fbpx

12 mentiras que te contam sobre concurso público

Passar em concurso público é fácil. Essa é só uma das mentiras sobre concurso que quem decide se tornar um servidor público ouve de amigos e familiares quando conta sobre sua decisão.

Nesse contexto, pode até ser que um dia passar em concurso público tenha sido fácil. No entanto, atualmente, a preparação se tornou algo profissional.

Portanto, sem um bom método de estudo aliado a um material de qualidade é praticamente impossível ser aprovado.

Em suma, estudar para concurso exige a mesma – se não mais – dedicação do que fazer uma pós-graduação ou um mestrado.

Da mesma forma que uma qualificação maior te dá uma vaga mais bem remunerada na iniciativa privada, o mesmo valerá para os concursos. Afinal, os maiores ganhos são para os cargos mais concorridos.

Por esse motivo, no Dia da Mentira, comemorado em 1º de abril, fizemos uma lista com 12 mentiras sobre concurso que todo futuro servidor já ouviu. Confira!

No Dia da Mentira, comemorado em 1º de abril, fizemos uma lista com 12 mentiras sobre concurso que todo futuro servidor já ouviu

No Dia da Mentira, comemorado em 1º de abril, fizemos uma lista com 12 mentiras sobre concurso que todo futuro servidor já ouviu (Foto: Freepik)

1# Precisar ser um gênio para ser aprovado

Quando não falam que passar em concurso público é fácil, é o extremo oposto: você nunca vai passar nesse concurso. Às vezes, não é nem exatamente falado. Mas a ideia fica implícita em um comportamento. Ou até mesmo um olhar que você percebe ao contar sua decisão.

Se antes você já tinha medo de não ser aprovado, se sente menos incentivado ainda. Nesse sentido, seu sonho parece ainda mais impossível.

No entanto, um concurso público exige muito mais do que a dita “genialidade”. Afinal, não adianta ser um gênio em uma matéria e não saber nada das outras.

Não é que passar em concurso público seja difícil. Mas é trabalhoso.

Para isso, será necessário fazer um planejamento que você consiga cumprir. A palavra-chave do sucesso é organização.

Da mesma maneira, não deixe o medo – como se não se considerar bom o suficiente – te impedir de começar os estudos. A princípio, você pode estranhar um pouco o ritmo. Porém, conforme for pegando o hábito, os estudos farão parte da sua rotina.

Mais do que inteligência ou genialidade, o segredo está em conseguir se organizar. Somado isso, seguir a sua própria organização.

2# Não dá para passar em pouco tempo de estudo

Ainda dentro da polêmica de que passar em concurso público é fácil ou não, é muito comum ouvir que passar em concurso público leva anos. Porém, a verdade é que depende do background de cada um.

Por exemplo, alguém com muita experiência e conhecimentos de Direito Penal pode se sair bem de primeira em um concurso Policial. Ou quem tem uma boa base de Português e Matemática, pode conquistar logo uma aprovação em um concurso de Prefeitura.

No entanto, isso não significa que você deva afrouxar a sua rotina de estudos. Mas sim que não dá para cravar em pedra quanto tempo leva para conseguir a tão sonhada vaga.

Ou seja, o tempo necessário de estudos está relacionado à própria trajetória do futuro servidor. Antes mesmo de tomar a decisão de estudar para concurso.

Especialmente na maior parte dos concursos mais concorridos, como os da Receita Federal, da Polícia Federal ou da Polícia Rodoviária Federal, os candidatos levam em média dois anos de estudo para serem aprovados.

Mas, supondo que alguém que se prepara há anos para o cargo de auditor-fiscal da Receita resolve fazer um concurso para a Secretaria de Fazenda da sua cidade e passa.

Nesse contexto, pode parecer que levou pouco tempo de estudo se preparando para aquele concurso. Todavia, foi um conhecimento de anos que garantiu aquela aprovação. Principalmente porque, nos concursos fiscais, as matérias são bem parecidas entre si.

3# Tem que “só” estudar para concursos para ser aprovado

Antes de tudo, muitas pessoas acreditam que só serão aprovadas se dedicarem o seu tempo apenas aos estudos.

Primeiro, só estudar já é muita coisa.

Segundo, o professor da Folha Cursos, Marco Ferrari, recomenda fazer uma reflexão. Provavelmente, os momentos da sua vida em que você esteve mais ocupado foram os momentos que você mais rendeu. Mais fez projetos e mais teve resultados. Consequentemente, conseguiu realizar mais coisas novas.

Ou seja, ser produtivo é diferente de ser ocupado. Não é porque alguém tem mais tempo livre que, necessariamente, usa essas horas para estudar.

Se uma pessoa que na sua rotina dispõe de cinco horas para estudar usa apenas duas, ela está no mesmo nível que quem tem apenas duas horas livres e usa esse tempo apenas para o estudo.

