Folha Dirigida Entrar Assine

Notícia principal

Concurso IBGE: "1.800 vagas não suprem necessidade", diz Assibge

Concurso IBGE: "1.800 vagas não suprem necessidade", diz Assibge

Em entrevista, diretora da Assibge fala sobre o déficit no órgão e urgência de novo concurso IBGE. Assista ao vídeo!

A falta de concurso IBGE, e com isso o aumento no déficit de pessoal, vem sendo assunto recorrente. Em entrevista ao Programa Estúdio Livre da FOLHA DIRIGIDA, a diretora da Assibge, Dione Oliveira, abordou os desafios do Instituto para atender as demandas com o quadro reduzido, e o prejuízo que a não reposição de pessoal poderá causar. 

De acordo com Dione, atualmente, 30% dos servidores do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística podem deixar o órgão por motivo de aposentadoria. Esta situação agravaria ainda mais o déficit do Instituto.

"O número de aposentadorias se acumula e sem reposição. Demonstra uma situação gravíssima. Hoje temos menos de 5 mil trabalhadores efetivos em todo o país. A gente demanda concurso em todas os espaços que temos, nas reuniões com o Ministério do Planejamento, reforçando a importância que é ter um quadro efetivo robusto no IBGE", diz. 

Concurso IBGE (Foto: Leandro Santos)
Sem concurso, IBGE sofre falta de servidores (Foto: Leandro Santos)


Na conversa, ela reforça que há um grande número de vagas a serem preenchidas no órgão, que não foram sendo repostas ao longo dos anos. Por isso, segundo Dione, as 1.800 vagas pedidas pelo instituto, que deverão ser preenchidas pelo concurso IBGE, já são um número abaixo do necessário. "O pior é que não temos nem a expectativa de que sejam autorizadas as 1.800, dado o nível de negociação e as respostas que temos ouvido", observa. 

• IBGE já registrou 220 aposentadorias em 2018

Como um impacto imediato da falta de servidores, a diretora cita o acúmulo de tarefas que os funcionários do IBGE vem enfrentando. "É aquilo, sai mais um e a terefa passa para quem ficou", diz. Ela também menciona sua preocupação sobre até quando esta situação será sustentável.

"Temos limites para conseguir manter nosso programa de trabalho nesse nível. Se continuar desse jeito e com o ritmo de saídas, a instituição vai ter que optar sobre o que fazer. O IBGE vai ter que parar e reorganizar os seus projetos. Efetivamente realizar uma escolha sobre o que fazer e o que não fazer! Isso é muito grave pois o Instituto produz um número grande de informações importantes para o Brasil, que influenciam um número variados de políticas" explica. 

Saiba mais sobre o pedido de concurso IBGE 

O IBGE tem um pedido de novo concurso em análise pelo Planejamento para 1.800 vagas efetivas. Destas, 1.200 são para o cargo de técnico, que pede nível médio e oferece  ganhos de R$3.890,87. As demais 600 são para analista, de nível superior e remuneração de R$8.213,07. 

• Confira quais conteúdos priorizar para a prova de Geografia do IBGE 

Prepare-se para concursosO Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística tem também solicitação para contratação de temporários voltada para o Censo 2020. As duas solicitações tiveram andamento no início de agosto. 

Para os temporários deverão ser contratados aproximadamente 250 mil profissionais. Em  entrevista exclusiva à FOLHA DRIGIDA, o coordenador do IBGE, Bruno Malheiros, revelou que, no caso dos temporários, o primeiro dos editais deverá ser para analista censitário e sair ainda este ano.

Neste caso, o IBGE solicitou ao Planejamento 397 vagas. Segundo Malheiros, estes temporários são os que ajudam no planejamento do Censo.

Confira entrevista completa com a diretora da Assibge 




Comentários

NEWSLETTER
Cadastre-se para receber notícias e Informações