Notícias sobre Correios - carteiro e operador de triagem

Federação cobra concurso do novo presidente


Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) voltou a se reunir no último dia 17 com o novo presidente dos Correios, Guilherme Campos, e cobrou, entre outros, a realização de concurso para a estatal.  Empresa diz aguardar diretrizes do governo do presidente interino, Michel Temer, quanto à seleção suspensa no ano passado. Estavam previstas cerca de 2 mil vagas e formação de cadastro de reserva no cargos de agente de Correios, de nível médio, nas atividades de carteiro (remuneração de pelo menos R$2.885,37, incluindo benefícios e adicionais) e operador de triagem e transbordo (R$2.348,87), em diversas localidades. Oferta, porém, teve que ser revista. Faça login e saiba mais! 

Federação cobra concurso do novo ministro


Federação Interestadual dos Sindicatos dos Trabalhadores e Trabalhadoras dos Correios (Findect) cobrou do novo ministro das Comunicações, Gilberto Kassab, atenção às demandas da categoria, entre elas, a realização de concurso urgente. Estatal diz que aguarda as diretrizes do governo do presidente interino, Michel Temer, com relação ao concurso da estatal, suspenso temporariamente no ano passado. Seriam abertas cerca de 2 mil vagas e formado cadastro para agente de Correios, de nível médio, nas atividades de carteiro (remuneração de pelo menos R$2.885,37, incluindo benefícios e adicionais) e operador de triagem e transbordo (R$2.348,87). Oportunidades seriam distribuídas por diferentes estados e Distrito Federal. Faça login e saiba mais!  

Empresa aguarda posição do novo governo


Com a mudança de governo, Correios aguardam posicionamento com relação ao concurso em pauta na empresa. Seleção suspensa temporariamente no ano passado tinha previsão de cerca de 2 mil vagas e formação de cadastro de reserva no cargo de agente de Correios, de nível médio, nas atividades de carteiro (remuneração de pelo menos R$2.885,37) e operador de triagem e transbordo (R$2.348,87). Demanda teve que ser reavaliada pela estatal. Faça login e veja distribuição de vagas e etapas que estavam previstas, alémd de outras informações!

Categoria pode voltar a parar por concurso


Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (Fentect) afirmou que houve forte adesão à paralisão nacional convocada para a última quarta-feira, dia 27, tendo como uma das principais reivindicações a realização de concurso público. Empresa nega adesão significativa. Segundo a federação, outras paralisações podem ocorrer até o congresso da categoria, previsto para junho, quando será discutida a possibilidade de greve geral. A estatal chegou a prever concurso no ano passado, com cerca de 2 mil vagas de carteiro e operador de triagem e transbordo, mas a seleção foi suspensa temporariamente, em função do ajuste fiscal do governo. Funções tem requisito de nível médio, e proporcionam remuneração de pelo menos R$2.885,37 (carteiro) ou R$2.348,87 (operador). Expectativa é de retomada no meio deste ano, conforme previsão de diretor dos Correios no Rio de Janeiro. Faça login e saiba mais!

Categoria paralisa por concurso nesta quarta, 27


Os trabalhadores dos Correios anunciaram para esta quarta-feira, dia 27, uma paralização nacional a fim de alertar a população quanto  ao desmonte da empresa em razão da falta de concursos e péssimas condições de trabalho. A empresa chegou a ter concurso anunciado no ano passado, para cerca de 2 mil vagas de carteiro e operador de triagem e transbordo (ambos de nível médio, com remuneração inicial de, pelo menos, R$2.885,37 e R$2.348,87, respectivamente.  A seleção, porém, foi suspensa temporariamente devido ao ajuste fiscal do governo e, atualmente, os Correios afirmam que estão reavaliando a necessidade de pessoal. Dirigente da estatal no Rio de Janeiro já afirmou à FOLHA DIRIGIDA uma previsão de retomada do concurso.

Categoria segue pressionando por novo concurso


A falta de pessoal, que prejudica os serviços à população e causa sobrecarga de trabalho, foi um dos motivos que levou mais uma unidade dos Correios no Rio de Janeiro a decretar estado de greve. Desta vez foi o Centro de Distribuição Domiciliar (CDD) em Itaipava, na Região Serrana, cujos trabalhadores deliberaram sobre o tema no último dia 5. A categoria cobra a realização do concurso da empresa, suspenso temporariamente no ano passado.

Greve reforça urgência do concurso da estatal


Após diferentes unidades da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos no Rio de Janeiro entrarem em estado de greve, entre outros motivos, em função da falta de pessoal, no último dia 28, trabalhadores do Centro de Distribuição de Demandas de Petrópolis, na região Serrana do estado, paralisaram os serviços por tempo indeterminado.

Estado de greve pressiona abertura do concurso


Com unidades da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos no Rio de Janeiro decretando estado de greve nos últimos dias, sob alegação de sobrecarga e falta de condições de trabalho, cresce a pressão pela abertura do aguardado concurso da estatal. A previsão é que o edital da seleção seja divulgado em meados deste ano, como afirmou à FOLHA DIRIGIDA, em novembro do ano passado, o diretor regional da empresa no Rio, Márcio Vieira. Entre as unidades que decretaram estado de greve estão centros localizados em Maricá, Itaboraí e São Gonçalo. 

Vice de pessoal reconhece falta de 450 funcionários no RJ


No último dia 10, o presidente do Sindicato dos Trabalhadores da Empresa de Correios e Telégrafos do Rio de Janeiro (Sintect-RJ), Ronaldo Martins, reuniu-se com o vice-presidente de Gestão de Pessoas da empresa, Heli Azevedo, e apresentou as demandas da categoria, sendo a principal delas o reforço de funcionários. Martins disse ter reiterado a demanda de mais 900 trabalhadores no Rio e, segundo ele, embora tenha discordado do número, Azevedo reconheceu a necessidade de 450 novos funcionários no estado.