Mais importante do que a quantidade de tempo, é como você usa esse tempo. Não adianta dizer que passa oito horas estudando sem foco. Às vezes, uma hora que seja de estudo bem direcionada e com consistência traz resultados muito melhores.

4# Estudar o máximo de horas possível

Antes de tudo, este é um cenário que também se encaixa no descrito anteriormente. Afinal, umas das maiores mentiras sobre concurso é que só passa quem estuda o máximo de horas possível.

Mas então, quantas horas por dia estudo para passar?

Segundo o médico Pablo Vinicius, psiquiatra e especialista em Medicina do Sono, não existe uma resposta única para todas as pessoas. De acordo com a ciência, cada corpo é um corpo.

Por outro lado, todo cérebro gasta energia para estudar. Por exemplo, é como se o início do estudo com um copo cheio. Conforme você estuda, esse copo esvazia aos poucos.

Portanto, ninguém que estuda com o copo vazio estará tendo um aprendizado efetivo.

Por esse motivo, independentemente da quantidade de horas que você tenha para estudar, mais importante do que isso, é saber distribuí-las bem. Ou seja, fazer pequenos intervalos entre blocos de 40 a 50 minutos, em média. Para assim recuperar as energias.

Inclusive, para manter esse ritmo saudável de aprendizagem, uma boa técnica para aplicar a sua rotina é o Método Pomodoro. Você já conhece?

5# Precisa estudar a mesma quantidade de horas todos os dias

Ainda dentro do assunto de quantas horas estudar, essa é mais uma das mentiras sobre concurso muito difundidas. Mas a verdade é que isso é impossível para quase todo mundo.

Por exemplo, o professor Marco Ferrari já orientou uma aluna que era aeromoça. Devido a profissão, a rotina dela mudava de três em três dias. Em outras palavras, ela estava sempre precisando fazer alterações nos seus planos de estudo.

Agora, imagina se ela fosse esperar ter horas exatas em todos os dias da semana para começar a estudar?

Portanto, o estudo para concurso requer uma organização muito própria que apenas você poderá fazer. Nesse sentido, dentro do seu dia a dia, é normal ter mais momentos disponíveis em alguns dias do que em outros.

Por exemplo, um cronograma de estudos possível seria:

  • Segunda à quinta: três horas de estudo
  • Sexta: duas horas de estudo
  • Sábado e domingo: cinco horas de estudo

Apesar de, para a maior parte das pessoas, o final de semana ser o dia com mais folga, isso não significa que vá ser assim para todo mundo. Para quem trabalha com turismo, por exemplo, a realidade pode ser outra.

Também não significa que o fim de semana precise ser necessariamente o seu dia de descanso. Para muitos, a segunda-feira é o dia mais intenso de trabalho, porque inclui todo o planejamento da semana.

Dentro dessa possibilidade, por que não tirar a segunda para pegar mais leve nos estudos?

6# Precisa abrir mão do lazer e de hábitos saudáveis

Inclusive, aí está mais uma das mentiras sobre concurso público que te contam. Claro que, para ter tempo para estudar, é necessário abrir mão de algumas atividades. Especialmente na reta final do concurso.

No entanto, você não deve cortar toda e qualquer atividade de lazer. Assim como o seu cérebro precisa de pequenos intervalos durante os estudos, momentos de descompressão de vez em quando também são importantes.

O mesmo vale para hábitos saudáveis. Como manter uma boa alimentação, praticar exercícios físicos e ter uma quantidade adequada de horas de sono.

Nesse contexto, é comum as pessoas abdicarem deles em prol de passar mais tempo estudando. No entanto, esse é o famoso barato que sai caro.

Isso porque o corpo precisa estar saudável e trabalhando em sua plena potência para um aprendizado mais efetivo. A princípio, ao abrir mão dessas atividades para estudar mais, pode até parecer que é um tempo bem aplicado.

Mas não se engane. Afinal, não adianta estudar por várias horas seguidas sem dar para o seu cérebro as devidas condições para de fato aprender.

12 mentiras sobre concursos

7# Estudar todas as disciplinas na mesma intensidade

Antes de tudo, ao pegar um edital pela primeira vez, o futuro servidor se depara com uma das maiores mentiras sobre concurso: de que é preciso estudar todas aquelas disciplinas e seus respectivos tópicos na mesma intensidade.

No entanto, dado o espaço da prova e o número de questões, é impossível cair aquilo tudo. Além disso, ao pegar os concursos anteriores, ele reparará que alguns assuntos são cobrados com mais frequência do que outros.

Em virtude disso, é tão importante ter algum tipo de orientação na hora dos estudos. Claro que dá para estudar sozinho. Mas o tempo que o candidato perde fazendo essa pesquisa, ele poderia usar efetivamente na sua preparação.

Além disso, muitos editais colocam um peso maior para algumas das matérias, porque elas têm mais a ver com aquela determinada função.

Em resumo, é sim importante zerar o edital. No entanto, em uma perspectiva realista de muitos assuntos para ter em mente na hora da prova, também é importante priorizar os tópicos mais cobrados e de maior peso na nota no momento dos estudos.

Em conclusão, ter um planejamento estratégico.

8# Existe o momento ideal para estudar

Sobretudo, este é um clássico não só não das mentiras que te contam sobre concurso, mas para qualquer atividade nova para ser incluída na rotina. Seja começar a frequentar a academia, uma dieta, ter um novo hobby: nunca vai existir um momento ideal para começar.

Em relação aos concursos, as pessoas costumam desde esperar ter mais tempo no dia a dia até ter as condições que consideram ideais para o estudo. Uma cadeira nova, um curso específico, um computador melhor ou comprar uma apostila.

Por consequência disso, essas acabam sendo formas de se autossabotar. Nunca vai existir o momento ideal para estudar. Quanto antes melhor.

Afinal, enquanto você espera as condições imaginadas que só existem na sua cabeça, outras pessoas já estão com a preparação em dia. Nesse sentido, é preciso começar a estudar já. É com esse grupo que você vai disputar a tão sonhada vaga.

9# Esperar o edital para começar a estudar

Talvez essa seja a maior mentira sobre concurso.

Antes de tudo, o problema de esperar o edital para começar a estudar é que, quando ele é publicado, em circunstâncias normais, faltam poucos meses para a prova.

Nesse contexto, o futuro servidor que leva seus estudos de forma profissional – não necessariamente que apenas se dedica aos estudos, mas que tem um compromisso sério consigo mesmo – já está preparado.

Por esse motivo, o mais apropriado é basear os estudos no edital anterior. Assim, quando o novo for publicado, basta fazer pequenos ajustes no seu planejamento.

Além do mais, a maior parte dos concursos tem muitas matérias dentro dos editais. Ou seja, quem deixar para cima da hora, dificilmente vai conseguir estudar tudo com a devida profundidade e dedicação.

10# Não vai mais ter concursos públicos nos próximos anos

Assim como é uma das maiores mentiras sobre concursos, esse se tornou um dos maiores medos do futuro servidor nos últimos anos. Principalmente devido a Reforma Administrativa.

No entanto, consta no Artigo 37, inciso II, da Constituição Federal de 1988 do Brasil, a obrigatoriedade de realização dos concursos para o acesso aos cargos públicos.

Portanto, a Reforma pode sim trazer alterações nos concursos, mas não acabar com eles.

11# Sono na hora da leitura é normal

Claro que o cansaço faz parte. Afinal, é uma rotina muito puxada. No entanto, se você sente sono o tempo todo, pode significar que a metodologia que está usando é muito passiva.

Por exemplo, muitas pessoas deixam para ler à noite, justamente quando estão com mais sono. Nesses casos, o mais indicado é deixar para esses horários as técnicas de estudo mais ativas.

Mas o que são técnicas de estudo ativas e passivas?

O que diferencia uma da outra é o grau de esforço que você precisa fazer. Assistir videoaulas sem fazer anotações é um método passivo. Por outro lado, fazer questões e resumos são métodos ativos.

Não é questão de uma forma ser melhor que a outra. Apenas depende do momento. Se você está no transporte público e não dá para fazer anotações devido ao movimento ou não ter lugar para sentar, pode simplesmente ouvir uma videoaula.

Então, a grande sacada na hora de fazer o seu ciclo de estudo é saber reconhecer o que se encaixa melhor em cada momento do seu dia a dia, certo?

12# Você não terá desânimo nos estudos

Nesse sentido, o desânimo pode vir em virtude do cansaço. Porém, a causa também pode estar associada a não conseguir acompanhar os próprios estudos.

Por esse motivo, o monitoramento constante do planejamento deve fazer parte da sua rotina. Se alguém te disser que basta fazer um cronograma de estudos uma única fez, sem nunca revisá-lo, esta pessoa estará te dizendo mais uma das mentiras sobre concurso.

Além do uso do Smart Planner, o professor Marco recomenda ter a sua própria planilha de Excel. Nela, o futuro servidor deve colocar as disciplinas que está estudando. Quinzenalmente, voltar-se para as questões que fez nesse período e preencher com o seu rendimento nelas.

Segundo o especialista, esta é uma forma de saber se os seus estudos e métodos estão de fato rendendo bem.

Tirar uma hora para práticas de monitoramento como essa fará toda a diferença!

Você já caiu em alguma dessas mentiras sobre concurso? Continue acompanhando o Blog da Folha Dirigida para mais dicas de preparação (verdadeiras)!

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *