fbpx

Como fazer resumos para concursos?

Compartilhe o conteúdo

Após estudar um conteúdo, você costumar fazer resumos para concursos? Sabia que a prática de escrever o que foi estudado, de forma resumida, auxilia no aprendizado e na memorização?

E será também uma parte fundamental no seu processo de revisão.

Para Fernando Mesquita, escritor e especialista em aprendizagem acelerada, a escrita precisa se tornar um hábito durante os estudos.

“Escrever (não copiar) durante os estudos vai nos ajudar a tornar o estudo ativo. Isso vai auxiliar na atenção que devemos ter com o conteúdo e tornará o aprendizado melhor”, explica o coordenador do GranXperts do Gran Cursos Online.

Ao escrever, segundo Mesquita, você presta mais atenção ao conteúdo e, consequentemente, processa melhor a informação. “Você só pode escrever sobre o que entende, só pode resumir, condensar, aquilo que compreendeu”, completa.

Mas os benefícios de fazer resumos para concursos são muitos. Confira mais detalhes a seguir.

A prática de escrever o que foi estudado, de forma resumida, auxilia no aprendizado e na memorização

A prática de escrever o que foi estudado, de forma resumida, auxilia no aprendizado e na memorização (Foto: Freepik)

Como começar resumos para concursos?

Fernando Mesquita explica que, quando uma pessoa escreve o conteúdo, o processo acaba sendo como uma avaliação imediata. Será naquele momento que você descobrirá se entendeu ou não o que estudou.

Assim, você não vai ser aquele candidato que só descobre que não aprendeu meses depois de estudar uma disciplina. Algo que ainda acontece com muitas pessoas, e é um sério problema para quando chega o momento da prova.

Para montar resumos para concursos, o especialista recomenda os seguintes passos:

1. Comece pelo título da disciplina e pela data: “o registro cronológico é importante”.

2. Use setas, desenhos, cores e remissões

3. Foque no resumo ser completo, mas não necessariamente extenso: “inclusive, ser extenso, em geral, é uma falha do material de revisão”.

4. Coloque o mínimo de conteúdo: por exemplo, estrutura da aula ou PDF, citações importantes, listas de fatos. “Nem frases completas precisam aparecer frequentemente”.

O que você não deve fazer em resumos para concursos?

Não escreva em excesso. Fernando Mesquita sugere que seja utilizada a “filosofia de material mínimo”, ou seja, escreva o mínimo que puder.

Quando estiver com dúvida, não é indicado anotar os erros observados nas questões. Para evitar confusões, porém, esses erros devem estar presentes nas sessões de estudos.

Atenção, o resumo também não deve ser uma cópia. Mesquita explica que copiar pode ser positivo em cenários específicos, mas não é o caso dos resumos para concursos.

O resumo deve ser, preferencialmente, majoritariamente feito com as próprias palavras do candidato, explica o professor.

Há exceção para casos de citações importantes, em que, obviamente, o texto será copiado. Mas, fora isso, o especialista reforça a importância de que o resumo seja feito de forma autoral.

Ele lembra também que “o material de revisão é um repositório de gatilhos mentais para você se lembrar do conteúdo que estudou”. Por isso é tão importante você mesmo fazer o seu.

Quer estudar com a FD e ter acesso a todo o conteúdo Premium? Saiba como!

Quais são os tipos de resumos para concursos?

Primeiramente, o especialista chama atenção para o fato de que resumo não é sinônimo de material de revisão, mas explica que os estudantes acabam cometendo o equívoco de achar que é a mesma coisa.

Segundo Fernando Mesquita, o resumo é, na realidade, apenas um dos tipos de revisão. Você sabia que também pode revisar fazendo questões para concursos?

Tendo isso em mente, Fernando Mesquita cita três modelos de resumos mais comuns que você pode seguir:

1. Resumos tradicionais ou por tópicos

Esses resumos são realizados de maneira linear e, de acordo com Mesquita, são muito semelhantes aos que temos o costume de fazer no ensino fundamental e médio, ainda na escola.

Pode ser divido em tópicos com os assuntos mais importantes, utilizando palavras-chave que remetam ao conteúdo estudado.

2. Mapas mentais

Os mapas mentais são representações gráficas sobre aquilo que você estudou. São esquemas que partem de um tema geral, escrito no centro de uma página, e ligado a outros subtemas relacionados, como uma teia.

Para fazer os mapas, são utilizadas pouquíssimas palavras, mas muitas cores e imagens para ilustrar.

Criada na década de 60 pelo escritor Tony Buzan, essa técnica de estudo possibilita a fixação de conteúdos por meio de um diagrama.

3. Flashcards

Os flashcards (ou cartões de memória, em português) são um método de memorização e repetição que utiliza de cartões ou fichas de perguntas para a revisão. Basicamente, de um lado fica a pergunta, e do outro, a resposta.

Os flashcards utilizam o método de recuperação ativa para treinar o conteúdo, em geral acompanhados de um algoritmo que trabalha com o que se chama SRS – em inglês, sistema de repetição espaçada, explica Fernando Mesquita.

Esse sistema “apresenta o conteúdo quando estamos nos esquecendo dele – e é extremamente eficiente, em especial para conceitos e treinamento vocabulário”, completa o especialista.

Um exemplo popular para o estudo com cartões de memorização é utilizando o aplicativo Anki.

Feito originalmente para aprendizado de novos idiomas, tem sido bastante usado por estudantes para concursos também, pois é possível inserir nele a pergunta (e resposta) que precisar.

Passos para montar o seu resumo

Como elaborar um bom resumo para os estudos?

O especialista explica que o conteúdo que vai ter em seu resumo depende do material base que será utilizado, como videoaulas, livros e PDF, por exemplo.

O material de resumo deve ser criado sempre que o estudante consumir o conteúdo durante os estudos.

Segundo Mesquita, isso ajuda a pessoa a ter um processo melhor para os estudos e, em consequência disso, um aprendizado mais eficiente.

Após fazer o resumo, não há necessidade de realizar um outro resumo do mesmo conteúdo.

Se o estudante se habituar a fazer um material de dimensões reduzidas desde o início, ganha-se tempo e qualidade nos estudos, recomenda Fernando Mesquita.

Por fim, ele indica que os resumos para concursos sejam feitos com frequência, com pouco texto, e que sejam usadas imagens e cores para deixar o material completo e visualmente agradável.

Que tal começar a fazer o seu agora?


Compartilhe o conteúdo

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *