Planejamento financeiro para concursos: saiba como fazer o seu

O coach em concurso Felipe Silveira apontou, em entrevista à FOLHA DIRIGIDA, algumas dicas sobre planejamento financeiro para concurseiros.

A preparação para um concurso público envolve diversos aspectos na vida de um concurseiro. Questões sobre como conciliar os estudos e as diversas atividades do dia a dia (faculdade, trabalho e relacionamentos) inquietam muitos candidatos. Mas você já parou para pensar sobre a importância de se preparar financeiramente para meses de dedicação?

Felipe Silveira, especialista e coach em finanças, foi o convidado do Conexão Concurso desta semana. O especialista listou algumas dicas para quem se dedica aos concursos fazer um bom planejamento financeiro.

O primeiro passo é o concurseiro levantar os gastos que terá durante a preparação. Essa etapa é importante para que o candidato possa verificar quanto vai precisar de renda mensal para suprir esses custos. Deve-se incluir nessa lista os seguintes tópicos:

  • Quais concursos pretende fazer 
  • Média de valor de inscrição nesses concursos 
  • Valor dos cursos preparatórios (online ou presencial) 
  • Valor de passagem e lanches

Quem pretende participar de seleções que serão realizadas em outros estados deve acrescentar, também, os custos de passagem aéreas e hospedagem. "O planejamento para esses concurseiros é um pouco mais complexo porque não tem como você prever o valor da passagem de avião, por exemplo. O que eu indico é pesquisar a média dos valores e colocar aí uma margem de erro de 20% a mais em cima desse valor", recomendou Silveira.

enlightened Atenção! De acordo com o especialista, o ideal é sempre evitar despesas no cartão de crédito, porque os gastos inesperados podem se acumular e virar uma bola de neve.

"Guia para Concurseiros Itinerantes". Partiu?

O concurseiro pode usar planilhas do Excel para organizar as finanças ou, simplesmente, usar um caderninho para anotar os gastos. "Depois de anotar tudo é importante se dar uma margem de erro de 10% para mais, para gastos inesperados", aconselhou Silveira.

Confira na íntegra a entrevista com o especialista e coach em finanças, Felipe Silveira

ASSINE

Para ter acesso a este conteúdo, notícias e preparativos

ASSINAR


Vou precisar abrir mão da renda formal para me dedicar ao concurso?

Outro ponto importante é saber se para se dedicar ao concurso será preciso abrir mão de uma renda formal. "Muitas vezes as pessoas abrem de mão de um trabalho de carteira assinada para se dedicar integralmente ao concurso e quando você faz essa transição o mais importante é planejar isso."

Se o concurseiro não tem ninguém que possa ajudá-lo a arcar com suas despesas, a dica é investir no empreendedorismo. Neste caso, as opções são diversas, desde vender produtos em casa ou entre as aulas do cursinho, até investir no empreendedorismo digital.

Concurso e empreendedorismo: dá para investir nos dois? Entenda!

O coach em finanças chamou atenção para o fato de que não adianta organizar todos os gastos e não conseguir controlá-los. "O controle dos gastos é um desafio do brasileiro, em geral, por falta de educação e inteligência financeira", disse o especialista.

Para garantir que os objetivos serão alcançados, Silveira indica o que chama de ensaio mental. Nessa técnica o indivíduo cria um cenário, onde se imagina vivendo o objetivo que você almeja alcançar. Por exemplo, se o seu objetivo é passar no concurso para delegado da PRF, você pode se imaginar já empossado, com suas atribuições de delegado e recebendo o salário relativo à função. O intuito é fazer com que o candidato se mantenha firme em seu propósito.

Cofre
Concurseiros podem poupar a longo prazo (Foto: Pixabay)

Tesouro Selic pode ser mais interessante para quem quer poupar

Se o seu objetivo é poupar para usar o dinheiro com sua preparação para concursos no futuro, talvez seja melhor reconsiderar a poupança como opção de investimento. Basicamente a poupança funciona da seguinte forma: 

O cálculo do rendimento é baseado no valor da taxa de juros Selic, a taxa básica de juros da economia, que atualmente está abaixo de 8,5%. Neste caso, a poupança rende 70% da Selic. Além desse percentual, é acrescido à soma o valor da Taxa Referencial (TR). Esta última está em zero há um tempo, sem perspectiva de aumento.

Sem mais delongas, o rendimento mensal da poupança atualmente está em 0,379% ao mês. O rendimento seria menor que a inflação que está em torno de 4,20% ao mês, o que caracteriza uma desvalorização do dinheiro.

"Se você está pensando em se preparar para um concurso e põe mil reais em janeiro na poupança para resgatar em julho ou dezembro, você não vai mais conseguir fazer a mesma coisa que conseguiria em janeiro porque seu dinheiro desvalorizou. Ele perdeu poder de compra, mesmo com aquela rentabilidade que foi menor que a inflação."

Assim, o especialista recomenda o tesouro Selic. "Seu dinheiro ao menos fica ali resguardado perante a inflação e você consegue sacá-lo a qualquer momento sem perda do poder de compra. Sem contar que o tesouro é mais seguro que a poupança porque são os títulos mais seguros da economia brasileira", indicou.

Silveira aproveitou para reforçar que ao guardar pensando no futuro o concurseiro consegue ter uma margem de para futuros imprevistos ou oportunidades. "Quando você guarda pensando no futuro, você tem um gás  financeiro para tentar outros concursos. Na jornada de se preparar para um concurso podem surgir outras seleções de seu interesse e você vai ter um dinheiro que você poupou para usar naquela oportunidade."

Comentários