Folha Dirigida Entrar Assine

Concurso PM-TO com mais de mil vagas é anulado oficialmente

Com mais de mil vagas, concursos para cadetes e soldados da PM-TO está oficialmente anulado.

A portaria que dispõe sobre a anulação do concurso PM-TO foi oficialmente publicada no Diário do Estado do Tocantins desta semana. A Polícia Militar visava preencher mais de mil vagas nos cargos de soldado e cadete.

A anulação dos concursos já havia sido anunciada em abril deste ano, em entrevista coletiva realizada na sede do Comando Geral, em Palmas.

O documento oficial que anula o concurso está assinado pelo comandante geral da PM, coronel Jaizon Veras Barbosa.  Após a decisão, houve rescisão do contrato com a organizadora, Assessoria em Organização de Concursos Públicos (AOCP).

Recentemente, a empresa emitiu uma nota em que afirmava:

“A AOCP CONCURSOS, em momento algum, descumpriu as cláusulas contratuais. Ao contrário, utilizou mais mecanismos de segurança do que os previstos em contrato, fato esse que contribuiu efetivamente para impedir que a tentativa de fraude se concretizasse. Foi nossa equipe, inclusive, que apreendeu os celulares, além de ter identificado os suspeitos (os quais foram eliminados do certame) mediante meios estatísticos próprios.”

Além de anular o concurso, o documento ainda determina que sejam feitos os procedimentos para a devolução dos valores pagos referentes a taxa de inscrição pelos candidatos.

Concurso PM-TO é anulado oficialmente (Foto: Divulgação)
Concurso PM-TO é anulado oficialmente (Foto: Divulgação)

O que acontece é que o Ministério Público investigava possíveis irregularidades no concurso da PM-TO desde 2018. O órgão recebeu denúncias de problemas em vários polos de provas, como envelopes violados e aparelhos celulares apreendidos com as respostas das provas. 

Em agosto, a PM-TO alterou a presidência do concurso e criou uma expectativa nos concurseiros. Sem edital válido e com o anterior anulado, isso pode indicar que há movimentações para um novo concurso em breve.

A deputada Vanda Monteiro, assim que o concurso teve a anulação anunciada, apontou a necessidade de um novo edital. Ela apresentou requerimentos na Assembleia Legislativa que solicitam com urgência a realização de uma nova seleção.

Concurso oferecia mais de mil vagas

Os concursos públicos da Polícia Militar do Tocantins tinha o objetivo de preencher 1.040 vagas efetivas, sendo mil para soldado e 40 para o cargo de cadete I (oficial).

As carreiras exigiam os níveis médio e superior, respectivamente. Era preciso, ainda, idade entre 18 e 30 anos; além de altura de 1,63m para candidatos do sexo masculino e 1,60m para o sexo feminino. 

Os candidatos seriam avaliados com várias etapas, sendo elas prova objetiva e dissertativa; exame de capacidade física; avaliação psicológica; avaliação médica e odontológica; e investigação social. Apenas os primeiros exames chegaram a ser aplicados. 

Comentários