrevista à FOLHA DIRIGIDA, Wambert destacou seus projetos para a Saúde da cidade e diz que a forma mais racional de diluir a demora do pronto atendimento é em parceria com as redes privadas e os hospitais filantrópicos.

Advogado, escritor e professor no programa de pós-graduação em Direito da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS), Wambert Di Lorenzo é candidato a prefeito da cidade de Porto Alegre pelo Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB). Em entrevista à FOLHA DIRIGIDA, Wambert destacou seus projetos para a Saúde da cidade e diz que a forma mais racional de diluir a demora do pronto atendimento é em parceria com as redes privadas e os hospitais filantrópicos.
 
"Na área da Saúde, a cidade tem déficit de 2mil leitos e possui apenas um pronto socorro. Nós vamos construir um novo e diluir o pronto atendimento com o auxílio da sociedade. Nós temos muitos hospitais filantrópicos na cidade e (essa rede) é maior do que a rede pública. Tem prefeito prometendo construir hospitais, isso é impossível. Nós precisamos resolver isso em parceria com os hospitais filantrópicos e incentivando a construção de novas vagas, com as redes privadas", disse Wambert.
 
Na questão do transporte público, para o candidato, Porto Alegre precisa de gestão. Os excessivos corredores de ônibus precisam ser transformados em faixa exclusiva, mantendo-os apenas onde for passar o BRT. A intenção é criar um departamento de trânsito para uma gestão preventiva, educativa e, em última instância, corretiva. "Nós vamos mudar a concepção de controle no trânsito e extinguir a empresa pública de transporte de circulação, porque é ilegal, é uma empresa que multa o cidadão", afirmou. Na Educação, a preocupação do candidato é o número de crianças fora das escolas. Para mudar esse quadro, Wambert apoia a criação de um ProUni municipal, comparado ao auxílio dado aos estudantes universitários. Segundo ele, para resolver o problema, seria necessário a construção de mais 190 escolas, o que seria impossível em uma gestão de quatro anos. "Agora, com a ajuda da sociedade e das parcerias é possível criar, com um investimento menor", comentou.
 
Wambert também citou a importância da realização de concursos para a cidade. "Pretendo realizar concursos na área de Saúde, de Controle e ampliar a carreira dos agentes fiscais também. Essas são as áreas que eu quero contratar. Nas demais, nós vamos manter como está, a princípio. Eu sou a favor da autonomia das carreiras públicas e da valorização do servidor", destacou o candidato. Para a Segurança, Wambert defende o cercamento dos parques, a iluminação da cidade, o monitoramento eletrônico, além do projeto da polícia comunitária, que já existe no Rio Grande do Sul. Nele, a prefeitura paga o aluguel dos policiais militares que vão residir em bairros onde não possuem pelotões ou estruturas policiais.
 
Para o candidato, o município precisa de gestão e não de ideias mirabolantes. "A cidade precisa de um síndico que seja também um estadista. Que aprenda a tapar os buracos, mas que pense também nos nossos filhos e nos nossos netos", disse Wambert, que ainda ressalta: "O debate em Porto Alegre está acirrado, porque tem gente escondendo que a questão da Segurança Pública também é do município." Wambert Di Lorenzo pretende também rever os planos de carreira e dialogar sempre, pois o servidor tem que ser valorizado. "Todo servidor deveria ter o pensamento que o policial e o bombeiro tem: 'A minha vida existe para o outro'. Tem gente pensando que esse é um slogan de marketing, mas não é. É a essência da campanha", concluiu.

Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações