Concurso Comlurb: previsão de R$316 mi para garis serem estatutários

O TCM-RJ estima que a Prefeitura do Rio de Janeiro gaste R$316 milhões ao transformar funcionários da Comlurb em estatutários

O Tribunal de Contas do Município do Rio de Janeiro (TCM-RJ) apontou que a transformação de 2.400 funcionários da Comlurb em estatutários pode gerar gasto extra à Prefeitura. De acordo com o órgão, o município pode arcar com R$316 milhões em indenizações para servidores.

Isso porque o projeto beneficia de maneira retroativa os funcionários admitidos antes da Constituição de 1988. O alerta foi feito em audiência pública para tratar do tema, na terça-feira, 10, na Câmara de Vereadores da cidade.

“Com a retroatividade, em tese estes funcionários teriam que ser indenizados por não terem tido acesso a uma série de benefícios, como licenças prêmio a cada cinco anos trabalhados”, disse o representante do TCM-RJ, Eron Alexandre Moraes.

Em novembro, o prefeito Marcelo Crivella encaminhou o Projeto de Lei Complementar nº 146/2019 para discussão no Legislativo. O PL propõe que funcionários da Companhia de Limpeza Urbana, hoje celetistas, migrem para o regime estatutário.

Segundo a prefeitura, isso pode gerar uma economia de R$8 milhões aos cofres públicos, em média. Uma vez que esses funcionários deixarão de contribuir ao INSS e o município deixará de realizar o repasse obrigatório de 8% mensais para o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Funcionários da Comlurb defendem mudança na contratação,
em audiência na terça, 10 (Foto: Câmara de Vereadores-RJ)

 

Segundo o atual presidente da Comlurb, Paulo Gustavo Moraes Mangueira, a meta é beneficiar 2.400 empregados que foram contratados até 5 de outubro de 1998. O que reduzirá os custos trabalhistas.

Durante a audiência pública, o presidente do Instituto de Previdência e Assistência do Município do Rio de Janeiro (Previ-Rio), Bruno Oliveira Louro, disse que inicialmente haverá uma economia para os cofres públicos devido à redução do custo com a folha de pagamento.

A expectativa é economizar R$121, 3 milhões no primeiro ano e até R$606, 3 milhões em até cinco anos. Mas, à medida em que os servidores forem se aposentando, haverá impacto negativo na previdência do município. O resultado, conforme o Previ-Rio, será um aumento no déficit equivalente a R$424, 6 milhões.

Outro debate foi sobre a proposta para que a Comlurb se torne uma empresa independente ao município. O objetivo é que a companhia passe a operar como prestadora de serviços à prefeitura.

Assine a Folha Dirigida e aumente as chances de aprovação!
+ PLC transforma funcionários da Comlurb em servidores estatutários

Outras empresas pedem mudança para regime estatutário

Diante do PL enviado pela prefeitura do Rio, outras empresas municipais manifestaram interesse pela mudança para o regime estatutário. Hoje, a contratação ocorre pela Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), que não garante a estabilidade nos cargos.

Funcionários da Iplan Rio, CET-Rio, Imprensa da Cidade e RioLuz solicitam a mudança no regime de contratação. No dia 21 de novembro, representantes se reuniram com o vereador Jorge Felippe (MDB) para tratar sobre o tema.

Os parlamentares, então, elaboram emendas ao PL do prefeito Marcelo Crivella. A demanda da categoria é que, no total, 21 mil funcionários de empresas públicas do Rio migrem para o novo regime.

É importante destacar que a mudança na forma de contratação é uma competência do Poder Executivo, ou seja, do prefeito. Os vereadores, no entanto, usam uma brecha para fazer emendas ao projeto com o argumento que estão ampliando a transformação para mais categorias. Sem mudar a finalidade da proposta.

Conforme o jornal Extra, o vereador Cesar Maia (DEM) já fez uma emenda para incluir os funcionários da Empresa Municipal de Informática (IplanRio) na mudança de regime. Em caso de aval, a empresa seria transformada em autarquia da Prefeitura do Rio de Janeiro.

Se todas as emendas forem aprovadas, o quadro de servidores estáveis do município subiria para 110 mil funcionários. O que indicaria aumento de 20% no quantitativo de estatutários.

+ Empresas municipais do Rio pedem mudança para regime estatutário

Novo concurso Comlurb para gari depende de orçamento

No momento, os novos funcionários da Comlurb são contratados pelo regime celetista. A forma de ingresso na companhia, sobretudo para garis, ocorre por meio de aprovação em concurso público.

A intenção é que o próximo concurso Comlurb forme um banco com até mil vagas de garis. Para o edital ser publicado, o município do Rio de Janeiro deve sair do limite prudencial de gastos com pessoal.

Em entrevista recente à FOLHA DIRIGIDA, o novo presidente da Comlurb, Paulo Mangueira, afirmou que o edital só poderá sair quando o orçamento estiver equilibrado.

"O edital só poderá ser publicado quando a prefeitura resolver a questão do limite prudencial de despesas, quando o orçamento estiver equilibrado e permitir a abertura de concursos. Depois que o novo relatório das contas do município for divulgado, e se houver recursos para isso, poderemos abrir o concurso Comlurb em 2020", disse Mangueira. 

Os garis da Comlurb têm como pré-requisito a conclusão do ensino fundamental até o 5º ano (antiga 4ª série primária). Com o reajuste de 4,7% anunciado, a remuneração desses profissionais deve subir para R$2.795,02.

O que falta para sair o concurso Comlurb?



Comentários