Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Teletrabalho é autorizado no INSS, mas concurso ainda é necessário

Teletrabalho é autorizado no INSS, mas concurso ainda é necessário

Ministério da Economia autoriza projeto-piloto de teletrabalho no INSS, mas sindicalistas afirmam que problemas com pessoal não diminuem.

Nesta sexta-feira, 14, foi publicada a Portaria nº 241 do Ministério da Economia, que autoriza o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) a dar início a uma experiência-piloto de teletrabalho. Ou seja, algumas atividades poderão ser realizadas pelos servidores remotamente.

O objetivo desta e de outras medidas de digitalização dos serviços é reduzir o número de processos pendentes. No entanto, ainda há uma grande demanda de atendimento presencial nas agências, de modo que a necessidade de um novo concurso INSS não é sanada. 

Acesse a portaria divulgada no Diário Oficial da União

Moacir Lopes, da direção nacional da Fenasps - Federação Nacional dos Sindicatos dos Trabalhadores em Saúde, Trabalho, Previdência e Assistência Social - lembra que há pessoas com casos que não podem ser resolvidos pelo computador.

Ele defende que são necessários servidores para realizar atendimentos e encaminhamentos mais prestativos e de qualidade. Além disso, destaca o sindicalista, existem atividades do INSS que jamais poderão ser realizadas de forma remota.

São exemplo disso as perícias médicas, os próprios atendimentos que demandam mais análise dos técnicos e os trabalhos de reabilitação profissional. 

Por enquanto, a autorização para o teletrabalho na autarquia, como uma experiência-piloto, prevê somente as atividades de reconhecimento inicial relacionadas a salário-maternidade e de aposentadoria por idade, além de análise de processos com indícios de irregularidade.

"O teletrabalho pode resolver outras questões, mas não a necessidade de pessoas. Estamos há mais de duas décadas alertando para o déficit de servidores no INSS. Já propusemos várias medidas, mas não conseguimos ser ouvidos. "

Justiça determina concurso INSS para médicos peritos até outubro

INSS ainda estuda como trabalho remoto será realizado

De acordo com Alexandre Lisboa, presidente da Associação Nacional dos Servidores Públicos, da Previdência e da Seguridade Social (Anasps), o INSS ainda pesquisa a forma como o teletrabalho será implantado. Uma das preocupações é quanto ao equipamento a ser utilizado pelos servidores que aderirem ao modelo.

Ele lembra que é preciso pensar em questões como suporte técnico em caso de falhas, segurança contra hackers, dentre outros problemas. Por isso, acredita ainda ser prematuro falar se irá beneficiar o sistema. 

A Anasps entende que para solucionar o problema de processos pendentes, a reposição de pessoal por meio de concurso público é necessária. 

"O atendimento presencial ao cidadão, em especial ao idoso ou ao enfermo, não pode e não deve ser feito a distância. (...) Precisamos repor a grande massa de servidores que vem se aposentando, tendo em vista que a muitos no país não possuem acesso à tecnologia."

À espera de concurso, INSS tem 2 mil pedidos de aposentadoria em 2019

(Foto: Divulgação)
INSS tem déficit de cerca de 10 mil servidores
(Foto: Divulgação)

Governo quer digitalizar serviços do INSS até julho 

Para tentar diminuir os problemas na prestação de serviços, algumas medidas já foram anunciadas para o INSS. Uma delas é a digitalização de serviços.

Em entrevista ao programa Brasil em Pauta, da TV Brasil, transmitida no dia 20 de maio, o secretário de Governo Digital do Ministério da Economia, Luis Felipe Monteiro, disse que a previsão é digitalizar 90 serviços da Previdência até julho. 

Concurso INSS: digitalização não extingue necessidade de servidores

No entanto, especialistas e sindicalistas encaram a medida como paliativa, já que também não extingue a necessidade de pessoal. Dentre os contras, está o fato já mencionado por Lisboa de que grande parte dos beneficiários não possui acesso à internet e à tecnologia. 

Outra alternativa que chegou a ser apontada foi a cessão de funcionários da Infraero. Para Moacir Lopes, no entanto, a proposta pode acarretar em mais problemas. O próprio presidente da autarquia disse que esses profissionais não substituiriam os técnicos. 

Concurso INSS: agente Infraero não substitui técnico, diz presidente

Concurso INSS depende de autorização do governo

Para conter a carência de servidores, o INSS solicita ao Ministério da Economia autorização de um novo concurso com 7.888 vagas. A seleção só poderá ser aberta quando o aval for concedido. 

Em abril o Ministério Público Federal (MPF) chegou a emitir uma recomendação para que a atorização fosse concedida até maio, mas isso não aconteceu. As mais de 7 mil vagas visam contratar pessoas de níveis médio e superior, conforme tabela abaixo. 

Cargos Vagas Escolaridade Remuneração
Técnico 3.984 nível médio  R$5.186,79
Perito 2.212 nível superior R$12.638,79
Analista 1.692 nível superior R$7.659,87

 

Falta de concurso INSS gera gastos de R$4,6 bi aos cofres públicos

Além dessas 7 mil vagas, o INSS também pediu autorização para convocar outros 2.580 aprovados do concurso de 2015, cuja validade foi expirada. A recomendação do MPF estabelecia que o quantitativo de vagas autorizadas não fosse inferior ao déficit atual, de cerca de 10 mil cargos. 




Comentários