Folha Dirigida Entrar Assine

Comte Bittencourt: experiência na Educação para transformar o Rio

Comte Bittencourt garante que terá atuação ativa ao lado de Eduardo Paes, caso seja eleito, e que o Rio de Janeiro voltará a crescer.

O deputado estadual Comte Bittencourt (PPS), candidato a vice-governador na chapa de Eduardo Paes (DEM), garante que terá uma participação ativa no próximo governo do Estado do Rio de Janeiro, caso seja eleito.

Em seu quarto mandato na Assembleia Legislativa (Alerj), Comte Bittencourt, que também foi vice-prefeito, vereador e secretário de Educação de Niterói, é considerado um dos legisladores mais atuantes na área educacional.

Ele é o convidado do Especial Eleições 2018 da FOLHA DIRIGIDA no 2º turno do Rio de Janeiro - o candidato a vice de Wilson Witzel, Cláudio Castro também concedeu entrevista e terá a reportagem publicada na próxima semana.

Para Comte Bittencourt, as mudanças necessárias e que levam ao desenvolvimento passam por um ensino de qualidade. "Educação é a saída e acho que cidadão nenhum tem dúvida disso. Agora, temos que colocar em prática um grande projeto que transforme o país e que dê às pessoas as ferramentas necessárias para que enfrentem esses desafios do novo mundo", observa. 

Planos estratégicos de crescimento

Comte Bittencourt preside a comissão de Educação da Alerj e as frentes parlamentares de defesas da Adoção da Criança e do Adolescente; das Universidades; e da Educação Física.

Para que o desenvolvimento volte ao Estado do Rio de Janeiro, o candidato a vice-governador destaca que Eduardo Paes, caso seja eleito governador, fará uma grande articulação em todos os municípios para implementar planos estratégicos de crescimento. "Integrar os municípios em um projeto de desenvolvimento para o Rio de Janeiro será uma marca de Eduardo Paes e eu não tenho dúvida". ​​

Em entrevista à FOLHA DIRIGIDA, o candidato a vice-governador, Comte Bittencourt, observou ainda que o Estado do Rio de Janeiro passa por um dos momentos mais críticos de sua história em função da má gestão de governos anteriores.

"Acho que a população não esperava um dia viver o que estamos vivendo no Rio. Um estado onde os serviços públicos praticamente pararam. Da segurança à saúde e ao calçamento das estradas".

Comte Bittencourt candidato a vice-governador
na chapa de Eduardo Paes (Foto: Divulgação)

'Eduardo Paes é o melhor quadro de gestão pública no estado'

Comte observa ainda que o estado está altamente endividado e que os servidores públicos não são estimulados.

"Não há produção com satisfação do serviço público. Mas o Rio tem uma força enorme. Pretendo ser candidato a vice-governador pelo momento em que o Rio atravessa. Todos nós temos que arregaçar as mangas e contribuir para que o Rio volte a ter a força que tivemos no passado. O Eduardo hoje é o melhor quadro de gestão pública no estado".

Comte Bittencourt garante que terá uma participação ativa e que estará à disposição do governador Eduardo Paes.

"Eu já tenho uma experiência de vice. Eu já fui vice-prefeito da minha cidade de Niterói duas vezes. Claro que estarei à disposição do governador Eduardo Paes e do governo para as missões que me forem passadas".

Atuamente em seu quarto mandato como deputado estadual, Comte é reconhecido como um legislador atento às questões da Educação. Ele garante que continuará atuando para a valorização do magistério e a melhoria do sistema educacional.

"Vou manter todas as minhas bandeiras de luta. Eu deixei claro para o Eduardo, quando ele me convidou, que eu tenho uma história de bandeiras de luta nos meus mandatos. Eu não poderia virar o disco na minha luta política. Confio no Eduardo Paes e vamos assumir integralmente as nossas responsabilidades para construir para a sociedade fluminense um projeto de Educação que seja capaz de transformar o estado".

 Eduardo Paes: 'O concurso público é uma obrigação do estado'

Educação pública de base

Temos que fazer com que a sociedade brasileira avance na direção da sociedade do conhecimento. Os desafios do mundo hoje são o conhecimento, a inovação, a ciência e a tecnologia.

E tudo isso começa na Educação pública de base. Não é possível um país arrastar um passivo educacional de 13 milhões de analfabetos e 80 milhões de adultos sem formação completa do ciclo básico de Educação. Não é possível a gente continuar criando esses passivos para gerações futuras. Quando olhamos o sistema de Educação brasileiro vemos que 60% das crianças matriculadas no terceiro ano do ensino fundamental não estão plenamente alfabetizadas.

Hoje, 60% dos jovens que terminam o ensino médio, que completam o ciclo todo da Educação básica, não dominam as competências esperadas para a Língua Portuguesa. Na Matemática passam dos 80%.

Então, que país é esse que estamos criando para o futuro, para essa agenda do conhecimento?  Educação é a saída e acho que cidadão nenhum tem dúvida disso. Agora, temos que colocar em prática um grande projeto que transforme o país e que dê às pessoas as ferramentas necessárias para que enfrentem esses desafios do novo mundo.

Articulação entre os sistemas educacionais

"Uma das críticas que fiz a vários secretários é que eles se transformaram em gestores de rede estadual. Mas o secretário de Educação tem um papel lato sensu para a Educação. Não adianta ter o ensino médio arrumado se o aluno recebido vem das redes municipais, que passa pelo ciclo da educação infantil e do ensino fundamental, sem articulação.

O secretário de Estado de Educação tem que ser um articulador da rede do estado, do sistema estadual de Educação com os sistemas municipais. Esse diálogo tem que ser permanente.

O papel republicano, inclusive do estado, é ajudar esses municípios. Nós vamos ter que fazer aí um pleno esforço do governo de Eduardo Paes porque isso está perdido no Rio de Janeiro. Esse tipo de comportamento não existe no Rio há muito tempo. Será preciso ter um secretário com uma equipe à frente do projeto de Educação do estado em harmonia e articulação com os secretários municipais de Educação. Esse diálogo tem que ser permanente".

Legado educacional

"O Eduardo tem experiência nisso. Ele fez um belo trabalho na área de Educação na Prefeitura do Rio quando lá esteve. Os Ginásios do Amanhã e as unidades de educação infantil são exemplos de um projeto que foi consolidado no Rio. Claro que o maior problema da Educação pública no Brasil é o que a gente chama de descontinuidade. É quando se interrompe projetos que são exitosos  mas têm marcas de governos anteriores. Isso é um grande equívoco.

Educação não pode ser apropriada pelo governo. Educação é política de estado, não só de governo. O governo apenas alavanca no seu período uma política que tem que ser consolidada com a política de estado. No Rio de Janeiro estamos lutando para fortalecer o papel do Conselho Estadual de Educação como órgão independente da Secretaria de Estado de Educação com autonomia e que possa, naquele colegiado, deliberar pela Educação.

Fortalecer um órgão colegiado é começar a dar para a política de Educação uma cara de política de estado, e não de governo. Isso é fundamental. E garantir com que os projetos que sejam implementados ou que já estejam acontecendo tenham continuidade, algo muito difícil hoje, pois a rede passa por um dos piores momentos de sua história, eu reputo como fundamental".

Concursos públicos

"Eu vou ser companheiro de chapa do governo do Eduardo Paes. O primeiro momento de governo será de reorganizar o Rio de Janeiro, do ponto de vista fiscal, que é fundamental. Se a vida financeira do estado não for ordenada não tem como implementar política nenhuma.

Segundo, tem o enfrentamento devido a questão da política de segurança. Não existe  ambiente para prospectar nenhuma outra política com essa insegurança que o cidadão fluminense vive. Claro que há a questão da agenda de concursos públicos dentro da necessidade do estado naquelas áreas que são essenciais. Aí eu tenho o apoio do Eduardo. Não tenho dúvida disso".

Projeto de desenvolvimento para todos os municípios

"O Eduardo Paes foi prefeito, eu fui vice-prefeito; ele foi vereador, eu fui vereador. Nós temos o apoio de uma quantidade enorme de prefeitos. São mais de 81 prefeitos apoiando a candidatura do Eduardo Paes.

Temos mantido um diálogo com todos os municípios em todas as regiões. O estado precisa ter um plano estratégico para trabalhar os arranjos produtivos possíveis em cada uma das nossas macrorregiões.

O Rio de Janeiro, se olharmos o Sudeste, é o estado menos desenvolvido no interior. Por isso essa concentração deformada da Região Metropolitana, essa concentração populacional, que não tem perspectiva de emprego. Não há perspectiva de futuro em grande parte das regiões do interior do Rio de Janeiro. Mudar isso é papel do estado. É papel do governo ser o indutor, articulando-se, volto a falar, com os municípios.

Falamos há pouco da articulação com a Educação, mas eu diria que essa articulação é com todas as áreas de políticas públicas. Integrar os municípios em um projeto de desenvolvimento para o Rio de Janeiro será uma marca de Eduardo Paes e eu não tenho dúvida".

Mensagem aos eleitores: 'O estado vai voltar a ser grande'

"Estamos falando de um estado que é o segundo PIB da federação.Estamos falando de um estado que tem a segunda maior concentração de institutos de pesquisa, que tem uma concentração de universidades públicas invejável, que tem a força, por hora, da economia do petróleo e do gás, com uma perspectiva para os próximos 30 anos muito promissora. Mas que temos que pensar em alternativas para esse modelo econômico para o futuro.

O Rio de Janeiro tem saída, mas precisa ter governo. O que eu tenho certeza absoluta é que com o dinamismo, a disposição, a capacidade de trabalho, a juventude e com o histórico de vida do Eduardo Paes, já provado, ele dará jeito no Rio de Janeiro e vai colocar o estado no rumo que todos nós desejamos. O Rio vai voltar a pensar grande.

O estado vai voltar a ser grande. Esse estado se apequenou nos últimos anos. Nós não podemos ficar tímidos nessa posição do Rio de Janeiro frente aos demais estados da federação. O Rio tem que voltar a ser a porta de entrada do país. E é o que nós temos que lutar pelo Rio de Janeiro. E o Eduardo Paes seguramente tem a força para fazer as transformações necessárias". 



Comentários