Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Ministro do Trabalho vai ao Planejamento cobrar novo concurso

Ministro do Trabalho vai ao Planejamento cobrar novo concurso

Ministro do Trabalho, Caio Luiz, irá ao Ministério do Planejamento cobrar a autorização para o concurso de auditor-fiscal e outros cargos.

A busca pela autorização do concurso para auditor-fiscal do Ministério do Trabalho segue nos planos do atual ministro, Caio Luiz de Almeida Vieira de Mello. Em nova reunião com o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho (Sinait), Carlos Silva, o ministro confirmou que irá pessoalmente ao Ministério do Planejamento cobrar o aval para  um novo concurso.

A reunião entre o ministro do Trabalho e o presidente do Sinait ocorreu na última quarta-feira, 8 de agosto, com a presença da vice-presidente do Sindicato, Rosa Jorge, o delegado sindical do Espírito Santo, Leonardo Decuzzi, e o superintendente regional do Trabalho no Espírito Santo, Alcimar Candeias, na sede do Ministério do Trabalho.

Presidente do Sinait se reúne com atual ministro do Trabalho e cobra realização de concurso (Foto: Divulgação/Sinait)
Presidente do Sinait se reúne com atual ministro do Trabalho
e cobra realização de concurso (Foto: Divulgação/Sinait)

O intuito da reunião foi reiterar pautas dos auditores-fiscais do trabalho. Durante o encontro, os dirigentes reforçaram a importância do empenho pessoal do ministro para conseguir a autorização para o concurso público, orçamento e regulamentação do bônus de eficiência, para a categoria. 

De acordo com o presidente do Sinait, o ministro Caio Luiz afirmou que irá realizar mais algumas tentativas para que o concurso do Ministério do Trabalho seja autorizado. 

O pedido do Sinait foi para que essas tentativas se dessem na esfera pessoal. Ou seja, entre o ministro do Trabalho e o ministro do Planejamento. O compromisso que o ministro fez foi assumir pessoalmente esta interlocução, para tentar garantir a autorização do concurso ainda este ano", afirmou o presidente do Sinait. 

Sinait afirma que há orçamento para realizar concurso

De acordo com o Sinait, a realização de um novo concurso para o Ministério do Trabalho é necessária e urgente. Por le, existem 3.644 cargos de auditor-fiscal, no entanto, segundo o Sindicato, atualmente há 1.339 cargos vagos.

"A Auditoria-Fiscal do Trabalho está com o menor efetivo dos últimos 20 anos", afirma o presidente do Sinait, Carlos Silva.

A reunião da última quarta-feira, 8, foi a segunda entre o Sindicato e o ministro do Trabalho, desde a posse de Caio Luiz. O primeiro encontro entre os dois ocorreu no dia 17 de julho. Na época, o intuito foi levar as principais demandas da categoria para o novo ministro.

Após o encontro, no dia 26 de julho, o ministro do Trabalho, Caio Luiz de Almeida, e o secretário de Inspeção, Cláudio Secchin, se reuniram para discutir a realização de concurso público para o Ministério do Trabalho.

Tanto no encontro de julho como na reunião do último dia 8, o presidente do Sinait considerou que há espaço para tentar uma autorização de concurso ainda este ano, utilizando o residual do orçamento.

"Temos conhecimento de que ainda há possibilidade, no orçamento deste ano, para a autorização de um novo concurso, e que seria preciso que o ministro se envolvesse pessoalmente na questão", afirmou Carlos Silva.

Ministério do Trabalho solicita 2.873 vagas

O atual pedido de concurso do Ministério do Trabalho é para 2.873 vagas. A solicitação está em análise no Ministério do Planejamento. 

As vagas pedidas são para os seguintes cargos: auditor-fiscal do trabalho, agente administrativo, administrador, arquivista, bibliotecário, contador, engenheiro, estatístico, sociólogo, psicólogo, técnico em assuntos educacionais, técnico em comunicação social e  economista. 

Como já esperado, o maior quantitativo do concurso do Ministério do Trabalho é para o cargo de auditor fiscal do trabalho (1.309 vagas). Para concorre, os interessados devem ter nível superior em qualquer área. A remuneração é um dos atrativos: R$21.487 (valor referente a 2019). 

Não muito atrás, o cargo de agente administrativo também teve um alto número de vagas pedidas: 1.307. A exigência é o nível médio e a remuneração é R$3.881,97.

As demais oportunidades solicitadas, no entanto, serão para o nível superior. Nestes cargos, as iniciais são de R$5.494,09. O regime de contratação do Ministério do Trabalho para todos os cargos é o estatutário, que garante a estabilidade.

Déficit é de 1.339 auditores 

Segundo o Ministério do Trabalho, atualmente, o número de auditores fiscais em seu quadro é de 2.350, quantidade que o próprio Ministério admite ser insuficiente. Conforme levantamento do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho, o déficit de auditores é de 1.339 auditores.

"Esse déficit representa 30% do quadro, cujo ideal são 3.644 auditores. A média atual é de 150 a 170 aposentadorias por ano. Sem as reposições desde 2013, a necessidade é preocupante. Para piorar, a última seleção foi para 100 vagas, sem que todas fossem preenchidas, já que não houve aprovados suficientes",  afirmou Carlos Silva. 

Acesse curso com preparação completa para o concurso de AFT

Acesse curso com preparação completa para o concurso MT

Prepare-se para o concurso do Ministério do Trabalho

O último concurso do Ministério do Trabalho para auditor-fiscal aconteceu em 2013, com a organização do Cespe (atual Cebraspe). Abaixo, FOLHA DIRIGIDA separou um material de estudos completo, para quem deseja se preparar para o próximo concurso de AFT. Confira! 

Veja provas anteriores do concurso MTE

Veja provas anteriores do concurso MTE






Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações