fbpx

Mapa conceitual e mapa mental: qual a diferença?

Compartilhe o conteúdo

Aqui no Blog, falamos algumas vezes como mapas mentais podem auxiliar nos seus estudos. Mas sabia que existe uma ferramenta semelhante? Não se preocupe, que explicamos a diferença entre mapa mental e mapa conceitual.

“Os mapas conceituais e os mentais são representações do pensamento e se organizam visualmente a partir de ideias chave”, explica Kássia Juliana, coordenadora pedagógica do Complexo de Ensino Renato Saraiva (Cers).

Além de explicar a diferença entre os mapas, a professora falou como o mapa conceitual também pode ser integrado como ferramenta do seu estudo para concursos públicos. Confira!

Mapa conceitual

Um Mapa conceitual é uma representação gráfica de um conteúdo, enquanto o mapa mental parte de uma ideia central

O que é um mapa conceitual e como fazer?

A definição de mapa conceitual é a representação gráfica de um conteúdo. Seu objetivo é organizar ideias, conceitos e informações de modo esquematizado.

Ele foi desenvolvido na década de 1970 pelo pesquisador norte-americano Joseph Novak, com base na teoria de Aprendizagem Significativa de Ausubel.

No mapa conceitual, os conceitos são escritos dentro de figuras geométricas, como retângulos e elipses. Essas figuras ficam ligadas por linhas.

Nas linhas, são colocadas expressões de ligação para dar sentido às conexões pensadas. Podem ser utilizadas locuções ou verbos como:

  • É
  • Deriva de
  • Pode ser feito com
  • Constituem

Ou quaisquer outras expressões que façam essa articulação.

A estrutura do mapa conceitual se assemelha a uma rede de conexões, diferente do mapa mental, mais parecido com a de uma árvore.

Qual a diferença entre mapa conceitual e mapa mental?

Podemos explicar a diferença entre mapa conceitual e mapa mental da seguinte forma:

Mapa conceitual

É uma representação gráfica de um conteúdo, que ajuda a organizar ideias, conceitos e informações de modo esquematizado.

Mapa mental

Os mapas mentais partem de uma ideia central. A partir dela, se articulam em ideias conectadas, semelhantes a uma árvore com raízes e galhos ou a estrutura de um neurônio.

Cada item do mapa mental tem apenas uma palavra ou uma frase curta.

A ideia da organização é levar ao desencadeamento de um pensamento, uma linha de raciocínio. A partir disso, é possível trabalhar com cores, inserir imagens, links, etc.

O uso desses símbolos facilita a compreensão e a memorização dos assuntos tratados no mapa.

O que é mapa conceitual de um texto?

O principal objetivo do mapa conceitual é representar, através de estruturas esquemáticas, conceitos e ideias com clareza, exposição do conhecimento e organização cognitiva de quem o fez.

No caso de um texto, a ideia é fazer uso de representações visuais do assunto que está sendo tratado.

“Na maior parte das vezes, os conceitos são retratados como círculos ou caixas, unidos por linhas ou setas que contêm palavras para demonstrar como as ideias se conectam”, explica Kássia Juliana.

Esse mapeamento tem o intuito de organizar e estruturar conhecimentos, integrando informações novas e antigas para possibilitar uma melhor retenção e compreensão.

Quais as características de um mapa conceitual?

O mapa conceitual nada mais é do que uma ferramenta gráfica que representa visualmente as relações entre conceitos e ideias.

A maioria deles usa caixas ou círculos (também chamados de nós), estruturados hierarquicamente e conectados com linhas e setas (também chamadas de arcos).

como fazer um mapa conceitual

Como fazer um mapa conceitual?

A dica da coordenadora pedagógica do Cers é fazer o download de software que rode em um único computador/celular ou de ferramentas com base na nuvem, disponíveis nos dispositivos habilitados com Internet.

A professora Kássia Juliano dividiu a confecção do mapa conceitual em cinco passos:

1. Selecionar um meio de desenho

Algumas pessoas preferem usar papel e lápis. Outras, softwares online designados especificamente para isso.

A vantagem do segundo método é que o seu mapa ficará disponível em formato digital, o que facilita caso você queira compartilhar ou editar.

2. Criar um conceito principal

A dica aqui é começar por com um campo de conhecimento com o qual você já esteja familiarizado.

“Determine uma ideia central que se conecte a todas as outras ideias no mapa”, simplifica Kássia Juliano.

“Se você não tem certeza por onde começar, tente identificar uma parte do texto, uma atividade na sala de aula ou um problema difícil que precise ser resolvido.”

Algo que também pode ser útil é criar uma única pergunta, também chamada de pergunta-foco, especificando claramente o problema ou os problemas que o mapa conceitual pretende responder.

É muito importante que você idealize o seu mapa pensando em chegar nessa resposta.

3. Identificar os principais conceitos

Depois de escolher o conceito principal, o próximo passo é identificar outros conceitos relacionados a ele. Pense nas ideias relacionadas e coloque-as na página.

Essa lista também é conhecida como estacionamento e geralmente consiste em cerca de 15-25 conceitos-chave.

O ideal é que as descrições dos conceitos sejam breves com uma ou duas palavras. Essas descrições concisas evitarão que o mapa fique “inchado” ou com muitos textos.

4. Organizar formas e linhas

Aqui você vai organizar os conceitos em formato hierárquico: as ideias mais gerais ficam no topo da lista e as mais específicas na parte inferior.

“Você pode arrastar as formas para uma lista real, ou simplesmente organizá-las na ordem aproximada em que elas aparecerão quando o diagrama for concluído”, explica a coordenadora.

O seu mapa começa a tomar forma quando você liga as formas com linhas e determina o lugar ideal para cada ideia.

Lembrando que os mapas conceituais normalmente têm textos, ou palavras de ligação, escritos em cada linha.

A ideia é que essas palavras definam com clareza a relação entre o conceito geral e os conceitos mais específicos. Verbos como “englobar” e “fornecer” podem ser usados.

5. Ajustar o mapa

Conforme você vai adicionando os links a cada conceito, examine cuidadosamente as relações que está ilustrando. Faça a si mesmo perguntas, como:

  • Cada elemento se encaixa bem em seu respectivo lugar?
  • Há uma posição melhor para esta ideia ou grupo de ideias?
  • Posso usar uma palavra de ligação mais precisa para representar essa relação?

A resposta delas ajudará a melhorar o desempenho cognitivo e desafiar o seu conhecimento sobre qualquer assunto.

Este é um mapa preliminar, que precisará de revisão. Pequenos ajustes nos links e nas posições são bem fáceis de fazer nos softwares online.

Quais são os elementos constitutivos de um mapa conceitual?

Elementos do mapa conceitual

Conceitos

No mapa conceitual, os conceitos se referem a imagens mentais associadas à memória de uma palavras. Essas imagens mentais são comuns a todos, embora para cada uma tenham nuances pessoais.

Frases ou palavras de conexão

As palavras ou frases de conexão ficam nas linhas que ligam um conceito a outro. Sua função, como o próprio nome diz, é explicar a relação entre dois conceitos.

Lembrando que elas devem ser sempre concisas e, se possível, conter um verbo. São palavras como “inclui”, “requer” e “causa”.

Estrutura proposicional

Em um mapa conceitual, devem ficar expressos explicitamente os relacionamentos mais relevantes entre um grupo de conceitos. Essa relação é representada por meio da conexão de frases que formam proposições.

Tanto proposições quanto conceitos são a base para a criação de novos conhecimentos em um campo.

As proposições são compostas por dois ou mais conceitos, ligados pelas palavras ou frases de conexão.

Por exemplo, se estou estudando uma matéria como Biologia e tenho os conceitos “composição química” e “das diferentes espécies”, a frase de conexão entre eles pode ser “do que isso depende?”.

Essas proposições, também chamadas de propostas, não devem ser confundidas com preposições gramaticais como “a”, “antes”, “com”, “de”, “de”, entre outras, alerta a professora.

Estrutura hierárquica

A estrutura hierárquica é a hierarquia entre os conceitos. Os mais gerais ficam em cima e os mais específicos embaixo. A hierarquia fica representada graficamente.

Conforme vão diminuindo, os conceitos vão ficando mais e mais específicos. Por isso, é preciso ler os mapas de cima para baixo.

Eles podem começar com mais de um conceito e ter outros formatos. Por exemplo, um mapa conceitual sobre o ciclo da água pode ser cíclico.

No mapa conceitual para estudar e/ou para quem está experimentando o modelo pela primeira vez, pode ser mais interessante começar com um único conceito.

Linhas

As linhas unem os conceitos e indicam o fluxo de informações no mapa conceitual. Elas indicam qual conceito leva ao próximo e facilitam a visualização do que está sendo estudado.

Precisa de mais orientações de estudo? Confira nesse guia com dicas de estudo para concursos!

Mapa conceitual

 

Fontes:

https://www.lucidchart.com/pages/pt/como-fazer-um-mapa-conceitual
http://revista.ugb.edu.br/ojs302/index.php/simposio/article/view/2106
https://www.infoescola.com/pedagogia/mapas-conceituais-no-processo-de-ensino-aprendizagem-aspectos-teoricos/
https://maestrovirtuale.com/os-5-elementos-mais-importantes-do-mapa-conceitual/
(Acessos em 22.10.20)
Editor (2016) O que é um mapa conceitual? 30/11/2017. Gráfico lúcido lucidchart.com
Novak, JD (2003) Conceito de mapas conceituais. 30/11/2017. Centro de Ensino da Universidade de Iowa. Teach.its.uiowa.edu
Åhlberg, Mauri. (2004) Universidade de Helsinque, FINLÂNDIA Folheto na sessão de pôsteres da primeira conferência internacional sobre mapeamento de conceitos. edu.helsinki.fi
Alberto J. Cañas e Joseph D. Novak (2003) O que é um Mapa Conceitual? 30/11/2017. Cmap cmap.ihmc.us
Brian Moon, Joseph Novak (2011) Mapeamento de conceitos aplicados: captura, análise e organização do conhecimento. 30/11/2017. Por Taylor & Francis Group, LLC.


Compartilhe o conteúdo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *