Desemprego cai, mas ainda atinge 13,5 milhões de pessoas

IBGE divulga nova pesquisa sobre desemprego, renda e tipo de ocupações de brasileiros. Confira

30/11/2021 17:02 | Atualizado: 01/12/2021 09:22

30/11/2021 17:02 | Atualizado: 01/12/2021 09:22

Uma nova pesquisa, divulgada nesta terça-feira, 30, informa que a taxa de desemprego caiu nos últimos três meses.

De acordo com os dados, a taxa atingiu 12,6% no terceiro trimestre deste ano, o que significa queda de 1,6 ponto percentual na comparação com o segundo trimestre de 2021. 

No entanto, ainda há 13,5 milhões de brasileiros a procura de uma oportunidade de trabalho. 

Outro dado revelado é do número de pessoas empregadas que, segundo o IBGE, teve um crescimento de 4%, alcançando 93 milhões de pessoas.

Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

fila para emprego
Pesquisa aponta 13,5 milhões de desempregados no país
(Foto: Agência Brasil/ Rovena Rosa)

Segundo informações da Agência Brasil, a coordenadora de Trabalho e Rendimento do IBGE, Adriana Beringuy, apontou que o crescimento da ocupação no período foi relevante.

“No terceiro trimestre, houve um processo significativo de crescimento da ocupação, permitindo, inclusive, a redução da população desocupada, que busca trabalho, como também da própria população que estava fora da força de trabalho”, observou.

Informalidade representa 54%  

Ainda conforme a pesquisa,  a informalidade representa 54% dentro deste crescimento de pessoas com uma ocupação.

Os empregados do setor privado sem carteira assinada (10,2%), que somaram 11,7 milhões de pessoas, estão entre as categorias de emprego que mais cresceram na comparação com o trimestre anterior.

No mesmo período, o número de trabalhadores domésticos atingiu 5,4 milhões - o que equivale a uma expansão de 9,2%, o maior desde o início da série histórica da pesquisa, em 2012, conforme dados da Agência Brasil. 

Em comparação, no primeiro trimestre do ano passado, seis milhões de pessoas eram trabalhadores domésticos. Se considerados apenas os trabalhadores sem carteira, houve aumento de 10,8%, sendo 396 mil pessoas a mais.

"A categoria dos empregados domésticos foi a mais afetada na ocupação no ano passado e, nos últimos meses, há uma expansão importante. Embora haja essa recuperação nos últimos trimestres da pesquisa, o contingente atual desses trabalhadores é inferior ao período pré-pandemia”, afirmou Adriana Beringuy.

Rendimento da população não aumentou no período

Apesar de ter apresentado queda no desemprego, a renda da população não teve melhorias. Segundo a pesquisa, o rendimento ficou em R$2.459, uma queda de 4% relativo ao último trimestre e de 11,1% em relação ao terceiro trimestre do ano passado.

Com o valor de R$223,5 bilhões, a massa de rendimento ficou estável nas duas comparações.

Para a coordenadora, esses números indicam que o aumento da ocupação foi puxado por postos de trabalho com salários menores.

“Há um crescimento em ocupações com menores rendimentos e também há perda do poder de compra devido ao avanço da inflação”, completou.

 

Sudeste tem maior número de desempregados

A pesquisa apontou os dados de desemprego pelas regiões do país e o Sudeste é o que registra o maior número de desempregados, com 6,3 milhões.

Também foi registrado uma queda na taxa de desocupação entre pessoas pretas e pardas.

Enquanto a taxa de desocupação das pessoas brancas (10,3%) ficou abaixo da média nacional, a dos pretos (15,8%) e dos pardos (14,2%) teve movimento contrário. Todos tiveram queda frente ao último trimestre.

Os pardos representavam 46,8% da população fora da força de trabalho, seguidos pelos brancos (43,1%) e pelos pretos (8,9%). Já se comparada ao segundo trimestre, a participação dos pardos diminuiu e a dos brancos e pretos aumentou.

Na comparação com o terceiro trimestre do ano passado, o nível de ocupação aumentou para todas as pessoas. Os brancos saíram de 51,4% para 55,8%, os pardos, de 46,7 a 52,1% e os pretos, de 49% a 55,6%.

Quer receber novidades sobre concursos?

Cadastre-se para receber e-mails com asnotícias em destaque da semana, dicas de preparação, novidades da Folha Dirigidae muito mais!