Auxílio emergencial: nascidos em julho e agosto recebem última parcela

A Caixa Econômica Federal credita neste domingo, 20, a última parcela do auxílio emergencial para os beneficiários nascidos em julho e agosto.

20/12/2020 00:01

20/12/2020 00:01

Os pagamentos da última parcela do auxílio emergencial seguem até o dia 29 de dezembro. De acordo com o calendário, neste domingo, 20, o dinheiro será creditado para os beneficiários nascidos em julho e agosto.

O auxílio ficará disponível em uma conta poupança digital da Caixa Econômica Federal, que pode ser acessada pelo Caixa Tem. Inicialmente, o benefício só poderá ser utilizado para pagar contas e fazer compras com o cartão de débito virtual.

Os saques e transferências serão liberadas em data posterior, conforme aconteceu nos outros ciclos de pagamento.

Para quem teve o benefício aprovado em abril, esta é a 9 ª parcela do benefício - ou a 4ª da extensão de R$300. Com o fim do auxílio previsto para este mês, aqueles que foram aprovados em data posterior não chegarão a receber todas as nove parcelas.

Quem teve o benefício aprovado em junho, por exemplo, só receberá duas parcelas do auxílio residual de R$300, enquanto quem teve aprovação a partir de julho só receberá uma.

Saques e transferências

Os aniversariantes de julho só terão os saques e transferências liberados no dia 15 de janeiro. Já os nascidos em agosto, a liberação será no dia 18 de janeiro (de acordo com o calendário disponível no final desta matéria).

Para ambos os casos, nesse dia também será possível sacar e transferir o dinheiro do pagamento anterior (ciclo 5)

 

Auxílio emergencial
Nascidos em julho e agosto recebem última parcela do auxílio emergencial
(Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil)

 

Após desistir de Renda Brasil, Bolsonaro quer aumentar Bolsa Família

O presidente Jair Bolsonaro afirmou na última terça-feira, 15, que não haverá prorrogação do auxilio emergencial, além disso, ele também garantiu que não será criado um novo programa de distribuição de renda.

Bolsonaro sinalizou que a ideia é seguir com o Bolsa Família e disse que quer "aumentar um pouquinho" o valor do benefício. Ele aproveitou para dizer que o auxílio pago durante a pandemia tem caráter emergencial.

O argumento utilizado pelo presidente para a não prorrogação do auxílio emergencial é a capacidade de endividamento do Brasil. Segundo ele, o país tem que manter as contas em ordem para evitar aumento da inflação, "o imposto mais danoso que existe para todo mundo".

Veja também: Maia reage à acusação de Bolsonaro e pauta MP do auxílio emergencial

"Auxílio é emergencial, o próprio nome diz: é emergencial, Não podemos ficar sinalizando em prorrogar e prorrogar e prorrogar", disse o presidente, reforçando que o benefício "acaba agora em dezembro".

O governo pretendia lançar o Renda Brasil, que seria o programa substituto do Bolsa Família, mas houve desistência. "Quem falar em Renda Brasil, eu vou dar cartão vermelho, não tem mais conversa", disse Bolsonaro durante entrevista ao apresentador José Luiz Datena, da TV Band.

Com o foco no Bolsa Família, Bolsonaro afirmou que tem conversado com a equipe econômica para tentar melhorar o valor do benefício. "Vamos tentar aumentar um pouquinho isso aí", disse se dirigindo à Economia. 

 

Newsletter Folha+

 

Calendário de pagamentos do auxílio emergencial (ciclo 6)

Nascidos emData de pagamentoSaque e transferência
janeiro13/1219/12
fevereiro
março14/124/01
abril16/126/01
maio17/1211/01
junho18/1213/01
julho20/1215/01
agosto18/01
setembro21/1220/01
outubro23/1222/01
novembro28/1225/01
dezembro29/1227/01

 

Quer receber mais conteúdo como este?

Cadastre-se para receber e-mails com asnotícias em destaque da semana, com dicas de Carreiras, vagas de empregose muito mais!

Buscador de empregos

Milhares de oportunidade de emprego grátis