Folha Dirigida Entrar Assine

Concurso MPU: edital de remoção para analistas pode gerar nomeações

Com a publicação de um novo edital de remoção, mais aprovados no concurso MPU para analistas poderão ser nomeados.

O Ministério Público da União (MPU) abriu, no final de junho, um novo concurso para remoção de analistas em Direito (nível superior). Esse processo permite que os próprios servidores ocupem as vagas em aberto antes da convocação de aprovados no concurso para o público em geral.

Ao todo, estão disponíveis 12 vagas de analistas para atuação no Ministério Público Federal (MPF), Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) e Ministério Público do Trabalho (MPT). As oportunidades estão distribuídas entre nove regiões, incluído São Paulo e Distrito Federal.

O resultado final está previsto para sair no dia 10 de julho. Os cargos que, ainda assim, ficarem vagos, serão preenchidos por aprovados no concurso MPU 2018. Por isso, o edital de remoção é um sinal positivo para que novas nomeações ocorram.

A secretária-geral adjunta de gestão de pessoas do MPU, Elóa Junqueira, já tinha revelado que mais convocações para posse de analistas aconteceriam entre julho e agosto. A declaração foi concedida em maio, durante reunião com o sindicato da categoria e a comissão de aprovados.

Ela apontou que a dificuldade para o ingresso de concursados se deve pela Emenda Constitucional 95, a PEC que institui o teto de gastos públicos.

+ Casos de Sucesso: conheça o youtuber que foi aprovado no concurso MPU

MPU realizou, em 2018, concurso com vagas para níveis médio
e superior (Foto: Bruna Somma)

 

Presente no encontro, o diretor de Política e Assessoramento Parlamentar do Sindicato do Ministério Público da União (SindMPU), Adriel Gael, revelou que a questão orçamentária é um obstáculo para as nomeações.

“O que trava, hoje, as nomeações no MPU é a PEC do teto dos gastos. Porque vaga tem e há necessidade do órgão. Há uma carência de servidores, porém não tem orçamento”, disse Gael em vídeo compartilhado no seu canal no YouTube.

Para cobrar novos provimentos, a comissão de aprovados criou o movimento #nomeiaMPU nas redes sociais. A página no Instagram já conta com mais de 2 mil seguidores. A ideia é angariar apoio para a revogação da Emenda Constitucional nº95, que atrapalha as convocações.

Concurso MPU: técnicos também serão nomeados

Os aprovados para técnico de Administração no concurso MPU também poderão ser nomeados. “Entre junho e julho, será feita uma leva de nomeações de técnicos”, destacou Adriel Gael. A previsão foi confirmada à FOLHA DIRIGIDA pela Assessoria de Imprensa da Procuradoria Geral da República (PGR).

Para esse cargo a situação é mais delicada. Isso porque uma ação civil pública anulou a questão 67 da prova de Conhecimentos Específicos e determinou a reclassificação dos aprovados.

De acordo com o SindMPU, a secretária confirmou que, após resolvidas as pendências de judicialização da prova, haverá novas nomeações para as vacâncias que não gerem impactos orçamentários.

Ela ainda adiantou que, tão logo o Cebraspe, banca organizadora do concurso, finalize a verificação dos casos relacionados às cotas e às pessoas com deficiência, o MPU deverá realizar as nomeações para técnico. 

As nomeações realizadas com o antigo resultado devem permanecer.

+ Concurso MPU: sai convocação nacional para analistas em Direito
+ Com déficit de 50 técnicos de segurança, MPU pode ter novo concurso

Concurso MPU teve 260 mil inscritos em todo país

Em 2018, o Ministério Público da União divulgou edital de novo concurso público. A oferta foi de 47 vagas imediatas mais formação de cadastro de reserva. A seleção totalizou 264.924 inscrições. O destaque ficou para o cargo de técnico de Administração, que exigiu apenas o ensino médio completo.

Foram 191.045 concorrentes para apenas 11 vagas imediatas da função. Isso indica a relação candidato/vaga de 17.367 para as contratações imediatas. A carreira de analista em Direito, que teve como pré-requisito nível superior na área, contabilizou 73.879 candidatos.

Além das 47 vagas imediatas, o MPU formou cadastro de reserva com cerca de 7 mil aprovados em todo país. Nesse caso, eles poderão ser convocados no decorrer do prazo de validade da seleção – de dois anos, podendo ser prorrogado por igual período.

O MPU tem o costume de convocar um bom número dos candidatos em cadastro. Na última seleção, realizada em 2013, foram chamados mais de 4 mil aprovados para oferta de apenas 147 vagas imediatas.  

Entenda como funcionam as convocações em concursos em meio à falta de orçamento:



Comentários