fbpx

Ferramentas de estudo para concurso: como usar?

Muitos estudantes têm dúvidas sobre qual a melhor metodologia ou técnica para estudar. Mas, você já se perguntou sobre quais são as ferramentas de estudo para concurso com mais qualidade e como as usá-las?

“Quanto antes você começar a sua preparação, menos atrás você vai ficar”, lembra o professor Marco Ferrari.

Portanto, assim como quanto antes você começar a estudar, melhor, quanto mais bem aplicadas forem as ferramentas, mais eficiente será o seu estudo.

Marco Ferrari falou sobre quais são as ferramentas de estudo para concurso, quando e como aplicá-las no programa Desafio Aprender, no canal da Folha Dirigida.

Você pode tanto assistir a live, que ficou gravada, quanto ler neste post os principais assuntos explicados pelo professor, ok?

Quais são as ferramentas de estudo para concurso?

Segundo o professor, as ferramentas de estudo para concurso público são:

Para o professor Marco, sem sombra de dúvidas, estudar por questões é a ferramenta mais eficaz na preparação. Mas fique atento: elas não funcionam a qualquer momento.

Antes de tudo, é preciso construir um conhecimento básico da disciplina para evoluir antes da resolução. Por exemplo, aulas e apostilas darão a base teórica, que deve vir antes dos exercícios.

Em resumo, resolver questões antes do estudo da teoria pode gerar frustração e até mesmo a sensação de incapacidade diante dos exercícios.

Por outro lado, os mapas mentais e flashcards funcionarão como forma de esquematizar a matéria. Enquanto o primeiro pode ser mais amplo e aprofundado, o segundo é ideal para temas menores.

Mas apesar de todas as tecnologias, o caderno continua sendo uma das ferramentas de estudo para concurso mais importantes. Afinal, quem mantém um bom caderno, sempre terá um excelente material de revisão em mãos.

Seja antes de dormir, após a aula, ou os dois, é muito importante, no processo de estudos, escrever e mais tarde reler os conteúdos nas suas próprias palavras.

Por fim, Marco Ferrari separa aulas e PDFs como materiais de base e as outras ferramentas como formas de revisão.

Cuidado com cadernos e mapas mentais comprados!

Mas, o professor faz um alerta sobre materiais como mapas mentais e cadernos que podem ser comprados prontos. Apesar de, em um primeiro momento, parecer um adianto, eles podem ter um efeito contrário.

Ao já ter o conteúdo pronto, o estudante acaba não o personalizando. Portanto, ele pula partes da compreensão das disciplinas ao não colocá-la em suas próprias palavras.

Estudar em cima da revisão sem ter visto não é revisão. A sua revisão tem que proporcionar a você uma revisitação a um conteúdo que já foi visto, alerta.

Por isso, se for recorrer a um material feito por outra pessoa, não deixe de fazer as suas próprias anotações e considerações nele.

Outro erro comum dos futuros servidores é confundir o plano de estudos com o ciclo de estudos. O plano contém quais momentos do dia você vai estudar, a sua programação. Já o ciclo é o guia para as matérias que você verá naquele dia.

Nada impede que o seu ciclo tenha todas as ferramentas de estudo para concurso, incluindo livros. Porém, se optar por eles, procure sempre livros específicos voltados para concursos públicos.

Assim, você não corre o risco de perder tempo com conteúdos desnecessariamente profundos para a sua prova.

Também é normal que algumas disciplinas exijam mais algumas ferramentas do que outras. Por exemplo, Língua Portuguesa pede estudos mais teóricos do que Matemática ou RLM, que dependem mais da resolução de exercícios para o entendimento da matéria.

Questões como ferramenta para revisar

O professor Marco define a resolução de questões como um grande balisador na preparação. Ou seja, elas representam os conteúdos do edital que são realmente cobrados na prova.

Além disso, durante a resolução de questões, o professor também recomenda que o futuro servidor faça anotações em seu caderno. Grife os assuntos mais frequentes e coloque em destaque conteúdos que tem dificuldade.

Quanto mais rico e personalizado for o seu caderno, melhor será sua revisão. O grande conselho de Marco Ferrari é tratá-lo como se fosse seu ouro, sua joia mais preciosa.

Também é importante estar atento à frequência com que um assunto aparece nas questões. Ela ditará a quantidade de dedicação que você deve ter a um conteúdo.

Logo, quanto mais um tópico do edital aparece nas provas anteriores, mais você deve estudá-lo.

Autoexplicação como forma de aprender

Segundo a pirâmide da aprendizagem de William Glasser, a melhor forma de aprender é ensinando. Portanto, uma excelente forma de estudar é explicando o conteúdo para alguém ou, até mesmo, para si próprio.

Por exemplo, o professor lembra de uma ex-aluna que chegou a comprar uma lousa para o seu quarto. Como ela e o namorado estavam estudando para concurso, ambos usavam o quadro como uma de suas ferramentas de estudo para concurso.

Como usar as ferramentas de estudo para concurso?

Durante a hora de estudo, o professor recomenda o seguinte método:

  • Material de base
  • Anotações
  • Revisão
  • Questões

No entanto, fique atento: anotar não é copiar o slide do professor ou escrever tudo que ele fala. Procure se expressar da sua maneira, o que proporcionará maior entendimento da disciplina.

Em resumo, pegue os pontos importantes. Trabalhe-os com o seu olhar, o seu jeito de estudar. Nesse contexto, o seu planejamento é o meio para alcançar um fim.

Em seguida, fala uma breve revisão, acrescentando o que faz sentido para você. Continue anotando durante a resolução de questões. Sempre alimentando o seu caderno

O material de base é feito pelo professor. As questões, pela banca. Mas o caderno é só seu. Ele é o seu grande diferencial na sua preparação. Consequentemente, quanto mais completo e de acordo com as suas necessidades, melhor.

Como usar as ferramentas de estudo para concurso na reta final para a prova?

Nos 14 dias que antecedem a sua prova, você usará basicamente o caderno para revisão e a resolução de questões.

“Quem consegue fazer um bom tapete na preparação pré-edital, na hora está tranquilo. Não precisa comprar revisões e mapas mentais prontos”, explica o professor, já que, quando o edital é publicado, basta fazer pequenos ajustes no material.

Da mesma forma será com o caderno. Quanto mais perto for chegando, mais resumido e refinado você deixará o seu conteúdo.

Por exemplo, quando um professor prepara uma aula, ele faz justamente isso: reajusta suas anotações conforme as questões.

A ideia é que o dia da prova não passe uma mera resolução de questões para você! A preparação deve se afunilar cada vez mais e mais para que, na data do exame, você seja o candidato mais próximo da boca do funil. Em outras palavras, com o conhecimento mais afunilado e maiores chances de passar.

Como começar a usar as ferramentas de estudo para concurso?

Nesse contexto, também é importante que você comece o quanto antes porque os seus conhecimentos de base devem ser os mais sólidos possíveis.

Auditores, juízes, delegados, promotores… todos esses servidores tiveram que começar a preparação em algum momento.

Procure materiais sucintos, com os conteúdos divididos em subtemas. Essas unidades mínimas de aprendizagem, por consequência, formarão uma grande árvore de conhecimento.

A ideia principal é que você forme um ciclo de estudos e rode esse ciclo a cada momento de estudo. O professor pega como um exemplo o seguinte ciclo:

  • Português
  • Direito Constitucional
  • Direito Administrativo
  • RLM
  • Informática

Dentro desse ciclo, supondo que o estudante tenha no mínimo uma hora de estudo líquida, distribua-a da seguinte forma

  • 50 minutos de estudo
  • 10 minutos de revisão
  • Retomada do ciclo

Conforme explicado acima, o estudo será dividido em material de base, anotações, revisão e questões. Lembre-se também de sempre fazer uma resolução de questões ativa, isto é, anotando tudo.

Mais que quantidade, o que importa é a qualidade!

Por fim, o professor Marco afirma: “ninguém é aprovado do dia pra noite. A gente constrói essa preparação com o tempo.”

Já sabe como usar as ferramentas de estudo para concurso, futuro servidor? Continua acompanhando o Blog da Folha Dirigida para mais dicas de preparação!

Meu Primeiro Concurso Público

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Saber ser eficiente é muito mais importante do que estudar muitas horas por dia. Existe muita informação no mercado e a maioria dos concurseiros está perdida – quem sabe se orientar tem uma vantagem imensurável. Excelente artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *