A Educação e seu poder de mudança

População jovem "nem-nem" cresceu em 2020, segundo pesquisa da FGV. Como resolver essa geração? Leia mais no artigo de Ricardo Marsili.

26/10/2020 13:46 | Atualizado: 29/10/2020 11:25

26/10/2020 13:46 | Atualizado: 29/10/2020 11:25

* Por Ricardo Marsili

A Educação, ou a falta dela, pode mudar a vida e o destino de uma maneira drástica. Recentemente, estava lendo a pesquisa da FGV, que apontava que, com a Covid-19, houve um recorde da geração “nem-nem” em 2020. Nesse caso, são os jovens que NEM trabalham e NEM estudam. 

O percentual foi de 28,6%, no último trimestre de 2019, para 35,2% em 2020, da população de 20 a 24 anos que não trabalha nem estuda. Na faixa de 25 e 29 anos, subiu de 25% para 33%.

O economista Marcelo Neri, diretor da FGV Social, responsável pelo estudo, afirma que: "O problema está no mercado de trabalho, principalmente para os que estão se formando. Junta-se à crescente desigualdade educacional com a dificuldade dos jovens de se inserir no mercado de trabalho." 

Eu concordo, mas será que o problema é esse mesmo?

Estudar é um hábito que deve ser estimulado

A educação, o ato de estudar, é um hábito como outro qualquer. Deveríamos dobrar os nossos esforços para mostrar para as nossas crianças que uma vida plena e feliz está diretamente ligada a nossa capacidade de aprender. 

Esse aprendizado também pode ser relativo a algo que amamos e que possa nos proporcionar boas condições ao longo de nossas vidas.

Também deveríamos lutar para mudar o mindset vigente do “pra que serve a Educação?”. 

Quando seguimos uma receita de bolo, em que a sociedade prega que você deve ir para o ensino médio, depois se formar, fazer faculdade e esperar alguém te dar uma oportunidade, é um ciclo muito perigoso. Explico!

Na prática, esses adolescentes e jovens adultos estão transferindo a sua trajetória de prosperidade para um terceiro, seja ele uma empresa ou o próprio governo. O caminho de alguns ainda pode ser assim (como era a regra nas décadas passada), mas hoje isso não é mais verdade. 

O que acontece é que muita gente está sendo empurrada para o empreendedorismo (por necessidade), porém muitas vezes sem a capacitação necessária para isso.

Como resolver a geração “nem-nem”

Acredito que tão importante quanto a Educação, é começarmos a trabalhar o tipo de capacitação com esses jovens, família e sociedade. Será que todos precisam de uma formação de longa duração? Muitas vezes queimando todas as reservas da família para se formar em uma profissão já lotada de profissionais e em declínio.

Ou será que, principalmente, através da Tecnologia e do acesso à informação que temos hoje, não é possível mudar a vida desses jovens, da geração “nem-nem”, com capacitação mais adequada ao que o mercado de trabalho pede? 

Será que aos poucos a gente não consegue substituir o “vender bala no sinal” por outras profissões de maior valor agregado? Com Educação a gente consegue sim mudar a realidade de centenas de milhares de brasileiros. 

Se tudo correr bem, eu espero ler em alguns anos, uma matéria parecida, só que dizendo que a geração “nem-nem” caiu pela metade. É otimismo demais pensar assim? 

Talvez, mas eu sou brasileiro e não desisto nunca.

Ricardo Marsili

Sobre o Autor

Ricardo Marsili é CEO da Folha Dirigida, liderando a empresa em seu processo de transformação digital e reposicionamento de marca dentro do universo do jornalismo digital e Educação a Distância. Marsili é também embaixador da EduQC, empresa que usa inteligência artificial, tecnologia e ensino adaptativo. Ao longo dos últimos 15 anos empreendeu e atuou no mercado digital e de Educação, ajudando milhares de pessoas a atingirem seus objetivos.

Quer receber mais conteúdo como este?

Cadastre-se para receber e-mails com asnotícias em destaque da semana, com dicas de Carreiras, vagas de empregose muito mais!

Buscador de empregos

Milhares de oportunidade de emprego grátis