Como se sair bem em dinâmicas de grupo? Confira dicas!


Durante um processo seletivo para vagas de emprego, um dos momentos que mais assustam os candidatos é a dinâmica de grupo. A vergonha de se expor entre desconhecidos ou fazer algo inadequado pode atrapalhar muito nessa que é uma das principais etapas de seleção. 

Por isso, FOLHA DIRIGIDA conversou com Fábio Abate, sócio diretor do Netas Treinamento e Desenvolvimento. Fábio listou algumas recomendações sobre como se dar bem e se destacar em dinâmicas de grupo. Confira!

O primeiro passo para quem quer se sair bem em uma dinâmica de grupo é ter certeza sobre a escolha da vaga a qual está se candidatando. Segundo Fábio, quanto mais confortável o candidato estiver com a vaga e mais adequado for o perfil do profissional, melhor ele se sairá no processo.

 “Dinâmicas de grupo estão sendo cada vez mais usadas em processos seletivos porque elas evidenciam comportamentos e facilitam a percepção do perfil do candidato. Para se sair bem nas dinâmicas o candidato tem que entender os atributos comportamentais que se espera para a vaga, ou seja, conforme a vaga os comportamentos podem mudar”, explicou o especialista.

Candidatos devem buscar funções de destaque nas dinâmicas

No entanto, Fábio destacou que, de maneira geral, algumas atitudes são bem vistas pela maioria das empresas. São elas:

  • Ser colaborativo;
  • Ter iniciativa;
  • Explorar recursos e buscar soluções possíveis diante dos recursos disponíveis;
  • Compartilhar informações;
  • Entender de forma clara o objetivo e regras da dinâmica; e 
  • Buscar incansavelmente pelo resultado.

Se a dinâmica envolver um grande número de participantes, a estratégia é buscar funções de destaque. Um exemplo é ser líder ou representante do grupo. Ou ainda, aproveitar todos os momentos de participação, como ser candidato no momento de falar sobre a dinâmica ou apresentar algum resultado.

Dinâmica de grupo
Temida entre candidatos, dinâmica de grupo avalia competências dos 
concorrentes (Foto: Pixabay)

Fábio alertou que ao propor uma dinâmica, a empresa quer testar as competências dos concorrentes e não suas habilidades técnicas. “As empresas já entenderam que a parte técnica é fácil de avaliar e de ensinar, mas o comportamental vem sendo um fator determinante na contratação e desligamento de profissionais. A avaliação está muito ligada às competências esperadas para cada vaga.”

Por exemplo, se a vaga exige mais concentração, planejamento, liderança, comunicação, iniciativa ou qualquer outro comportamento isso influenciará na construção ou escolha da dinâmica.

“Existem dinâmicas que podem avaliar o quanto o candidato é colaborativo ou competitivo e dependendo da vaga cada uma das características terá maior relevância”, ressaltou Fábio.

Normalmente, as atividades desenvolvidas durante uma dinâmica de grupo são planejadas para trazer a tona as seguintes competências: colaboração, trabalho em equipe, empatia, comunicação, responsabilidade, liderança e accountability (prestação de contas, em tradução livre).

“Muitas culturas corporativas buscam pessoas que tenham um auto nível de  comprometimento com os resultados e com pessoas”, destacou Fábio Abate.

enlightened Confira também estes outros conteúdos:

Veja a lista das 25 empresas que os brasileiros sonham em trabalhar

Como as soft skills podem aumentar suas chances de conseguir emprego

Quais carreiras profissionais do futuro estarão em alta

Despreparo é um dos erros mais comuns em dinâmicas de grupo

Um dos erros muito comuns entre os candidatos de processos seletivos para vagas de emprego é não conhecer bem a vaga e se candidatar em oportunidades que não têm a ver com seu perfil. De acordo com Fábio Abate, outra falha frequente é expor de maneira exagerada pontos de vista pessoais e intrínsecos sobre coisas que não são pertinentes ao momento.

Para evitar tais situações, a recomendação é buscar vagas mais apropriadas, se preparar para o processo seletivo e ter tranquilidade e humildade para manter o limite em apresentações e participações. Outra dica é manter a atenção no que é relevante e solicitado pelos avaliadores.

Mesmo escolhendo bem a vaga e se preparando para o processo seletivo como um todo, há um risco do concorrente não ser aprovado. Porém, Fábio apresentou outra perspectiva sobre essa situação.

Para mim, processo seletivo é igual prova, ninguém quer ir mal, mas ela mostra o quanto você esta preparado ou não, naquele momento, para aquela vaga. Bons profissionais de recrutamento sabem qual é o melhor perfil para cada vaga. Uma seleção errada, gerará um grande custo para empresa e para o candidato que ao entrar naquela vaga, poderá perder outras oportunidades e não tendo o perfil adequado também não permanecerá por muito tempo.

Comentários