Concurso Diplomata 2020: Bolsonaro garante novo edital este ano

O presidente da República, Jair Bolsonaro, confirmou a realização do novo concurso Diplomata em 2020 e nos demais anos do seu governo

O presidente Jair Bolsonaro garantiu a realização de um novo concurso Diplomata em 2020 e nos demais anos de seu governo. A declaração ocorreu, em maio de 2019, durante a cerimônia de formatura dos aprovados para diplomacia.

De acordo com Bolsonaro, estão mantidos os concursos anuais para ingresso no Instituto Rio Branco (IRB), do Ministério das Relações Exteriores. A decisão foi tomada após consulta aos ministros da Economia, Paulo Guedes, e da Casa Civil, Onyx Lorenzoni.

“O nosso ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, em contato com o nosso ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que manterá o concurso dos senhores no corrente e nos demais anos. É um reconhecimento do trabalho de todos os senhores e senhores”, declarou Bolsonaro, aos aplausos da plateia.  

Em março do ano passado, o governo divulgou um decreto com as regras para autorização de concursos federais. Os editais para diplomata são exceções e não precisam de aval prévio do Ministério da Economia.

O mesmo acontece com a Advocacia-Geral da União (AGU), que poderá prover cargos de procurador, sem requerimento à Economia.

Bolsonaro entrega do Prêmio Rio Branco à Priscila Liz Alves,
segunda colocada do curso de formação (Foto: Agência Brasil)

 

Os concursos para carreira diplomática são realizados uma vez por ano, desde 1996. Os dados são do Instituto Rio Branco. Para ser um diplomata é necessário ter nível superior completo em qualquer área.

A remuneração inicial é R$19.657,06, incluindo R$19.199,06 de vencimento básico mais R$458 de auxílio-alimentação. 

FOLHA DIRIGIDA entrou em contato com a Assessoria de Imprensa do MRE para confirmar o novo concurso e seus preparativos. A pasta, até o momento, não se posicionou.

+ Assine a Folha Dirigida e turbine sua preparação
Bolsonaro garante concurso Diplomata em 2019 e demais anos do governo

Concurso Diplomata mantém estrutura de provas

Em geral, os concursos para ingresso na diplomacia mantêm a estrutura de provas. A última seleção teve edital publicado em julho de 2019. A oferta foi de 20 vagas para diplomata, cuja exigência foi a graduação em qualquer área.

A banca organizadora foi o Instituto Americano de Desenvolvimento (Iades), ao contrário dos anos anteriores, em que o Cebraspe (antigo Cespe/UnB) ficou à frente das provas. O concurso Diplomata foi composto por três etapas. Confira os detalhes a seguir:

Prova objetiva 

A primeira fase foi uma prova objetiva, de caráter eliminatório e classificatório, aplicada em todas as capitais do país. No total, os candidatos tiveram que responder a 73 questões, distribuídas da seguinte maneira:

  • Língua Portuguesa - 10 questões;
  • Língua Inglesa - 9 questões;
  • História do Brasil - 11 questões;
  • História Mundial - 11 questões;
  • Política Internacional - 12 questões;
  • Geografia - 6 questões;
  • Economia - 8 questões;
  • Direto e Direito Internacional Público - 6 questões.

Foi eliminado do concurso o candidato que obteve nota final na prova objetiva inferior a 32,85 pontos. 

+ Quer entrar no Itamaraty? Conheça a trajetória de Rômulo Neves, diplomata e ex-BBB

Provas escritas Português e Inglês

Os melhores colocados na objetiva foram para a segunda etapa do concurso Diplomata: as provas escritas, também de caráter eliminatório e classificatório.

A primeira avaliação exigiu uma redação de tema geral e dois exercícios de interpretação, análise ou comentário de texto. 

Houve ainda prova escrita de Língua Inglesa. Nesse caso, foram cobrados: redação sobre tema geral, tradução do texto do Inglês para o Português, versão de um texto do Português para o Inglês.

Além de elaboração de um resumo, em Inglês, e de um texto escrito em língua inglesa.

Provas escritas demais disciplinas

Os candidatos também foram submetidos a provas escritas de outras disciplinas. Eles tiveram que responder sobre História do Brasil, Geografia, Política Internacional, Economia, Direito e Direito Internacional público, Língua Espanhola e Língua Francesa. 

As provas foram realizadas nas capitais com aprovados na primeira fase. Foi considerado aprovado quem alcançou nota mínima de 60 pontos na prova de Língua Portuguesa, 50 pontos em Língua Inglesa e 360 pontos na soma das demais disciplinas. 

Curso de formação no IRB

Os aprovados nas três fases do concurso ainda passam pelo curso de formação de diplomatas no Instituto Rio Branco, em Brasília. 

Em 2017, o então diretor-geral do IRB, embaixador José Estanislau do Amaral, contou os princípios das aulas, em entrevista exclusiva à FOLHA DIRIGIDA.

"O principal objetivo do curso é aprofundar alguns conhecimentos em política internacional, economia e línguas estrangeiras. Além de ensinar outros aspectos como relacionamento com a imprensa e prepará-los, realmente, para a atuação no exterior”, disse o embaixador.