1º lugar no concurso Escola Naval apostou nos estudos desde cedo

Aprovado no concurso da escola naval conta sua rotina de preparação e aconselha quem está se preparando para concursos.

Mudar de vida através da Educação. Esse é o sonho de muitos brasileiros e com o jovem Thiago Lopes não foi diferente. Ele conta que despertou seu interesse pelos estudos desde cedo. Atualmente com 18 anos, os resultados de seu empenho já começaram a aparecer.

O jovem foi aprovado no concurso da Escola Naval, em primeiro lugar no Rio de Janeiro e em segundo a nível nacional. Ele garante que sempre gostou de estudar.

“Quando estava no quinto ano fiquei sabendo das Olimpíadas de Matemática do Rio de Janeiro e me interessei. Achei muito legal e comecei a estudar por conta própria”, conta.

De acordo com ele, a vontade de seguir a carreira militar veio por influência de amigos e da família. 

“Tenho muitos amigos que são militares. Quando eu estava no oitavo ano um amigo da família me falou sobre a Escola Naval, que era uma instituição militar que você poderia alcançar através do ensino, e eu achei incrível! Você poder estudar e conseguir ingressar em um lugar que te proporciona tudo de graça, justamente porque você teve o mérito de se preparar e conseguir aquele objetivo. Tudo isso me fez querer aceitar esse desafio! ”, diz.

A preparação para os concursos militares

Concurso Escola Naval (Foto: Divulgação)
Thiago Lopes, aprovado no concurso da
Escola Naval (Foto: Divulgação)

Neste período de preparação, a rotina de estudos de Thiago começava logo no início da manhã. Ele acordava por volta das 6h30, tomava café, banho e já iniciava os estudos.

“Estudava até umas 11h, 11h40, me arrumava, ia para o Elite (rede de ensino onde estuda), assistia todas as aulas e depois ia para a mentoria, das 19h às 21h, e voltava para casa. Essa era a minha rotina de segunda a sexta”, diz.

Os fins de semana também eram de dedicação. Aos sábados fazia simulados de manhã e a tarde os revisava. No domingo, estudava alguma matéria à parte, algo que tenha deixado pendente.

“Tento traçar mini metas. Acho que é desmotivante você “estudar só para ser aprovado”, você meio que fica perdido no cronograma, pois são muitas matérias".

Ele exemplifica: "Eu penso que tenho determinado livro e tenho que estudar um capítulo, então traço a meta: vou fechar esse capítulo em 30 dias. Mas também eu vou alternando, tantos capítulos em tantos dias, procuro me motivar assim”, afirma.

Apoio da família foi fundamental

Para Thiago, contar com o apoio familiar foi imprescindível. Ele afirma que tem coisas que são marcantes. Por exemplo, quando precisou estar às 7h no local para fazer uma prova, depois dava um intervalo, e às 14h começava a outra etapa, ou seja, tinha que passar o dia inteiro no local.

“Nesse dia minha mãe acordou três horas mais cedo do que todo mundo, preparou a comida para mim. Isso você sente que é um apoio, são pequenas coisas que fazem a diferença”, explica.

Thiago também menciona o apoio do pai, que mesmo trabalhando se esforçava para leva-lo e busca-lo onde fosse necessário. Apesar de todo o apoio, passar em um concurso requer uma série de sacrifícios pessoais. O jovem conta que, nessa fase mais intensa de preparação, teve que deixar muitas coisas de lado.

“Até o segundo ano eu podia jogar bola regularmente, sair, ir ao cinema. Mas quando passei para o terceiro ano (quando prestou o concurso) abdiquei de praticamente tudo isso. Eu penso que é um ano da vida, que vai definir o futuro da carreira que a pessoa vai escolher, acho que vale a pena”.

A dedicação para o TAF da Escola Naval

Depois da prova escrita vem outro desafio do concurso Escola Naval: o teste físico. Fase eliminatória, exige também um alto grau de comprometimento dos candidatos.

“O estudo é uma parte, mas você também tem que manter seu corpo bem. Se seu corpo não aguenta, você acaba até rendendo menos no estudo. Agora eu tenho a rotina de sair da escola e ir para academia, mesmo que seja às nove da noite, para manter meu condicionamento direitinho”, diz.

Thiago conta que informou na academia que precisava fazer determinados quilômetros em um certo tempo, tantos abdominais e flexões e segue a série passada pelo professor à risca.

Concurso Escola Naval (Foto: Divulgação)
Concurso Escola Naval deverá divulgar novo edital em maio (Foto: Divulgação)

O que esperar do curso de formação

Passadas todas as etapas de seleção é o momento do curso de formação. Sobre essa fase, Thiago está com boas expectativas.

“Acredito que será uma nova experiência.  Novo, desafio, o local, as pessoas. Uma abordagem de ensino que te ampara em tudo, além das instalações que são excelentes. Acho que vai ser muito bom e gratificante” diz.

Sobre ter conseguido colocações estadual e nacional tão boas, ele explica que encarou como uma consequência de todo o esforço.

“Nunca estudo para conseguir o primeiro ou segundo lugar, estudo para passar, para dar o melhor de mim em cada concurso. Não me apego a colocação, mas parando para pensar, até hoje acho que não caiu a ficha que eu consegui esses lugares”, conta.

Como conselho para quem também está se preparando, ele afirma:

"Tenha persistência! É natural ficar cansado ao longo do percurso, mas não pode desanimar. Procure os pais, amigos, namorada, seja quem for para te incentivar a estudar mais. Não é fácil, mas vale a pena. É um ano de dedicação, que resolve praticamente toda a carreira profissional no futuro”, diz.

Realizado anualmente, um novo concurso da Marinha para a Escola Naval deverá ser divulgado na segunda quinzena de maio. Confira o Calendário oficial de concursos Marinha para 2019 e como ingressar na Marinha do Brasil.

Assista a história completa de Thiago Lopes



Comentários