Folha Dirigida Entrar Assine

Concurso Polícia Civil-BA: 'De fato houve falha', diz promotora do caso

FOLHA DIRIGIDA conversou com a promotora responsável pela investigação do concurso da Polícia Civil e descobriu sobre os próximos passos.

FOLHA DIRIGIDA, que está acompanhando a investigação do concurso da Polícia Civil da Bahia, entrevistou com exclusividade a promotora responsável pelo caso, Heliete Viana. Ela esclareceu diversos pontos da investigação e deixou claro que a intenção inicial do MP é de não anular o concurso.

Segundo a promotora, foi recomendado a suspensão da seleção até que a investigação seja concluída. No entanto, neste primeiro momento, já está comprovado que ocorreram falhas técnicas na aplicação das provas, o que já é o suficiente para justificar o pedido.

“De fato houve falha na organização e aplicação das provas. Foram confrontadas as denúncias recebidas com as provas recebidas pela Vunesp e tivemos diversos indícios de irregularidades. Isso foi comprovado em um primeiro momento apuratório”, disse ela.

MP-BA inicia segunda parte da investigação

A fim de verificar o que ocasionou as falhas durante a realização das provas, o MP-BA solicitou que a Vunesp, banca responsável pelo concurso, e a Secretaria de Administração da Bahia se manifestem.

“Caso não se comprove fraude com a colaboração, mesmo que culposa da Vunesp, nós vamos focar nos fiscais e candidatos do concurso. Não podemos afirmar que a desorganização foi proposital, mas não acreditamos que tenham contado com a colaboração da banca”, revela.

Polícia Civil da Bahia: MP pede suspensão do concurso (Foto: Divulgação/Polícia Civil da Bahia/SSP/Alberto Maraux)
Polícia Civil da Bahia: MP pede suspensão do concurso
(Foto: Divulgação/Polícia Civil da Bahia/SSP/Alberto Maraux)

Por esse motivo, segundo Heliete, a intenção maior do órgão é de aprofundar as investigações para que a situação se esclareça o quanto antes. “Essa investigação é prioridade, mas envolve muitas pessoas, e nem sempre a velocidade que conseguimos é a melhor, mas estamos fazendo o que podemos”, explica.

Para aprofundar a apuração, a promotoria solicitou documentos como a identificação dos fiscais e também documentos das salas onde teve problema. Segundo a promotora, a outra parte da investigação vai começar pelos locais de prova onde foram relatados problemas.

“Nós recebemos mais de 100 denúncias, e a maioria dos candidatos informaram o local de prova e a sala. Aqueles que não responderam, nós enviamos notificação via e-mail perguntando e quase todos responderam”, contou.

Ministério Público pretende identificar candidatos fraudulentos

Foi informado também que a o MP-BA vai dedicar esforços para identificar candidatos que burlaram as regras do concurso. Além disso, também vão investigar os fiscais de prova.



Cadastre-se e tenha acesso completo ao conteúdo do Folha Dirigida

Comentários