Pedido de concurso Bacen começa a tramitar no Ministério da Economia

Solicitação de novo concurso Bacen com 245 vagas para níveis médio e superior começa a tramitar no Ministério da Economia. Veja os detalhes!

10/06/2021 13:09

10/06/2021 13:09

O pedido de autorização do novo concurso para o Banco Central (Bacen) já está em tramitação no Ministério da Economia. Nesta quarta-feira, 10, a solicitação chegou à Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, vinculada à Secretaria de Gestão e Desempenho de Pessoal.

Um despacho interno indica que o pedido do concurso Bacen foi encaminhado para “análise e providências”. O Ministério da Economia irá verificar se é possível autorizar o novo edital, mediante a disponibilidade orçamentária e necessidade de reposição de pessoal.

As tramitações foram consultadas por Folha Dirigida pelo Sistema Eletrônico de Informações (SEI) do Governo Federal. O Banco Central do Brasil solicita o preenchimento de 245 vagas efetivas nas carreiras de técnico, analista e procurador.

Segundo o ofício enviado ao Ministério da Economia, as chances devem ser providas em 2023 e 2024. Veja a distribuição abaixo, que foi confirmada à Folha Dirigida pela Assessoria de Imprensa do Banco Central.

Cargo

2023

2024

Analista

100

100

Técnico

15

15

Procurador

7

8

TOTAL

122

123

Dessa forma, o impacto fiscal com as nomeações seria somente no ano de 2023. O cargo de técnico do Banco Central requer o ensino médio completo e tem salários iniciais de R$7.741,31, incluindo o auxílio-alimentação de R$458. 

A carreira de analista tem como exigência o nível superior em qualquer área de formação. As remunerações, depois da aprovação no concurso, são de R$19.655,06.

Por sua vez, para se inscrever as vagas de procurador é necessário ter Bacharelado em Direito e exercício comprovado de dois anos de prática forense. Após o ingresso, os ganhos são de R$21.472,49 por mês.

Sede do Banco Central
Banco Central solicitar aval para preenchimento de 245 vagas
por concurso público (Foto: Divulgação)

Em fevereiro de 2021, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a Lei que estabelece a autonomia do Banco Central.  Esse projeto, porém, não trata da gestão de carreiras. Também não propõe a abertura de concursos sem aval do Poder Executivo.

Assim, mesmo com a autonomia, o Bacen depende de autorização do Ministério da Economia para abrir concursos e reduzir as vacâncias.

Último concurso Bacen para efetivos foi realizado em 2013

Em 2013, ocorreu o último concurso Bacen para efetivos. O edital trouxe a oferta de 500 vagas para técnicos e analistas. O Cebraspe (Cespe/UnB) foi a banca organizadora.

Os candidatos foram submetidos a prova objetiva sobre Conhecimentos Básicos e Específicos e avaliação de títulos. Os aprovados também passaram por um programa de capacitação. 

As provas foram realizadas nas cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Brasília, Belo Horizonte, Curitiba, Porto Alegre, Belém, Fortaleza, Recife e Salvador.

Especialistas não recomendam esperar o edital do concurso Bacen ser divulgado para começar a preparação. Quem tem estudos antecipados garante mais chances para aprovação. 

Você sabia que a Folha Dirigida também tem cursos preparatórios para concursos? A Folha Cursos dispõe de videoaulas, material escrito e questões comentadas para te ajudar no caminho até a posse.

Confira os cursos preparatórios e comece já seus estudos!

Presidente do Bacen faz apelo à Guedes por concurso

Em ofício enviado ao ministro da Economia, Paulo Guedes, o presidente da instituição, Roberto Campos Neto, expõe a necessidade e urgência para o novo edital.

Campos Neto afirma que, nos últimos anos, a força de trabalho do Banco Central reduziu significativamente. Isso pelas aposentadorias e outras vacâncias, sem reposição desde os últimos concursos autorizados em 2013.

Por exemplo, o número de servidores públicos federais do Poder Executivo cresceu cerca de 12%, enquanto no BC houve decréscimo de aproximadamente 30%. Em paralelo, o presidente do Banco Central identifica que houve aumento nas atribuições institucionais.

Isto é, aumentou o número de serviços e o ingresso de servidores não acompanhou esse crescimento. O Ministério da Economia justifica que não autorizou as últimas solicitações de concursos para o Banco Central, em decorrência da “atual situação fiscal do país”.

Campos Neto compreende a gravidade do momento, porém pondera que a redução de servidores acarreta risco “ao adequado funcionamento do Sistema Financeiro Nacional (SNF)”.

Por fim, o presidente do Banco Central faz um apelo ao ministro da Economia, Paulo Guedes, para autorização do novo concurso Bacen.

Para ele, o processo seletivo é “fundamental para a preservação da capacidade operacional do BC e a continuidade das ações essenciais de sua responsabilidade, nos níveis de qualidade e agilidade requeridos pela sociedade”.

Quer receber novidades sobre concursos?

Cadastre-se para receber e-mails com asnotícias em destaque da semana, dicas de preparação, novidades da Folha Dirigidae muito mais!

Carregando...