fbpx

Como ter inteligência emocional nos momentos de crise?

Compartilhe o conteúdo

Você tem conseguido manter a inteligência emocional nos momentos de crise? É, certamente, um desafio.

Principalmente quando você tem uma meta importante, como dar continuidade ao ritmo de estudos para concursos públicos.

A pandemia do coronavírus fez com que muitos concursos fossem suspensos ou adiados. Por isso, diante das incertezas, é importante manter a importância da inteligência emocional, segundo o CEO da SLAC Coaching, Sulivan França.

Mas, primeiro de tudo, você sabe o que é inteligência emocional?

→ Como lidar com a ansiedade e estudos nessa quarentena

a importancia da inteligencia emocional

A inteligência emocional surge a partir do autoconhecimento (Foto: Freepik)

O que é inteligência emocional?

A inteligência emocional, segundo Sulivan França, surge basicamente a partir da arte de autoconhecimento. Quando você se entende e compreende o que quer, tem mais facilidade para lidar com conflitos e crises que possam surgir.

Primeiro de tudo, é preciso entender o que você sente.

Depois, como e quando temos esses sentimentos. Só depois de ter as respostas para essas três questões, que você vai saber se é ou não inteligente emocionalmente.

A partir desta análise que começamos a trabalhar todo o processo que existe em vários pontos importantes da nossa vida, para que a gente consiga de fato desenvolver a nossa inteligência emocional, explica o especialista.

Resumindo, ao compreender bem nossas emoções, vamos identificar se temos equilíbrio para lidar com elas e usá-las em benefício próprio. Isso é ser inteligente emocionalmente.

O ideal é que você trabalhe esse autoconhecimento sempre para que esteja preparado para o momento de crise.

tres perguntas iniciais para identificar a inteligencia emocional

Como desenvolver inteligência emocional na preparação para concursos?

Na preparação para concursos, um ponto fundamental para o sucesso é a chamada disciplina de execução. Segundo Sulivan, esta é diferente das disciplinas pontuais, que se restringem a um momento específico.

A disciplina de execução refere-se à realização de um plano completo para ser executado até o dia da prova do concurso que você deseja fazer, por exemplo. Envolve um processo de longo prazo, um planejamento de vida.

E é aí que entra a inteligência emocional. Quando você entende e se propõe a desempenhar esse projeto com dedicação, você tende a colher os frutos mais para frente.

A primeira coisa que precisamos ter muito claro é que o ser humano naturalmente vai ter que abdicar de algumas coisas que estão ligadas a natureza humana, à satisfação momentânea, afirma França.

E essa disciplina não é só para estudo. Você precisa empenhar-se em alguns pontos do desenvolvimento emocional para ter clareza do que precisa fazer, o que está por vir e onde quer chegar.

→ 6 passos para construir metas para concursos

Como a inteligência emocional atua nesse momento?

Segundo Sulivan França, quando estamos no processo de estudar algo novo, aquelas matérias que nos dão mais dor de cabeça estão gerando novas conexões no nosso cérebro.

Sulivan França fala sobre inteligência emocional nos momentos de crise

Você vai trabalhar o autoconhecimento para conseguir domar o seu aspecto emocional, diz Sulivan França (Divulgação)

“Elas não são matérias prazerosas de se estudar. Isso não é satisfatório porque não traz para o indivíduo a satisfação momentânea. Pelo contrário, ela traz um desgaste momentâneo”, aponta.

A inteligência emocional é então o elemento necessário para você se conscientizar do que está acontecendo nesse momento e entender que emoção é aquela que surgiu com algo que você não tem domínio.

Dessa forma, você vai trabalhar o seu autoconhecimento para conseguir domar o seu aspecto emocional, aprendendo a lidar com ele diante dessa dificuldade.

Ou seja, o que você sentiu quando não conseguiu compreender aquela matéria de primeira? E o que fez para solucionar esse problema emocionalmente?

Quando chegar no momento da prova, você não irá se abalar demais caso não saiba uma ou outra questão por conta dessa consistência emocional maior.

Como o estudante sabe se tem inteligência emocional?

O melhor momento para o estudante identificar se tem inteligência emocional é na hora do estudo.

De acordo com Sulivan, é nesse instante que começa aquele diálogo interno do tipo “é hora de desistir? De parar de estudar?” ou “ah, isso não vai levar a lugar nenhum”.

Esses são sabotadores inconscientes que muitas vezes sugam energia e aspecto emocional positivo, colocando você em uma situação desfavorável.

No momento que esse diálogo interno começa a acontecer, é importante começar a se questionar porque será que ele começou, explica França.

Você deve começar a compreender quais são os gatilhos emocionais que acabam dando um direcionamento para um pensamento negativo.

Isso porque esse pensamento sabotador pode levar você a um comportamento sabotador.

O que é o comportamento sabotador? 

“Eu posso muitas vezes não dar muita atenção para aquela matéria que estou estudando ou desistir do estudo. Eu posso naquele momento adotar um comportamento que, quando eu tiver que me aproximar do que eu quero alcançar, eu me distancie”, exemplifica Sulivan.

Resumindo, é preciso tomar muito cuidado e ter consciência de qual é o momento em que começou essa reflexão que está levando você para um estado negativo, distante do estado desejado.

Quando identificar isso, você deve voltar um pouco atrás e buscar entender quando esse pensamento começou. Qual foi o gatilho?

Para entender melhor, é preciso saber quais são os tipos de gatilhos que podem atrapalhar nosso rendimento.

Quais são os tipos de gatilhos?

Basicamente, de acordo com Sulivan, existem dois tipo de gatilhos: os internos e externos. E é preciso bastante atenção com cada um deles.

Os gatilhos internos são aqueles que temos total controle sobre, ou seja, que partem do nosso interior e que podemos perceber quando acontecem para definir o cuidado que precisamos ter.

Um exemplo de gatilho interno está ligado à aptidão ou não para uma determinada matéria. Ao não gostar dessa matéria e se deparar com dificuldades em relação a ela, você pode acabar de certa forma desanimando parcialmente ou por completo.

Outro gatilho interno é relativo à satisfação e ao prazer daquilo que você está fazendo.

“Tem pessoas que naturalmente nunca foram estudantes com aptidão para o estudo. Naturalmente esse indivíduo não vai ter prazer no processo de estudo”, afirma o CEO da SLAC Coaching.

O gatilho externo, por outro lado, é tudo aquilo que está no seu meio e pode influenciar você ao contrário.

Por exemplo: pessoas que muitas vezes interferem no seu processo de estudo com convites que vão tirar o seu foco.

Buscar um lugar para que você consiga fazer esse estudo e o deixe totalmente distante desses impactos, tanto dos externos quanto internos, vai ajudar bastante nesse processo de estudos.

Como ter inteligência emocional nos momentos de crise?

A primeira coisa que você deve fazer diante de momentos de crise, como o da pandemia do Coronavírus, é refletir,de acordo com o especialista.

Em alguns casos, muitas pessoas estão com mais tempo livre durante o período de isolamento social. É preciso então ter disciplina para dar continuidade ao seu processo de estudo. Construir uma rotina.

Não é porque você está em casa que não precisa de regras. Pelo contrário, é importante colocar tudo em ordem.

As primeiras semanas foram difíceis, afinal, perdemos o nosso referencial de uma hora para outra, como afirma Sulivan França:

Essa mudança de rotina é muito abrupta e pegou muita gente de surpresa. Não conseguimos nos estruturar de primeira.

Agora é o momento de criar essa agenda nova, adaptando às condições que você está vivendo e dando continuidade ao seu planejamento.

“Você precisa melhorar o seu aprendizado, reconhecer seus padrões para desempenhar um bom trabalho e estudo, para ser mais disciplinado e conseguir executar o que quer”, aponta Sulivan.

E é compreendendo esses padrões que você reflete as consequências do que está fazendo.

Dessa forma, você tem a clareza necessária de saber que o que você está fazendo vai aproximar você do que quer ou se deve mudar a estratégia. Se não tiver ajudando, você precisa mudar.


Compartilhe o conteúdo

Você pode gostar...

4 Resultados

  1. Folha Dirigida disse:

    Olá, Marcio! Tudo bem? Que bom que gostou das dicas! Caso tenha alguma sugestão do seu interesse, pode entrar em contato conosco também! Abraços, Blog FD!

  2. Marcio disse:

    Muito bom seu artigo e obrigado pelas dicas

  3. Folha Dirigida disse:

    Olá, Márcia! Tudo bem? Quem bom que gostou do texto e está sendo útil para você! Caso tenha alguma sugestão de conteúdo do seu interesse, pode entrar em contato conosco. Abraços, Blog FD!

  4. Cursos Online disse:

    Olá aqui é a Márcia Tozo, eu gostei muito do seu artigo seu conteúdo vem me ajudando bastante, muito obrigada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *