fbpx

Estudar com música ajuda ou atrapalha?

Você já teve dúvida se estudar com música ajuda ou atrapalha? Em algum momento dos estudos, muitos futuros servidores já se fizeram essa pergunta. Você não está sozinho nessa.

Há quem pense que estudar com música pode ser uma forma de deixar o estudo mais divertido. Outros, questionam-se se não é uma maneira de facilitar o processo de aprendizagem.

A coach Deborah Cal respondeu essas e outras perguntas. Afinal, estudar com música ajuda ou atrapalha?

Há quem pense que estudar com música pode ser uma forma de deixar o estudo mais divertido

Há quem pense que estudar com música pode ser uma forma de deixar o estudo mais divertido (Foto: Freepik)

Estudar com música ajuda ou atrapalha?

A coach Deborah Cal explica que há estudos que comprovam que estudar com música é bom porque pode potencializar a concentração do estudante.

Consequentemente, ocorre a ampliação da capacidade de absorver novos conteúdos.

Quais os benefícios de estudar com música?

Nosso cérebro é dividido em dois hemisférios: o esquerdo e o direito. Enquanto o esquerdo está mais relacionado ao pensamento lógico e à comunicação, ao direito fica imaginação e fantasia.

Atividades como a leitura, escrita e técnicas de estudo ativo ligam o lado esquerdo. Já a melodia de uma música coloca o lado direito para funcionar. Se a canção tem letra, ela ativa os dois lados. Ficou confuso?

“Os estudos mostram que quando os dois hemisférios do cérebro são ativados conjuntamente há um funcionamento melhor como um todo”, explica a especialista. Ou seja, isso aumenta:

Quais as desvantagens de estudar com música?

Do mesmo modo, não se deve estudar ouvindo músicas que tenham letra.

Assim como o nosso cérebro utiliza o lado direito para ler, escrever e interpretar os conteúdos, o direito está relacionado a melodias instrumentais, ruídos brancos e sons da natureza.

Quando a música tem letra, os dois lados são ativados. Se você está estudando e ouvindo uma canção com letra, principalmente se é uma que você conhece e sabe cantar, o seu cérebro pode ficar sobrecarregado.

Como resultado, ocorre uma sobrecarga de informação da música e do conteúdo que você estuda.

Que tipo de música ouvir para estudar?

Em síntese, as melhores músicas para estudar são as que não tem letra. Igualmente, esteja atento ao ritmo. Portanto, cuidado na escolha das músicas!

Por exemplo, as mais agitadas provocam agitação e ansiedade, mesmo que sejam unicamente instrumentais. Conforme falamos anteriormente em outros posts, a ansiedade é uma das inimigas do estudo.

Tanto quanto a atenção na hora da escolha da sua playlist, o volume em que você a ouve também faz diferença. Segundo Deborah Cal, é indicado que ele esteja médio:

“Nem muito alto, para que não comprometa a concentração, e nem muito baixo, ao ponto de você precisar se esforçar para ouvir”, sintetiza a coach. “A ideia é proporcionar relaxamento”.

Como estudar com música

É possível todo mundo estudar com música?

Talvez você esteja se perguntando agora, por que nem todas as pessoas conseguem estudar com música?

De acordo com a especialista, cada indivíduo é único. Definitivamente o que funciona para um, pode não funcionar 100% para o outro.

Se estudar com música ajuda ou atrapalha? Depende da individualidade e das particularidades de cada um.

De maneira idêntica à escolha de uma técnica de estudo, como fazer revisão ou a escolha da sua área para o concurso, a melhor pessoa para definir se a música ajuda ou atrapalha na hora de estudar é você.

Por fim, teste! O autoconhecimento é essencial nos estudos e, essa resposta, depende unicamente das suas próprias reações.

O estudante deve se sentir à vontade com o método e não estudar ouvindo música apenas porque pode potencializar sua concentração se isto o incomoda, por exemplo. Pois neste caso terá o efeito contrário, define Deborah Cal.

Como estudar com música atrapalha?

Além disso, outra armadilha para o futuro servidor ter atenção é a tentativa de ser multitarefas.

Segundo a coach, estudos indicam que realizar várias atividades ao mesmo tempo coloca um risco de reduzir o QI em até dez pontos. Justamente por desacelerar os processos mentais.

Consequentemente, sabemos que isso é tudo que você não precisa durante os seus estudos, certo?

Por outro lado, se estudar com música atrapalha mais do que ajuda alguns, o silêncio absoluto também é um inimigo.

Eventualmente, se você está acostumado a estudar com tampões nos ouvidos, por exemplo, pode estranhar e se sair mal no dia da prova devido à falta do silêncio completo.

Às vezes, pode acontecer de o candidato do seu lado estar comendo amendoim e fazendo barulho ao mastigar. Simultaneamente, um carro de som estaciona do outro lado na rua em que sua sala fica, tocando em alto e bom som.

Como estudar com música?

“Radicalismo nunca é bom”, afirma Deborah Cal. “Você tem que achar o meio termo e se acostumar, ser flexível e se adaptar à realidade”.

Do mesmo modo, isso também vale para quem estuda sempre com música. Em outras palavras, tenha consciência de que essa não será a sua situação no dia da prova.

Ou seja, não fique viciado! Estudar com música pode ajudar, mas não deixe que se torne um vício e que você consiga se relacionar com os conteúdos da prova apenas com uma melodia ou um ruído branco no fundo.

No dia do exame, usar fones de ouvido ou tampões não é uma possibilidade.

Respondemos se estudar com música ajuda ou atrapalha? Se você tem outras dúvidas sobre o estudo para concurso, fique atento ao Blog da Folha Dirigida. O próximo post pode ser a resposta para uma questão sua!

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Assunto bem inusitado! Para esse tipo de questão, considero importante usar dados científicos para chegar a uma conclusão. Digo isso porque as impressões pessoais dos estudantes a respeito de seu rendimento são frequentemente equivocadas! Muito bom artigo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *